Porto Velho (RO) domingo, 17 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

4 distribuidoras têm reajuste aprovados pela Aneel



Sabrina Craide
Agência Brasil


 

Brasília – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje (20) os índices de reajuste e de revisão tarifária de quatro distribuidoras de energia, que atendem a consumidores de São Paulo, de Mato Grosso do Sul, do Distrito Federal, do Paraná e da Paraíba.
 

A Elektro Eletricidade, que atende a 2,3 milhões de consumidores em 223 municípios do estado de São Paulo e em cinco de Mato Grosso do Sul, terá aumento de 8,62% para as residências e de 8,27% para as indústrias. As novas tarifas entrarão em vigor terça-feira (27) próxima.
 

Os usuários residenciais da CEB Distribuição terão aumento de 5,75% na conta de luz e as indústrias locais pagarão 6,43% mais caro pela energia a partir de segunda-feira (26). A CEB fornece energia a 925 mil unidades consumidoras do Distrito Federal.
 

A empresa Força e Luz Coronel Vivida (Forcel) teve aprovado reajuste de 6,6% para as residências e de 10,35% para as indústrias, que vale a partir de segunda-feira. A distribuidora atende a 6,8 mil unidades consumidoras localizadas no município de Coronel Vivida, no Paraná.
 

A Aneel também aprovou hoje o índice final da terceira revisão tarifária periódica da Energisa Paraíba Distribuidora de Energia, que fornece energia a 1,1 milhão de unidades consumidoras localizadas em 216 municípios da Paraíba. Com a revisão, a partir do dia 28, os consumidores residenciais terão redução nas tarifas de 3,8% e as indústrias, de 4,03%.
 

Os processos de revisão e reajuste tarifária aplicados pela Aneel são diferentes. A revisão das tarifas é feita, em média, a cada quatro anos, de acordo com o contrato de concessão de cada empresa e tem como objetivo analisar o equilíbrio econômico-financeiro da concessão. Por isso, pode haver aumento ou redução da tarifa.
 

O reajuste é anual e calculado de acordo com a variação de custos que a empresa teve no decorrer do período. A fórmula de cálculo inclui custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M), e o fator que subtrai os ganhos de produtividade, e outros custos, como energia comprada de geradoras, encargos de transmissão e encargos setoriais. Quando a distribuidora passa pelo processo de revisão tarifária, não se aplica o reajuste anual previsto nos contratos.
 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A