Porto Velho (RO) sábado, 23 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Educação

Acadêmicos e professores da FARO visitaram a Aldeia Laje Velho


A ação foi ponto culminante do Projeto O Cotidiano indígena em foco, que teve o objetivo de levar os acadêmicos a vivenciarem a prática educativa com os índios da Aldeia Laje Velho.

A Aldeia Laje Velho está localizada no município do Iata, há 30 km de Gujará-Mirim. Na localidade residem cerca de 400 famílias e conta com duas escolas estaduais. A ação aconteceu na Escola Wem Kanum Oro Waram, que atende a 160 alunos índios de 1º ao 9º ano.

A chefe do NEEI - Núcleo de Educação Escolar Indígena de Guajará-Mirim/RO, Maria da Conceição Martins, acompanhou todas as atividades. Ela afirmou que a visita é uma boa oportunidade para que os acadêmicos coloquem em prática o que aprenderam ao longo do curso de Pedagogia. Segundo ela “o resultado positivo é mostrado na escola indígena, pois os professores reproduzem, em suas aulas, as novas metodologias e as atividades realizadas pelos acadêmicos, uma forma de intercâmbio de práticas pedagógicas”, finalizou.

Para o cacique da Aldeia Laje Velho, Alberto Oro Waram, o projeto realizado pela FARO possibilita a troca de conhecimentos entre professores índios e não-índios. Ele afirmou que “é sempre um prazer receber os acadêmicos e professores, uma forma de reconhecimento da importância e do respeito aos povos indígenas”.

Os acadêmicos divididos em equipes organizaram as oficinas pedagógicas por temas: Matemática, Ciências, Geografia, Linguagem, além dos conteúdos de cidadania, cultura e brincadeiras educativas. Para cada tema, foram realizadas atividades práticas com os índios.

As crianças indígenas apresentaram várias músicas em sua língua materna, a Tshapakura, demonstrando agradecimento a todos os participantes.

A organização do evento conseguiu arrecadar grande quantidade de donativos com as doações de acadêmicos, professores e da Coordenação da Biblioteca da FARO. Foram doados à comunidade indígena roupas, calçados, brinquedos e alimentos não-perecíveis.

No encerramento, como forma de integração cultural, os acadêmicos apresentaram a dança do boi-bumbá e os índios apresentaram a dança festiva, simbolizando a sua cultura.

Para a idealizadora do projeto, profa. Cleuza Avello “a atividade foi uma forma de cristalizar o intercâmbio cultural e educacional com foco nas comunidades indígenas”.

Mais Sobre Educação

6ª Olimpíada de Língua Portuguesa é lançada e recebe inscrições

6ª Olimpíada de Língua Portuguesa é lançada e recebe inscrições

Uma cerimônia com homenagens e muita emoção marcou o lançamento na última quarta-feira (20) da 6ª Olimpíada de Língua Portuguesa, no Auditório Guajuvi

Acadêmicos do curso de Biomedicina realizam triagens no projeto "Posso escolher"

Acadêmicos do curso de Biomedicina realizam triagens no projeto "Posso escolher"

Nesta quarta-feira (21), acadêmicos do curso de Biomedicina da FIMCA participaram do projeto "Posso escolher", realizado pela Prefeitura de Porto Velh

ONU declara, 2019 será  o Ano Internacional das Línguas Indígenas

ONU declara, 2019 será o Ano Internacional das Línguas Indígenas

Iniciativas apoiadas pela Fundação Banco do Brasil reforçam a relevância dos povos na história, cultura e preservação do meio ambienteA ONU (Organizaç

“Nossas experiências irão nos alavancar por este novo mundo”, afirma formanda durante segunda noite de colação de grau da FIMCA

“Nossas experiências irão nos alavancar por este novo mundo”, afirma formanda durante segunda noite de colação de grau da FIMCA

Aconteceu na última sexta-feira (15) o segundo e último dia de colação de grau da Faculdade FIMCA, realizado na Vila Olímpica do campus. O momento foi