Porto Velho (RO) sábado, 23 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Elétricas voltam a emitir debêntures após ajuda ao setor


 Elétricas voltam a emitir debêntures após ajuda ao setor - Gente de Opinião

Santo Antônio Energia, responsável pela hidrelétrica no Rio Madeira, captou R$ 700 milhões em debéntures em abril

 

Copel, CPFL e Santo Antônio levantam recursos no
mercado de capitais, mas investidor ainda vê risco

 

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo - Valor
 

Com o alívio ao menos temporário nos problemas do setor elétrico após o pacote de socorro do governo às distribuidoras, as empresas voltaram a acessar o mercado de capitais doméstico em busca de recursos. Diversas operações saíram do papel nas últimas semanas e outras estão em preparação. Apesar da melhora, os investidores permaneceram seletivos, o que levou os bancos a absorverem parte das emissões que originalmente iriam a mercado.
 

Na semana passada, a estatal paranaense Copel captou R$ 1 bilhão e a CPFL Geração levantou R$ 635 milhões por meio de emissões de debêntures. A demanda, porém, foi apertada e, no caso da Copel, teria ficado um pouco abaixo da oferta. A distribuidora carioca Light também realizou uma emissão na semana passada, no valor de R$ 750 milhões, mas os papéis ficaram no balanço dos bancos, segundo fontes.
 

O apetite dos investidores deve ser testado novamente até o fim do mês, com uma oferta de R$ 479 milhões da Duke Energy. Outras empresas, como a mineira Cemig e a Ampla, distribuidora que atua no interior do Rio de Janeiro, também planejam emitir debêntures, apurou o Valor.

Elétricas voltam a emitir debêntures após ajuda ao setor - Gente de Opinião

As empresas elétricas são as principais emissoras de títulos de dívida no mercado brasileiro. De janeiro a abril deste ano, as captações do setor representaram quase 34% de todo o mercado doméstico, de acordo com dados da Anbima, associação que representa as instituições que atuam no mercado de capitais.
 

A confiança dos investidores no setor começou a ser abalada em 2012, após as mudanças nas regras de renovação das concessões. Na ocasião, a Eletrobras, uma das empresas mais afetadas pelas mudanças nos contratos, cancelou uma captação de R$ 2 bilhões em debêntures.
 

A situação se agravou no início de 2014, em virtude do rombo no caixa das distribuidoras provocado pela exposição no mercado à vista, cujos preços dispararam. A crise no setor prejudicou emissões como a da AES Tietê, que obteve demanda apenas parcial para uma oferta de R$ 300 milhões em debêntures, realizada no início de março. Os papéis que não foram vendidos ficaram com os bancos coordenadores da operação, que concederam garantia firme de colocação.
 

O anúncio do plano de ajuda, que contou com um empréstimo de R$ 11,2 bilhões à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), além de um aporte de recursos do Tesouro e a realização de um leilão de energia, fez com que os investidores tornassem a avaliar o setor. No início de abril, a Santo Antônio Energia fechou uma captação de R$ 700 milhões. A concessionária responsável por uma das hidrelétricas em construção no Rio Madeira emitiu debêntures de infraestrutura, que contam com benefício fiscal para investidores.
 

O resultado das emissões mais recentes, contudo, mostra que o mercado segue com restrições ao setor. Nas palavras do executivo da área de renda fixa de um grande banco, o pacote de socorro ao setor elétrico "tirou o bode da sala" e reduziu o risco imediato de financiamento dessas empresas. Nesse cenário, as companhias que atuam com transmissão e geração de energia são apontadas como as menos arriscadas do ponto de vista regulatório. Já as distribuidoras tendem a encontrar mais dificuldades para captar recursos no mercado.
 

O problema no setor elétrico ocorre em um ano fraco no mercado de capitais local. As ofertas de debêntures somam R$ 13,6 bilhões de janeiro a abril, o que representa queda de 43% em relação ao mesmo período de 2013.

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A