Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Receitas de leilões de energia só poderão entrar em 2016, diz presidente da CMO



Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil

Com arrecadação prevista de R$ 17 bilhões, os leilões de renovação da concessão de usinas hidrelétricas realizados hoje (25) poderão render recursos para o governo somente no próximo ano, informou há pouco a presidenta da Comissão Mista de Orçamento (CMO), senadora Rose de Freitas (PMDB-ES). Ela se reuniu por mais de duas horas com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e disse que não recebeu garantias de que as receitas das concessões comecem a entrar em dezembro.

Inicialmente, o governo previa arrecadar R$ 11 bilhões com os leilões das hidrelétricas em 2015 e R$ 6 bilhões em 2016. “A gente fez a pergunta para o ministro [Levy]. São R$ 11 bilhões que ele citou que vão entrar, mas só para o ano que vem”, afirmou a senadora.

De acordo com Rose de Freitas, o governo precisará encontrar uma alternativa para os R$ 30 bilhões que deveriam entrar nos cofres federais por meio da repatriação de recursos mantidos legalmente no exterior.

Ela disse que a aprovação da proposta de partilhar o montante com os estados e municípios reduziu a estimativa de receitas para a União no próximo ano. “A repatriação, do jeito que foi votada, retirou recursos que contabilizávamos como receita”, disse a senadora.

Por causa da prisão do líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), a CMO adiou para amanhã (26), às 10h30, a votação do relatório de receitas do Orçamento de 2016. A votação estava marcada para hoje. Segundo Rose de Freitas, as turbulências políticas estão interferindo no cronograma de votações. “Existe uma crise política. A única coisa concreta é que o ajuste fiscal está embananado”, declarou.

Também presente à reunião, o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG), representante do partido na CMO, disse que a oposição propôs a Levy um cronograma para a CMO aprovar o relatório final do Orçamento de 2016 até 16 de dezembro, dando tempo para o Congresso votar o texto antes do fim do ano.

Domingos Sávio acrescentou que qualquer proposta com credibilidade precisa excluir a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), estimada em R$ 24 bilhões para o próximo ano.

“A CPMF está sendo votada por meio de uma proposta de emenda à Constituição que ainda nem tem relator e levará muito tempo para ser votada. Um Orçamento com credibilidade não deve contar com essa fonte de receita para o próximo ano”, concluiu o deputado.

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A