Porto Velho (RO) segunda-feira, 24 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Após eleições, governo está sem saída e racionamento de energia pode ocorrer em 2015



Após garantir mais quatro anos de mandato, a presidente Dilma Rousseff (PT) não possui mais alternativas, a não ser declarar que o Brasil terá que passar por um racionamento de energia em 2015, segundo avaliações feitas por diversas empresas de consultoria do setor energético.

O nível dos reservatórios, principalmente das Regiões Centro-Oeste e Sudeste é o mais baixo que se tem registro, inclusive inferior aos dados do mesmo período de 2001, ano do “apagão” em todo o país.
As usinas termoelétricas e o montante de água acumulada na Região Sul, não serão suficientes para garantir o abastecimento a nível nacional no próximo ano, a menos que volte a chover e de forma contínua e muito acima da média na região central do país, previsão esta não sinalizada por nenhum modelo numérico.

 

Gente de Opinião

Valores de represamento monitorados pelo ONS mostram baixos valores em
hidrelétricas do Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste, além de Tocantins.

 

De acordo com Erik Rego, diretor da consultoria Excelência Energética, a confirmação de um racionamento em 2015 só depende do regime de chuva que caiará, no máximo, até dezembro desse ano.

“O risco é muito maior que em 2013, pois neste ano, as térmicas conseguiram controlar a situação, mas com o nível dos reservatórios baixando a cada dia, onde já deveria estar chovendo, a última solução é decretar o racionamento a nível nacional”, concluiu.

Com racionamento ativo, não apenas a população terá que poupar energia, mas o ritmo do crescimento, principalmente das indústrias, pode ser altamente afetado e com isso, os números da economia com a geração de emprego e receita tende a despencar.

A cogitação, cada vez maior para o racionamento de energia em 2015, já levanta rumores na Bolsa de Valores, cujas ações de empresas ligadas ao governo federal, devem sofrer grandes variações nos próximos meses.

O governo não fez a sua parte em investir maciçamente em energia e esperou até agora a chuva, que comprovadamente, não caiu e muito difícil cairá com a intensidade necessária para recuperar o armazenamento das represas.

Algumas regiões entre Goiás, Minas Gerais e São Paulo, por exemplo, apresentem déficit pluviométrico superior a 1.400 milímetros, o que equivale a toda a chuva que costuma cair ao longo de um ano.
Além da irregularidade de precipitação e o temor em demissões e paralisações no campo industrial, o preço muito alto da energia cotada para o período 2015/2016 tende a inviabilizar vários projetos de ordem federal.

A nós, consumidores, e que já sentimos nos últimos meses o resultado da falta de investimentos, resta-nos apenas esperar a porcentagem absurda no aumento da tarifa de energia elétrica para o próximo ano.

 

(Crédito da imagem: Reprodução/ONS)

(Fonte da informação: De Olho No Tempo Meteorologia)

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Hidrelétrica Santo Antônio comemora o Dia da Árvore com criação de bosque

Hidrelétrica Santo Antônio comemora o Dia da Árvore com criação de bosque

Na manhã de hoje, em comemoração ao Dia da Árvore, foi inaugurado um bosque na Hidrelétrica Santo Antônio. A área de mais de dois hectares, o equivale

Comissão da ALE aprova projetos que retiram incentivos das usinas do Madeira

Comissão da ALE aprova projetos que retiram incentivos das usinas do Madeira

Comissão também analisou outros projetos que seguem para votação em Plenário...

Sistema de transposição de peixes da UHE Jirau é referência

Sistema de transposição de peixes da UHE Jirau é referência

Sistema de Transposição de Peixes da UHE Jirau foi projetado pelos melhores especialistas no assunto