Porto Velho (RO) quinta-feira, 20 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Economia

Aumentou a quantidade de mulheres empreendedoras em Rondônia durante a pandemia

Para a empresária e influenciadora digital Sofia Andrade a importância de novas mulheres nos negócios está no fato de que elas estão abrindo espaço num universo, que até aqui, tem sido predominantemente masculino.


Sofia Andrade - Gente de Opinião
Sofia Andrade

As restrições ocasionadas pela pandemia do novo coronavírus, que paralisaram a economia por quase dois anos, afetaram terrivelmente o mercado de trabalho, tanto é que hoje, mesmo com as crescentes medidas governamentais, que já geraram mais de 1 milhão de empregos, as famílias ainda se ressentem da perda de renda. Uma das consequências disto, foi que no ano passado em Rondônia, o empreendedorismo feminino cresceu em 43%, segundo estimativas feitas pela Consultoria Usina de Ideias. É um grande crescimento que tem seu lado negativo, pois 90% dele se constitui de empreendedorismo por necessidade. Isso porque as mulheres, e muitas vezes, seus maridos, estavam desempregados, o que levou as mulheres começaram a empreender, de modo forçado, para sustentarem suas famílias.

A tendência é de crescimento do número de mulheres empreendedoras

A também empreendedora e influenciadora digital, Sofia Andrade, analisando a questão, ressalta que “Este protagonismo das mulheres vem do fato de que muitas delas, já eram empreendedoras naturais, e, que apenas não tinham condições de demonstrar suas aptidões”.

Na opinião dela, o sucesso nos negócios é ainda mais difícil para mulheres empreendedoras, pois elas, na maioria das vezes, crescem aprendendo a lidar e a conduzir suas famílias, num duro processo de aprendizagem natural, e, quando empreendem, usam todo esse conhecimento a seu favor, alcançando sucesso em seus negócios.

No entanto, é preciso ver, que, em geral, além de enfrentar as dificuldades de manter um negócio enfrentam também, uma dupla jornada: gerir o negócio e não abdicar dos cuidados de casa”.

Para o professor de Economia da Universidade Federal de Rondônia, e especialista em empreendedorismo e economia criativa, Silvio Persivo, a presença feminina nos negócios “tende a se acentuar fortemente, inclusive porque dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) mostram que empresas que são comandadas ou lideradas por mulheres, têm melhor desempenho, bem como, é marcante a maior presença de mulheres nas academias e universidades”. Para Persivo, “Empreender no Brasil é muito complicado, é conviver com a incerteza. É um ato de coragem, de paciência e de resiliência. De certa forma, por natureza, as mulheres são mais otimistas em ambientes assim. Poucos homens não se abatem quando as situações são muito estressantes. É uma realidade que as mulheres reagem melhor até porque são mais capazes de expor seus problemas e de colaborar”.

Para a empreendedora Sofia Andrade, que lembrou que falta ainda muita atenção ao empreendedorismo feminino tanto que não houve quase nenhuma menção ao Dia Internacional do Empreendedorismo Feminino, comemorando no dia 19 de novembro. Segundo Sofia “Isto acontece porque o mundo dos negócios ainda é, fundamentalmente, masculino. Basta ver que o empreendedorismo feminino, na sua maioria, não é uma escolha. É, para muitas mulheres, a única opção quando não possuem renda ou são demitidas quando têm filhos, ou não podem trabalhar por não ter creche para deixar os filhos”.  

E, com a experiência que adquiriu na sua própria trajetória quando resolveu montar um negócio afirmou: “Penso que as mulheres empreendedoras precisam ocupar mais espaços de liderança no setor produtivo e na sociedade em geral. A importância de a mulher ser empreendedora está tanto no seu sucesso pessoal como no exemplo que dá para as outras mulheres”. De certa forma toda mulher de sucesso nos negócios, para ela, de alguma forma, contribui para romper padrões na medida em que ser proprietário ou executivo de empresas ainda, na nossa sociedade, é visto como um lugar masculino.

Finalizando, afirma que da mesma forma como as mulheres precisam conquistar seus espaços no mundo dos negócios, precisam de forma definitiva participar ativamente da política e da gestão pública. 

Mais Sobre Economia

Veto ao Refis: com pressão a mil, pequenos empresários sobem o tom

Veto ao Refis: com pressão a mil, pequenos empresários sobem o tom

Veto ao Refis: com pressão a mil, pequenos empresários sobem o tom Há um movimento para derrubada do veto presidencial ao Projeto de Lei Complementa

Faturamento de empresas rondonienses aumentou 24,5% em 2021

Faturamento de empresas rondonienses aumentou 24,5% em 2021

Aumentou 24,5%, de janeiro a dezembro de 2021, o faturamento das empresas contribuintes do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)

Empreendedores de Rondônia se juntam às grandes iniciativas em inovação no Rio de Janeiro

Empreendedores de Rondônia se juntam às grandes iniciativas em inovação no Rio de Janeiro

O Rio Innovation Week, um evento onde a grande temática foi a inovação, se encerrou no último domingo com um grande resultado ao final dos quatro di