Porto Velho (RO) sábado, 23 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Jesuíno propõe CPI para investigar Eletrobras Rondônia


 

Parlamentar disse não ter sido convencido
pelas explicações dadas pelo presidente da empresa

Durante Comissão Especial realizada no plenário da Assembleia Legislativa na tarde de terça-feira (29), os deputados ouviram o presidente da Eletrobras Distribuição Rondônia, Luiz Marcelo Reis de Carvalho. Ele explicou aos deputados as razões dos constantes apagões que têm atingido Rondônia e Acre e ouviu reclamações quanto à tarifa de energia elétrica cobrada no Estado.

O deputado Jesuíno Boabaid se demonstrou bastante insatisfeito com o serviço prestado pela Eletrobrás, que nos últimos meses tem deixado milhares de moradores de Rondônia e Acre sem energia, o que além de desconforto, causou prejuízos aos comerciantes.

O parlamentar afirmou que há um interesse por trás desses blecautes, se referindo às especulações de que a energia era desligada em Rondônia e Acre para que Estados maiores, tais como São Paulo, não fossem sobrecarregados e sofressem apagões.

 “Antigamente eu pagava determinado valor na minha conta de energia, hoje em dia, depois dessa bandeira vermelha e ajustes na tarifa, minha conta quase triplicou”, relatou.

O parlamentar declarou que as usinas do Madeira não estão trazendo benefícios para Rondônia e que os representantes da Eletrobrás precisam dar melhores explicações sobre a alta tarifa e principalmente sobre os apagões. “A sua explicação não me convenceu”, desabafou o parlamentar a Luiz Marcelo.

Ao ser indagado sobre a possível existência de adulteração nos medidores de energia usados pelos funcionários da Eletrobrás, Luiz Marcelo afirmou que tal irregularidade não procede, sendo que os equipamentos são comprados pela Eletrobrás e que todos eles possuem o selo de garantia do Inmetro. “Nossos funcionários não têm como adulterar os valores das contas”, declarou.

Marcelo explicou, sobre os eletrodomésticos que porventura forem queimados durante as quedas de energia. Disse ele que o consumidor que for lesado deverá registrar o fato e ir até a Eletrobrás para pedir ressarcimento pelo bem material danificado. “Temos uma equipe especializada para avaliar os equipamentos danificados”, afirmou.

Foi citada, ainda, a falta de explicação dada aos populares que se dirigem ao prédio da Eletrobrás para contestar supostos valores abusivos cobrados nos talões de energia, sendo que, leigo, o cidadão ouve uma explicação e acaba aceitando, vindo a pagar o valor cobrado, mesmo sem ter a certeza se aquilo está certo.

O parlamentar propôs a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para que sejam apuradas possíveis irregularidades na Eletrobrás, e mais, que sejam explicados, de forma bem clara, os problemas dos apagões.

Para finalizar, Jesuíno indagou os representantes sobre a possível continuidade dos apagões, se serão frequentes em Rondônia e Acre, sendo respondido que providências foram tomadas no intuito de que não ocorram mais episódios desta magnitude.

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A