Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Cultura

Pesquisa da São Lucas sobre cultura de pupunha in vitro é destaque em Congresso



Pesquisa baseada na propagação por embriogenese somática da planta pupunha (Bactris gasipaes) in vitro, realizada no Laboratório de Genética e Biologia Molecular da Faculdade São Lucas, em Porto Velho (RO), foi um dos destaques do 4º Congresso Brasileiro de Cultura de Tecidos de Plantas, realizado de 18 a 23 de outubro, em Aracaju (SE). Coordenada pelo Doutor Odécio Cáceres, a pesquisa analisa o polimorfismo através da análise de DNA obtido de plantas de diferentes regiões (oriundas do Peru, do Estado de Santa Catarina, cidade de Jaú-SP, da cidade de Porto Velho-RO ou da cidade de Campinas-SP) a partir de sementes germinadas ou extraídas das próprias plantas, apresentando padrão parecido de alelos, mas com algumas diferenças significativas, o que permitirá, com mais investigação, o estabelecimento do genótipo de cada variedade de planta de pupunha. 

O trabalho foi apresentado pela acadêmica Príscila Naiara Araújo Cunha, do 5º Período do Curso de Ciências Biológicas. Segundo ela, a pesquisa realizada na Faculdade São Lucas despertou grande interesse entre os participantes do congresso. Trata-se, de acordo com Príscila Cunha, de um trabalho de interesse nacional, principalmente levando em conta que em todo o estado apenas a Faculdade São Lucas e a Embrapa contam com Laboratórios de Cultura de Tecidos. Apesar da importância da cultura de tecidos, da Região Norte somente a Faculdade São Lucas (Porto Velho) e a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) estiveram presentes ao congresso. A acadêmica Príscila Cunha considerou como muito positiva sua participação no evento. “É a ciência mostrada sob vários ângulos, principalmente em termos de criatividade. Além disso, o congresso proporciona a oportunidade de contatos com profissionais e acadêmicos de outras regiões do país”, acentuou a aluna da São Lucas. 


EMBRIOGENÉTICA

O sucesso parcial obtido na cultura de tecido de vários tipos de palmeira (C. nucifera, E. guineensis e Euterpe edulis), utilizando abordagem embriogenética somática na presença de indutores de crescimento celular, tipo 2,4D em diferentes concentrações, estimulou a busca de procedimentos semelhantes para a planta de pupunha. A pesquisa visa testar protocolos existentes na literatura que indicam a possibilidade de uso na clonagem da planta de pupunha. Embora os resultados ainda sejam bastante preliminares, o trabalho obteve formação de calos embriogênicos, além da obtenção de plântulas incompletas. As análises de polimorfismo apresentam padrão parecido de alelos, mas com algumas diferenças significativas. Diante disso, o desenvolvimento de protocolo para micropropagação por embriogenese somática da planta de pupunha demonstra ser bastante promissor, podendo cooperar com diversas técnicas de conservação da espécie, além da clonagem com fins comerciais.

Fonte: Chagas Pereira 165 DRT/RO 

Mais Sobre Cultura

ASFALTÃO PLANEJA AÇÕES ATÉ O CARNAVAL 2019

ASFALTÃO PLANEJA AÇÕES ATÉ O CARNAVAL 2019

Com bastante antecedência e foco no cumprimento de sua missão, a Escola de Samba Asfaltão realizou no ultimo dia 16 de março, seu Planejamento Estraté

Espetáculo ÌFÉ estreia neste sábado inspirado em figura religiosa histórica de Porto Velho

Espetáculo ÌFÉ estreia neste sábado inspirado em figura religiosa histórica de Porto Velho

O espetáculo ÍFÈ, da Companhia Beradera de Teatro, estreia neste sábado (23), às 20h, em Porto Velho e tem como inspiração a história de importante fi

Nossos agradecimentos em sol maior para todos e todas que fizeram o Canta Mulher 2019

Nossos agradecimentos em sol maior para todos e todas que fizeram o Canta Mulher 2019

Sonhos de MarçoPorto de sons e sonhos...Em marçouma paisagem sonorade cantos...um cenário a partecenas se repartem ese juntam em melodiasdiferentesDe

FERROVIÁRIOS ELEGEM NOVA EXECUTIVA SOB PROMESSA GOVERNAMENTAL BOTAR O TREM PRA ANDAR

FERROVIÁRIOS ELEGEM NOVA EXECUTIVA SOB PROMESSA GOVERNAMENTAL BOTAR O TREM PRA ANDAR

Porto Velho, RONDÔNIA - Ainda sem local adequado para se instalar e funcionar como em décadas atrás, a nova diretoria da Associação dos Ferroviári