Porto Velho (RO) segunda-feira, 10 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Hidrelétricas do Madeira

Especialistas alertam para risco de apagão elétrico


Risco de racionamento de energia poderá chegar a 28% nos próximos anos
 
BRASÍLIA, 23 de julho - Um estudo divulgado pelo Instituto "Acende Brasil" apresentado à imprensa na semana passada, alerta que o Brasil está sob a eminência de um novo apagão elétrico caso sejam mantidas as previsões de crescimento de 4,8% do Produto Interno Bruto (PIB). Segundo o levantamento, realizado com base em análise de dados fornecidos por órgãos do governo, há 28% de chances de haver um novo apagão energético já em 2011, caso não sejam feitos investimentos em infra-estrutura de energia.  

Pelo levantamento, mesmo que a demanda por energia se reduza e não haja novos atrasos nos projetos de infra-estrutura na área, incluindo programas governamentais de incentivos à fontes alternativas de energia, o risco de o governo ter de enfrentar o racionamento é de 7% em 2010 e 16,5% em 2011.

O "Acende Brasil" chegou a esses dados ao trabalhar com informações fornecidas pelo Ministério de Minas e Energia (MME), da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
 
O estudo considerou variantes como o armazenamento de águas nos reservatórios, estímulos à construção de novas usinas, os resultados insatisfatórios do leilão de energia alternativa recentemente realizado e o termo de compromisso assinado entre  Petrobrás, o MME e a Aneel sobre a oferta de gás. Também foi considerado o fato de as Unsinas do Rio Madeira não ficarem prontas antes de 2012, assim como a Usina Nuclear de Angra 3, todos vistos como saídas para o problema.

Para o presidente da EPE, Maurício Tolmasquin, o estudo não corresponde à realidade. "É um estudo alarmista, que não agrega nada de útil", disse em entrevista ao jornal paulista "Estadão".

"É uma especulação. Há investidores que querem o aumento do preço da energia e fazem um jogo pesado para aumentar os preços dos leilões de energia", completou. Para ele, o instituto está "fazendo o jogo" desses investidores. 

Já o diretor da Área de Energia da Petrobrás, Ildo Sauer, classificou como "terrorista" o levantamento, segundo o jornal paulista. Ele argumentou que com a tecnologia disponível seria possível construir usinas térmicas em apenas um ano. Na Região Norte, por exemplo, a construção do Gasoduto Urucu-Porto Velho é apontada por especialistas como a obra mais rápida e prática que atenderia as principais demandas de energia da região. A viabilização desse projeto depende apenas da liberação do governo.

O presidente do instituto, Cláudio Sales, defendeu uma comunicação "transparente" entre o governo, sociedade e agentes do setor. "Esses números foram retirados de estimativas feitas pelo governo. É preciso um entrosamento entre as partes para que o problema seja resolvido", disse Sales ao jornal carioca "O Globo".

O polêmico levantamento foi feito para o instituto pela Consultoria PSR, sob o comando do respeitado especialista do setor, Mário Veiga.

Fonte: Bianca Lemos

Mais Sobre Hidrelétricas do Madeira

Iniciadas as obras de proteção das margens do rio na região da Madeira-Mamoré

Iniciadas as obras de proteção das margens do rio na região da Madeira-Mamoré

A população de Porto Velho pode comemorar o início das obras que fazem parte do importante projeto de revitalização do complexo da Estrada de Ferro

Hidrelétrica Santo Antônio completa quatro anos de geração

Hidrelétrica Santo Antônio completa quatro anos de geração

Porto Velho, março de 2016.Dia 30 de março marca os quatro anos desde o início de geração da Hidrelétrica Santo Antônio, localizada no rio Madeira, em

Estudantes de engenharia elétrica do acre visitam Jirau

O canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Jirau foi cenário de estudo dos estudantes do primeiro período do curso de Engenharia Elétrica da Universida

Governo faz mega desapropriação em Belo Monte

BRASÍLIA – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) formalizou na última terça-feira (3) a última desapropriação de terras para a construção da