Porto Velho (RO) domingo, 26 de janeiro de 2020
×
Gente de Opinião

Cultura

Rio 450 anos & Suas histórias Passadas a Limpo


Rio 450 anos & Suas histórias Passadas a Limpo - Gente de Opinião

O livro de  João Batista foi concebido para prestar homenagens aos aniversários de 450 anos da cidade do Rio de Janeiro, 379 anos das festas da Igreja da Penha 131 anos da abolição, 110 anos do nascimento e morte de Ismael Silva e os bambas do Estácio, que criaram a primeira escola de samba a Deixa Falar em 1927. Que permitiu a diáspora dos negros Brasileiros através do samba e carnaval, como estratégia de sobrevivência e proteção e 51 anos da ditadura militar de 1964 com suas censuras sobre tudo e todos com tiros, porradas & bombas.

O livro mostra ás mudanças urbanísticas, políticas, econômicas, sociais e culturais. Desde a fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Após a expulsão dos invasores Franceses no morro do Cão- Urca. Por Estácio de As em 1565. Onde o síndico mais famoso da cidade maravilha purgatório da beleza e do caos. Cantor, Tim Maia, dizia:

·         Aqui prostituta apaixona-se por seu cliente e vai viver na Europa como Rainhas & Princesas

·         Cafetão tem ciúme

·         Traficante se vicia

·         Pobre é da direita

·         Rede social dos cariocas são suas praias

·         Cariocas andam sem camisas e chinelos por achar que estão bem vestidos.

·         Selfes virou espelhos para mulheres cariocas.

·         Natal no Morro de São Carlos-Estácio até o pão de rabanada era roubado.

·         No lugar do bacalhau, mulato velho com batata.

Rio 450 anos & Suas histórias Passadas a Limpo - Gente de Opinião

DIVULGAÇÃO DE LIVRO AINDA NÃO EDITADO.
 


Prefácio- Estácio

Rio 450 anos & Suas histórias Passadas a Limpo - Gente de Opinião

Haroldo Costa-Ator, Roteirista, Diretor, Produtor e Escritor.

A história do samba se revela cada vez mais surpreendentemente rica e imprevista. A prova é este livro de João Batista Martins, que desvenda e revela aspectos memoráveis da história da nossa cidade e do próprio samba. Registrando personagens e episódios que informam e diverte, ele abre caminhos novos no conhecimento da cultura popular carioca. Trata-se de leitura obrigatória para quem ama o Rio de Janeiro.

Rio 450 anos & Suas histórias Passadas a Limpo - Gente de Opinião

Nei Lopes.

O meio em que floresceu e se desenvolveu o samba carioca foi, sem dúvida, o “lado escuro” da cidade dita “maravilhosa”. Constituído por um contingente humano histórica e geograficamente marginalizado, com pouco ou nenhum acesso aos equipamentos garantidores da cidadania, esse meio, entretanto, gerou o componente mais forte da identidade cultural brasileira; nascido num ambiente que até hoje  têm os seus próprios códigos de relacionamento e conduta, intra e Extra- Muros.

O mérito deste livro é desvendar boa parte dessa realidade. Ele é o mundo do samba (sempre observado e tratado com paternalismo ou preconceito, voyeurismo ou medo, indiferença ou deslumbramento; e principalmente com muita hipocrisia) visto de dentro. Por um olhar que mostra o seu avesso de maneira tãocontundentequanto uma lapada de cachaça vagabunda; e tão deliciosa e compatível quanto á sardinha frita (na farinha) que lhe serve de tira-gosto.
 

Nei Lopes.

Nei Braz Lopes (Rio de Janeiro9 de maio de 1942), ou simplesmente Nei Lopes, é um compositorcantorescritor.

Rio 450 anos & Suas histórias Passadas a Limpo - Gente de Opinião

Ricardo Cravo Albin

 Musicólogo, historiador de MPB, produtor musical, produtor de rádio e televisão, crítico e comentarista, diretor da Embra-Filme (MIS)- Museu de imagem e do Som, Presidente Instituto Nacional de Cinema (INC) e também autor, desde 1973 de aproximadamente 2500 programas radiofônicos para a rádio MEC.

O livro, Estácio de Sá. DNA- DO-SAMBA. Prostituição, Poesias, Prosas, Tiros, Porradas e Bombas.“Surpreendem, por que: é capaz em forma de geléia geral, traçar vários paralelos de paixões, fragmentos anárquicos, por vezes da alma ingênua da” civilização carioca(como costumo chamar os que do Rio fazem a cidade mais descontraída e boa praça dentre todas).

O autor, que não tem papas na língua se aquece (a meu ver) pela paixão, perfila uma gama de carioquices, a partir do Estácio, o velho Estácio de Ismael Silva (um fraterno amigo meu nos anos 70), o Estácio “Dos Bambas” que fizeram (Ismael sempre à testa) a Deixar Falar, a primeira das Escolas de Samba, o mesmo Estácio de Jorge Ben e de Luiz Melodia tempos depois, o Estácio de sempre de sambas e de múltiplos DNAS.

João Batista vai da escravidão aos primórdios da data de fundação da Cervejaria Brahma, primeira empresa Brasileira a dar empregos aos escravos recém-libertos. Chegando até ao cadinho mágico que detém o morro de São Carlos, com seus malandros históricos, com “tiros, porradas e bambas”.

O autor, embebido por puro amor, embriaga-se por episódios tão díspares como a maconha no Brasil, misturando logo depois eventos históricos como a Revolta dos Tenentes, Getúlio Vargas e até AI 5, que de uma forma ou de outra, acabaram por afetar a vida dos sambistas e compositores.

Culminando uma surpreendente escalada em originalidades como as “Transas fiadas” (Do Zeca da Cuíca que transava fiado com as prostitutas da zona de meretrício do Estácio).

Pouco? Pois ainda tem muito mais nas crônicas e na mistura do João Batista sobre a memória carioca, a partir, insiste dos múltiplos e audaciosos DNAS do bairro do Estácio de Sá e do Morro de São Carlos. Afinal, são eles os vizinhos da maior referência dos folguedos cariocas de hoje, à Passarela do Samba Darcy Ribeiro. Ao velho Estado de outrora se compara a antiga Praça XI, dos anos 10 e 20 do século passado e às mudanças urbanísticas.

Ricardo Cravo Albin

Presidente do

Instituto Cultural Cravo Albin

Mais Sobre Cultura

Orquestra Villa-Lobos de Porto Velho abre seleção para novos músicos voluntários e com bolsas de incentivo

Orquestra Villa-Lobos de Porto Velho abre seleção para novos músicos voluntários e com bolsas de incentivo

Aprovado pelo Ministério da Cidadania por meio da Lei Federal de Incentivo `Cultura e com o apoio do SICOOB, O Instituto Cultural Villa-Lobos de Port

Cultura popular em praça pública de Porto Velho

Cultura popular em praça pública de Porto Velho

Apaixonada pelas rimas, com dedicação à poesia e à prosa desde os 7 anos, a poetisa Maria de Nazaré Melo, 52 anos, não poupou elogios ao falar do proj

Porto Velho: apresentações culturais na Praça Getúlio Vargas são opções de lazer nesse fim de semana

Porto Velho: apresentações culturais na Praça Getúlio Vargas são opções de lazer nesse fim de semana

Com uma belíssima iluminação decorativa e apresentações culturais, a Praça Getúlio Vargas tornou-se um dos lugares mais visitados nesse fim de ano em

Noite em Homenagem ao Samba no SESC Esplanada

Noite em Homenagem ao Samba no SESC Esplanada

O Dia Nacional do Samba, foi comemorado em todo país na segunda-feira (02) e para celebrar a data com muita alegria e gingado, o que o ritmo proporcio