Porto Velho (RO) quinta-feira, 15 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Esron Penha de Menezes

CERTIDAO DE BATISMO DE PORTO VELHO - Por Esron Penha de Menezes


Li, com muita atenção, o artigo do Desembargador Hélio Fonseca, publicado no jornal Alto Madeira, edição de domingo, num 15 de outubro já alguns anos passados.
 
No primeiro parágrafo, quase no final, cita meu nome e relata que escrevi um artigo sobre o assunto, mas desacompanhado de qualquer documento comprobatório. Tenho livros que falam da construção da Madeira Mamoré, sendo: Estrada de Ferro Madeira Mamoré, de Neville Craig; o festejado Ferrovia do Diabo, do emérito historiador Eng. Manoel Rodrigues Ferreira; as Botas do Diabo, de Kurt Falkenburger; Mad Maria, de Marcio Souza; Romance da Madeira Mamoré, de Barros Ferreira, Achegas para a Historia de Porto Velho, de Antonio Cantanhêde, e depoimentos transcritos em meu livro, das paginas 311 a 315, extraídos da conferência proferida em 6 de março de 1936 pelo Cap. Aluisio Pinheiro Ferreira, na sociedade dos amigos de Alberto Torres, e nenhuma dessas pessoas chegam, mesmo de leve, a tocar no assunto.
 
Escrevi uma monografia com a qual conquistei primeiro lugar e um premio de Cr$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzeiros). Nesse trabalho peguei alguma cousa do “affaire” entre o Eng. Carlos Alberto Morsing e o Eng. Júlio Pinkas. Segundo a documentação encontrada em Santo Antônio, parte comida pelas formigas, tanto Morsing quanto Pinkas não se afastaram um passo para abaixo de Santo Antônio.
 
Alias Júlio Pinkas declarou que o levantamento feito pela Comissão Morsing não passava de uma fantasia engendrada nos escritórios do Rio de Janeiro.
 
Aluisio Ferreira, num trecho da sua conferência, diz: “Esta Comissão, depois de dois meses de estada em Santo Antônio onde aportou em março de 1883, teve a mesma sorte dos engenheiros e trabalhadores da casa P & T Collins, pois pereceram entre outros os profissionais Leitão Cunha, Índio do Brasil e Tomaz Cerdeira (em alguns documentos figura como Tomaz Cerqueira). Não obstante, apresentou as plantas de 112 quilômetros de exploração realizada numa época em que a ignorância da profilaxia do impaludismo era o maior obstáculo a qualquer serviço”.
 
Continua: “O trabalho da Comissão Morsing foi encomendo pelo Clube de Engenharia, que proclamou a competência do chefe, mediante parecer firmado por Herculano Pena, André Rebouças, Silva Coutinho, F.P. Passos, Aarão Reis, Carlos Niemeyer, Melo Barreto e P. Mayrink”.
 
Esses dados foram compilados de um artigo escrito por Joaquim Catramby na revista do Clube de Engenharia nº 71 (janeiro e fevereiro de 1941); do livro de Júlio Nogueira intitulado “A Madeira Mamoré, a Bacia do Mamoré, publicado em 1913 pela tipografia do Jornal do Comércio; do artigo de Júlio Pinkas, publicado na revista da sociedade de Geografia do Rio de Janeiro, III, 4º Boletim – 1887”.
 
O que escrevo, Desembargador Helio Fonseca, leva a minha chancela, guardando do escrito os documentos comprovantes. 
 
Todos os documentos – assinados por seus autores – não falam em Porto Velho, Porto do Velho ou Ponto Velho, região que só foi conhecida quando os empreiteiros May and Jekill, aos quais mais tarde se associou o contabilista Randolph, verificaram a impossibilidade da manobra e armazenamento do material pesado e mandaram seus topógrafos estudarem um local abaixo.
 
Lembro ainda ao Desembargador Hélio Fonseca que depois desses estudos houve entendimentos e até demanda judicial para compra dos terrenos denominado Candelária e Santa Martha, de propriedade de Suarez Hermanos, o primeiro e de Andrés Frandoli, o segundo, que foram adquiridos pela Madeira Mamoré por duas mil libras esterlinas. Os restantes, do igarapé Bueiro até a Praia do Tamanduá, terras de Costa Crespo foram desapropriadas pelo Governo Federal. Desembargador Hélio Fonseca, se não acredita no que eu escrevi, vai chamar muita gente de mentirosa.
 
Não só a mim.

Fonte: Esron Penha de Menezes

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Esron Penha de Menezes

HISTORIADORES REAGEM CONTRA ABANDONO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO

HISTORIADORES REAGEM CONTRA ABANDONO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Os principais historiadores rondonienses, do porte de Francisco Mathias, Esron Menezes, Lúcio Albuquerque, Yeda Borzakov, entre tantos outros, se most

Nota de Agradecimento

  Neste momento de consternação total pela brutalidade que foi ceifada a vida de meu saudoso tio Esron de Menezes Neto, em nome da família Menezes que

NOTA: ESRON DE MENEZES NETO

ESRON DE MENEZES NETO             A morte em si de qualquer pessoa nos oprime porque somos do gênero da espécie humana, mas a morte com a brutalidade

PROJETO DA FUNDAÇÃO

PROJETO DA FUNDAÇÃO

Quando falam em acontecimento de épocas passadas, lembram-se de mim, como se eu fosse "o último varão sobre a terra". Mas não sou só eu daquela época: