Porto Velho (RO) sexta-feira, 21 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Para Lobão, erro de conexão entre usinas e linha de transmissão é de responsabilidade dos consórcios


 

Gente de Opinião
Ana Cristina Campos e Pedro Peduzzi
Agência Brasil

 

Brasília – O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse hoje (13) que o erro de conexão entre as usinas Jirau e Santo Antônio, no Rio Madeira (RO), e a linha de transmissão até o estado de São Paulo é de responsabilidade dos consórcios que venceram as licitações dos empreendimentos. Lobão, no entanto, descartou que o caso resulte, pelo menos em um primeiro momento, na possibilidade de instauração de processo administrativo contra os responsáveis pela falha.
 

A declaração do ministro, feita momentos antes dele participar da Feira de Negócios de Tecnologia Brasil-China, em Brasília, foi uma resposta a denúncias publicadas no jornal Valor Econômico. De acordo com a matéria, o edital não especificou determinados equipamentos a serem utilizados, o que resultou em um problema de incompatibilidade entre os sistemas das usinas e a linha de transmissão que as liga a Araraquara (SP).
 

“Os consórcios ganhadores das duas usinas é que são responsáveis [pela incompatibilidade] e a eles interessa resolver essa questão. Se houvesse redução na geração de energia, o que não vai haver, eles é que perderiam financeiramente”, disse o ministro. Segundo ele, os equipamentos necessários para solucionar o problema estão sendo encomendados. “Um processo administrativo [contra os responsáveis] não está no horizonte, mas se houver necessidade faremos isso”, completou.
 

Em nota publicada ontem (12), o Ministério de Minas e Energia (MME) negou quaisquer erros, e acrescentou que os editais de licitação das duas usinas determinam que os vencedores do certame “deverão obedecer aos Procedimentos de Rede e demais exigências e orientações do Operador Nacional do Sistema Elétrico [ONS] para a operação dos empreendimentos”.
 

Uma cláusula do contrato de concessão estabelece que as usinas serão operadas na modalidade integrada, submetendo-se às instruções do ONS e observando os procedimentos de rede aprovados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Segundo a nota, esses procedimentos de rede “determinam que o dimensionamento dos sistemas de proteção e controle das usinas é de responsabilidade dos agentes de geração vencedores do leilão”.
 

As usinas Santo Antônio e Jirau foram licitadas em dezembro de 2007 e maio de 2008, respectivamente. E a licitação do sistema de transmissão da rede básica para a conexão das usinas com o Sistema Integrado Nacional (SIN) foi feita em novembro de 2008, quando foram definidos os equipamentos. “Os agentes geradores deveriam tomar as providências para o cumprimento dos Procedimentos de Rede”, completa a nota do MME.

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Comissão da ALE aprova projetos que retiram incentivos das usinas do Madeira

Comissão da ALE aprova projetos que retiram incentivos das usinas do Madeira

Comissão também analisou outros projetos que seguem para votação em Plenário...

Sistema de transposição de peixes da UHE Jirau é referência

Sistema de transposição de peixes da UHE Jirau é referência

Sistema de Transposição de Peixes da UHE Jirau foi projetado pelos melhores especialistas no assunto

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

A Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau, mantém uma agenda de visitas institucionais que inclui os pr