Porto Velho (RO) sexta-feira, 3 de dezembro de 2021
×
Gente de Opinião

Evento

Reflexos da Lava-Jato para os TCs e evolução do STF marcam conferências de abertura do VII Fórum


O ministro Benjamin Zymler abordou a evolução do processo de contas a partir de eventos como a operação Lava-Jato - Gente de Opinião
O ministro Benjamin Zymler abordou a evolução do processo de contas a partir de eventos como a operação Lava-Jato

As duas primeiras conferências do VII Fórum de Direito Constitucional e Administrativo aplicado aos Tribunais de Contas, ministradas pelo ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Benjamin Zymler, e pelo professor e jurista Pedro Lenza, focaram em assuntos que têm pautado o cotidiano nacional, respectivamente, a operação Lava-Jato e os debates sobre o foro privilegiado.

O ministro Zymler, que retornou ao Fórum após a participação na edição de 2017, abordou como temática “Evolução do processo de contas: a interconexão com o processo judicial a partir da operação Lava-Jato”, pontuando situações referentes à operação que tiveram reflexo direto na atuação dos TCs.

Também lembrou que a lei estabelece sanções para as empresas que fraudam editais de licitação e prevê assinaturas de acordos de leniência mediante os quais elas confessam a fraude e devolvem o sobrepreço ao erário. No entanto, segundo ele, a lei é de difícil aplicação e estabelece multas pesadíssimas para as empresas, capazes de inviabilizar a sua própria sobrevivência.

Por esse motivo as empresas não se sensibilizam para assinar acordos de leniência, especificamente nos casos apurados pela Lava-Jato de desvios de recursos da Petrobras.

SUPREMO

Intitulada “O papel da Suprema Corte nesses 30 anos de vigência da CF”, a conferência ministrada pelo professor Pedro Lenza focou na perspectiva de reforma do Judiciário, especialmente no que diz respeito à redução do número de processos em tramitação nos tribunais.

Utilizando o termo “Supremocracia”, cunhado pelo também advogado Oscar Vilhena, Lenza explicou que a expressão serve, principalmente, para fazer referência à ampliação das funções do Supremo, após a Constituição de 88. O advogado utilizou dados para exemplificar: em 1940 havia distribuição de 2419 processos no Supremo, indicativo que explodiu em 2002, com 160 mil processos. “Mais de 100 mil causas por ano, é um absurdo”, disse.

Para ele, o STF chegou no limite. “Deveríamos deixar para a Suprema Corte apenas as questões extraordinárias, porque senão suprimimos o papel do órgão de julgar os grandes temas”, completou Lenza.

 O jurista Pedro Lenza defendeu a reforma do Judiciário, iniciando-se pelo STF - Gente de Opinião
O jurista Pedro Lenza defendeu a reforma do Judiciário, iniciando-se pelo STF

Veja Mais

Mais Sobre Evento

Por que Jesus teve que morrer?

Por que Jesus teve que morrer?

No sábado, 27 de março, milhões de Testemunhas de Jeová e pessoas interessadas em todo o mundo estarão reunidas para o evento mais importante do ano

Participe da bênção e inauguração do Presépio da Capelania da Ala

Participe da bênção e inauguração do Presépio da Capelania da Ala

A Capela Nossa Senhora do Loreto da Base Aérea de Porto Velho convida a população de Porto Velho para prestigiar a inauguração do presépio neste domin

Pablo Vittar, fenômeno da música atualmente, fará show em Porto Velho

Pablo Vittar, fenômeno da música atualmente, fará show em Porto Velho

Ele tem nada menos do que três milhões de ouvintes mensais no Spotify

I Concurso de Redação 2018 - Ameron entrega os prêmios aos vencedores

I Concurso de Redação 2018 - Ameron entrega os prêmios aos vencedores

O Concurso de Redação da Ameron contou com a participação de 134 candidatos, 21 escolas envolvendo 11 municípios de Rondônia