Porto Velho (RO) quarta-feira, 19 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Ministério Público de Rondônia vai lutar contra mudança



O Ministério Público de Rondônia promete atuar contra a mudança no reservatório da usina de Santo Antônio. "Não podemos pensar só na matemática econômica. Ainda não temos um laudo técnico que possa afiançar o bom funcionamento do reservatório na cota de 71,3 metros", disse o promotor Aluildo de Oliveira Leite, que monitora os impactos associados à construção das hidrelétricas no rio Madeira.
 

Em julho, uma ação civil pública foi ajuizada na Justiça Federal em Rondônia, pedindo a manutenção da cota e que o Ibama ficasse impedido de autorizar qualquer mudança. O pedido foi negado e o MP de Rondônia, junto com o Ministério Público Federal, recorreu ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região.
 

"Por cautela, o Poder Judiciário não deveria autorizar a elevação da cota", afirmou Leite. Após o enchimento do reservatório, segundo ele, houve um processo de "erosão acelerada" e uma queda da barrancos deixou 120 famílias ribeirinhas desabrigadas. "A tendência é que esses fenômenos se repitam", advertiu o promotor.
 

Leite disse não ter sido comunicado, por enquanto, do aval do Ibama e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) à ampliação de capacidade na hidrelétrica de Santo Antônio. Ele destacou, no entanto, a necessidade de aprofundamento dos estudos antes de uma decisão. "Para o deferimento, precisamos de estudos mais concretos. Faltou um trabalho mais técnico e pesquisas mais aprofundadas, por exemplo, no que se refere aos hidrossedimentos", acrescentou.
 

Para o promotor, a Aneel não está agindo com a transparência necessária. "Temos que ter acesso a toda a documentação", disse.
 

Os grupos responsáveis pela construção das duas usinas do rio Madeira estão em conflito desde 2008, quando a hidrelétrica de Jirau foi leiloada, pela Aneel. A licitação de Santo Antônio foi vencida por um grupo liderado por Furnas e Odebrecht, que comandaram todos os estudos do complexo hidrelétrico. As duas empresas tinham grande expectativa de levar a melhor também em Jirau, mas uma proposta surpreendente do consórcio capitaneado pela multinacional francesa GDF Suez acabou arrematando a concessão da usina.
 

O projeto da Suez mudava a localização original da usina, o que foi alvo de forte contestação pela Odebrecht. Até a intervenção do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi necessária para acalmar os ânimos da construtora.
 

Fonte: Valor

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

A Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau, mantém uma agenda de visitas institucionais que inclui os pr

Estudantes de engenharia visitam UHE Jirau

Estudantes de engenharia visitam UHE Jirau

Universitários conheceram algumas estruturas do empreendimento

Obras do Linhão de Machadinho e Buritis serão licitadas em Outubro

Obras do Linhão de Machadinho e Buritis serão licitadas em Outubro

Com o objetivo de conectar as cidades abastecidas de energia elétrica por usinas térmicas ao Sistema Interligado Nacional, a Eletrobras Distribuição R

Linhão vai interligar o Amazonas com as usinas de Rondônia e Pará

Linhão vai interligar o Amazonas com as usinas de Rondônia e Pará

As interligações previstas são as seguintes: a da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, com Parintins; a das usinas de Jirau e Santo Antônio, em Ron