Porto Velho (RO) quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Governo está preocupado com repercussão social e política das privatizações na Eletrobras


 

Companhia terá 210 dias para apresentar ao governo um
estudo completo sobre o impacto do processo de desestatização


Wagner Freire, da Agência CanalEnergia

O Governo Federal está preocupado com a repercussão política e social que o processo de privatização de sete distribuidoras do Grupo Eletrobras pode causar e pediu um prazo de 210 dias para avaliar a desestatização das empresas de uma forma mais ampla, disse José da Costa Carvalho Neto, presidente da Holding Eletrobras. O executivo participou nesta quinta-feira, 14 de janeiro, da cerimônia de inauguração do Complexo Eólico Chapada do Piauí (PI- 436 MW), em Marcolândia, no Piauí.

O governo, que é sócio majoritário da Eletrobras, aprovou a venda da Celg (GO). Há uma expectativa que as distribuidoras que atendem aos estados de Alagoas, Piauí, Roraima, Rondônia e Acre sigam o mesmo caminho. Porém, a desestatização enfrenta resistência por parte de grupos sociais e funcionários dessas empresas. Nesta semana houve, inclusive, manifestações em Brasília contra a venda da Celg.

Segundo Costa Neto, a companhia está providenciando a contratação de um estudo para balizar a decisão de desestatização do governo. “O principal ponto é que a União queria que fosse feito um estudo mais completo, inclusive com consultores externos, para que a decisão toda tivesse um embasamento financeiro, econômico, social e político”, declarou o executivo à Agência CanalEnergia.

Não está definido se a venda das empresas será total ou parcial. O objetivo do governo é concentrar os recursos da Eletrobras nos setores de geração e transmissão. “Esse é o mote principal, liberar os recursos da Eletrobras para as grandes obras de geração e transmissão”, disse Costa Neto. “A Eletrobras foi feita para as grandes usinas, grandes linhas de transmissão. Esse é o papel da Eletrobras.”

Para Costa Neto, o setor privado poderá dar a eficiência e a qualidade operacional que a população atendida por essas empresas necessita. A Eletrobras planeja “concentrar esforços” nesse primeiro semestre do ano, para no segundo semestre voltar a protagonizar nos leilões de energia e transmissão. 

O empreendimento inaugurado nesta quinta-feira é mais um projeto da Eletrobras que entra em operação, contribuindo para atender parte da demanda de energia elétrica da região Nordeste, que atualmente enfrenta uma grande seca, impactando a produção hídrica. As usinas foram construídas pela ContourGlobal em parceria com a Chesf, subsidiária da Eletrobras.

*O repórter viajou a convite da ContourGlobal

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A