Porto Velho (RO) sexta-feira, 13 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Hidrelétricas do Madeira

Bolívia retoma ataques a hidrelétricas do madeira...


Desta vez, deputados de Beni e Pando pedem que embaixador brasileiro detalhe projeto de usinas hidrelétricas
Esvaziado pela Assembléia Constituinte, o Congresso boliviano decidiu acirrar os ânimos no país contra a construção, pelo Brasil, das duas usinas hidrelétricas no Rio Madeira, em Rondônia.  O ativismo ambientalista dos parlamentares, no entanto, foi recheado de propostas estranhas.
A primeira é apresentar uma apelação ao Parlamento Amazônico.  Trata-se de uma entidade criada no papel em 1988 para agregar representantes dos Legislativos dos oito países da bacia do Rio Amazonas, mas que ainda vaga como um espectro entre as instituições multilaterais da América do Sul.
A segunda idéia é a convocação, pelo Senado boliviano, do chanceler David Choquehuanca para que responda sobre sua suposta demora e negligência ao cobrar do Brasil explicações sobre os impactos ambientais dos dois projetos, como destacou a edição de ontem do jornal El Deber, de Santa Cruz de la Sierra.  Entretanto, Choquehuanca é um notório aliado de organizações ambientais e ferrenho opositor à instalação das usinas no Madeira.  Mais razoável, a terceira iniciativa do Congresso boliviano é enviar um convite ao embaixador do Brasil em La Paz, Frederico Araújo, para que apresente informações técnicas sobre as hidrelétricas.
As iniciativas do Congresso boliviano foram encaradas com ironia por diplomatas brasileiros que acompanham o novo entrevero Brasil-Bolívia.  Em especial porque partem do princípio de que as usinas serão construídas na linha de fronteira entre os dois países.  Na realidade, a mais próxima, Jirau, estará a 80 quilômetros da divisa.  A segunda, Santo Antônio, a 300 quilômetros.  Até ontem, o Itamaraty não havia recebido resposta para a carta enviada na semana passada pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, a Choquehuanca, na qual sugeriu uma reunião técnica entre delegações dos dois países nos próximos dias 23 e 27, em Brasília.
Outra esquisitice apontada pelos diplomatas foi a autoria dessas ações: os deputados e senadores dos Departamentos do Beni e do Pando.  Na fronteira com o Brasil, essas regiões serão as maiores favorecidas na Bolívia com a construção das duas usinas.  Essas obras poderão fomentar a instalação de outras duas hidrelétricas - uma binacional na divisa e outra no interior do território boliviano, provavelmente nessas regiões.
'A gente sempre repete às autoridades bolivianas que, em caso de um desastre ambiental em uma das usinas brasileiras, a Bolívia não será afetada.  Antes de surgir qualquer conseqüência na Bolívia, caem o ministro de Minas e Energia e o presidente do Ibama', resumiu um diplomata brasileiro.  'Essas iniciativas só servem para atiçar as picuinhas do governo boliviano contra o Brasil.'
A polêmica sobre as hidrelétricas acentua a divisão do governo boliviano.  Pragmático, Evo Morales espera dados mais concretos para se posicionar.
Fonte: O Estado de S.Paulo - Denise Chrispim Marin 

Bolívia retoma ataques a hidrelétricas do madeira... - Gente de Opinião
Custo de usina no Rio Madeira pode ser até 20% menor
USINAS DO MADEIRA: Bolívia não será afetada...
HIDRELÉTRICAS: Comunidade poderá ser deslocada...
Itaipu também sofreu pressões

Mais Sobre Hidrelétricas do Madeira

Iniciadas as obras de proteção das margens do rio na região da Madeira-Mamoré

Iniciadas as obras de proteção das margens do rio na região da Madeira-Mamoré

A população de Porto Velho pode comemorar o início das obras que fazem parte do importante projeto de revitalização do complexo da Estrada de Ferro

Hidrelétrica Santo Antônio completa quatro anos de geração

Hidrelétrica Santo Antônio completa quatro anos de geração

Porto Velho, março de 2016.Dia 30 de março marca os quatro anos desde o início de geração da Hidrelétrica Santo Antônio, localizada no rio Madeira, em

Estudantes de engenharia elétrica do acre visitam Jirau

O canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Jirau foi cenário de estudo dos estudantes do primeiro período do curso de Engenharia Elétrica da Universida

Governo faz mega desapropriação em Belo Monte

BRASÍLIA – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) formalizou na última terça-feira (3) a última desapropriação de terras para a construção da