Porto Velho (RO) segunda-feira, 10 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Hidrelétricas do Madeira

BNDES financiará obra do Madeira


O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Eletrobrás participarão como acionistas no projeto de construção das duas hidrelétricas do Rio Madeira, em Rondônia, com uma parcela que poderá chegar a 49% do total. 'Obviamente, não queremos entrar com porcentual tão alto. O ideal é que o grupo vencedor (da licitação para a obra) tenha robustez (financeira) para o projeto. Mas a participação pode chegar a este limite', afirmou ontem o presidente do banco, Luciano Coutinho.

A participação acionária é apenas uma das alternativas ao envolvimento do banco no projeto. 'Estaremos à disposição para o modelo de participação que for melhor. O BNDES e a Eletrobrás darão suporte a qualquer dos consórcios que saia vencedor', disse Coutinho.

Lembrando que a construção das hidrelétricas de Jirau e Santo Antonio são projetos de mais de US$ 10 bilhões, o executivo comentou que a atuação do banco se dará também na estruturação de um 'project finance' para viabilizar a obra. 'Será um project finance em escala jamais realizada no Brasil. O banco já montou um grupo especial para criar esta estrutura.'

O BNDES foi convocado pela ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, a apoiar o ciclo de investimentos em energia. 'Teremos uma reunião muito em breve com o Ministério de Minas e Energia e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) para marcar claramente as condições especiais para projetos de co-geração e conservação de energia', disse Coutinho.

A dificuldade de tirar Furnas dos leilões levou o governo a trabalhar com um plano alternativo para manter o equilíbrio entre os agentes privados que disputarão o direito de construir e operar as hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau. Segundo o presidente da EPE, Maurício Tolmasquim, o governo pode oferecer ao vencedor do leilão uma sociedade com a BNDESPar, empresa de participações do BNDES.

De acordo com Tolmasquim, a BNDESPar poderia ter até 49% de participação. O presidente da EPE também não descartou a hipótese de o BNDESPar entrar na sociedade junto com outro agente público, não mencionando qual. A idéia original do governo era impedir a participação de qualquer empresa do Grupo Eletrobrás no leilão, oferecendo posteriormente aos vencedores sociedade com a Eletrobrás e o BNDESPar. O argumento do governo é o de que a presença de uma estatal em único consórcio desequilibraria a disputa.

A questão é que a estatal Furnas, subsidiária da Eletrobrás, já havia assinado um termo de compromisso com o Grupo Odebrecht para uma sociedade no leilão. É justamente para evitar uma briga judicial com a Odebrecht que o governo já começa a falar em alternativas ao plano de tirar Furnas do leilão.

Irany Tereza e Leonardo Goy
Fonte: O Estado de S.Paulo 

Mais Sobre Hidrelétricas do Madeira

Iniciadas as obras de proteção das margens do rio na região da Madeira-Mamoré

Iniciadas as obras de proteção das margens do rio na região da Madeira-Mamoré

A população de Porto Velho pode comemorar o início das obras que fazem parte do importante projeto de revitalização do complexo da Estrada de Ferro

Hidrelétrica Santo Antônio completa quatro anos de geração

Hidrelétrica Santo Antônio completa quatro anos de geração

Porto Velho, março de 2016.Dia 30 de março marca os quatro anos desde o início de geração da Hidrelétrica Santo Antônio, localizada no rio Madeira, em

Estudantes de engenharia elétrica do acre visitam Jirau

O canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Jirau foi cenário de estudo dos estudantes do primeiro período do curso de Engenharia Elétrica da Universida

Governo faz mega desapropriação em Belo Monte

BRASÍLIA – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) formalizou na última terça-feira (3) a última desapropriação de terras para a construção da