Porto Velho (RO) domingo, 21 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Cultura

Pará prepara o Círio, a maior festa amazônica


Peregrinos chegam a Belém para a maior concentração popular e religiosa da região norte brasileira. Feira do Miriti expõe na praça artesanato de qualidade feito em Abaetetuba, nordeste do estado. 


Agência Amazônia  (*) 

BELÉM, PA – O sacrifício e as promessas começam sempre antes da maior romaria popular da Amazônia e uma das festas mais conhecidas do mundo. O Pará abriu oficialmente, nesta sexta-feira, as romarias do Círio de Nossa Senhora de Nazaré. Grupos de peregrinos que viajam por rodovias ou em barcos estão chegando à capital do Estado do Pará, procedentes de Castanhal, São Caetano de Odivelas e Santo Antônio do Tauá e outras localidades. 

Eles vêm determinados a chegar caminhando a pé até a Basílica de Nazaré. Um deles foi o motorista Carlos Teixeira, fez o percurso Castanhal-Belém pela 12ª vez. Os festejos e as celebrações religiosas reúnem cerca de dois milhões de pessoas a cada ano. 

A festa do Círio de Nazaré tem muitas cores. Colorido retratado nos tradicionais brinquedos de miriti, arte que ganha novas formas e tratamento, movimentando a economia do município de Abaetetuba, nordeste paraense, que gira em torno do aproveitamento da palmeira do miriti e do açaizeiro. O resultado do trabalho de 148 artesãos pode ser conferido até o dia 12 de outubro na 9ª edição da Feira do Miriti, na Praça Waldemar Henrique, junto com a Feira do Círio, que reúne artesãos de diversas regiões do estado. 

A organização da Feira do Miriti espera que o volume de negócios gerados este ano seja da ordem de R$ 350 mil, superando em mais de R$ 100 mil o do ano passado, quando o evento fechou mais de 50 negócios. A promoção é do Serviço de Apoio à Micro e Pequenas Empresas do Pará em parceria com a Associação dos Produtores de Brinquedos e Artesanato em Miriti, de Abaetetuba. O Sebrae também promove a Feira do Círio, que chega à sua 13ª edição. 


Réplicas de animais e objetos de fibra
 

Pará prepara o Círio, a maior festa amazônica  - Gente de Opinião

Artesanato de miriti é muito procurado durante os festejos. Produtos também são exportados por artesãos de Abaetetuba /EUNICE PINTO

Além das réplicas de animais, casas, quadros, barcos, flores e outros objetos de fibra de miriti, o espaço foi ambientado com fitas de promesseiros. Alegria e demonstração de fé marcaram a celebração de abertura, seguida pela procissão que levou uma berlinda de miriti com a imagem da santinha ao centro dos estandes, onde houve a benção do padre Reginaldo Barbosa, de Abaetetuba. Em seguida, mais colorido e música com o Arrastão da Pavulagem e os shows de músicos da terra.
 
Para o presidente da Associação, Desidério Antônio Neto, o movimento do primeiro dia já é um indício de que o "casamento" das feiras deu certo. Durante a missa, ele agradeceu ao Sebrae pelo apoio que tem dado à associação, ao governo do Estado e às prefeituras de Belém e de Abaetetuba. Para Neto, a feira é uma ótima oportunidade para os artesãos comercializarem e divulgarem suas peças, que já foram expostas pelo Brasil e na Europa.

"O artesanato feito com o miriti é maravilhoso, digno de galeria", elogiou o aposentado paulista Rinaldo Filho, apontando a qualidade do designer das peças e a criatividade dos artistas. Ele chegou ontem a capital paraense e seguiu do aeroporto direto para a feira, a convite do amigo paraense, Ederaldo Santos, professor de folclore. "Poder mostrar isso para quem vem de fora é motivo de orgulho e fico envaidecido de mostrar os detalhes das obras", disse Santos. 

Os brinquedos feitos de miriti também encantaram a socióloga Martinha Rebelo e seu marido, o químico industrial Edmilson Vianna. "A gente já conhecia o (brinquedo) tradicional, como a cobra e o roque-roque, mas está mais diversificado. Dá vontade de comprar tudo", comentou Martinha Rebelo. Vianna disse que a cor, o movimento e a leveza do artesanato chamaram a atenção da filha deles, que mora no Texas e encomendou 50 peças, as quais pretende usar no trabalho com crianças autistas. 


E o profano também se destaca
 

Pará prepara o Círio, a maior festa amazônica  - Gente de Opinião

Romeiros desembarcam no porto de Belém para participar das delebrações religiosas e da maior festa popular da Amazônia /LUCIVALDO SENA

BELÉM – Entre a romaria da trasladação e a procissão do Círio de Nazaré, acontece em Belém do Pará uma das manifestações públicas mais animadas da Amazônia: a Festa da Chiquita, organizada pelo movimento gay da cidade. O evento tem o caráter profano do Círio e ocorre na Praça da República, centro da capital, um dos pontos de parada da berlinda que conduz a imagem da padroeira dos paraenses. 

A Festa da Chiquita nasceu como bloco carnavalesco, idealizado por um grupo de homossexuais e simpatizantes de Belém, em meados da década de 1970, em um país conturbado pela ditadura militar. O evento ainda era chamado de Festa das Filhas da Chiquita e o objetivo era contestar e criticar a estrutura política, e ainda aproveitar a ocasião para a diversão.
 
O bloco saia do extinto presídio São José, agora espaço São José Liberto, e percorria as ruas da cidade até chegar ao Bar do Parque, na Praça da República. Hoje, mais de 30 anos depois, a Chiquita começa no sábado, assim que a procissão da trasladação passa, e termina na madrugada de domingo, horas antes do início da maior procissão que leva a imagem da padroeira da Catedral até a Basílica de Nazaré. 

Este ano, o tema da festa é "A Chiquita sem crise", em alusão ao momento vivido pela economia mundial e pela falta de apoio de muitos empresários belenenses que negaram ajuda ao evento, alegando falta de dinheiro. Segundo o organizador da festa, o cantor Eloi Iglesias, a Chiquita "é um momento de avaliação de todos os campos, da economia, da política, da cultura. É a festa da espontaneidade".

Vinícius Monteiro, membro do Grupo de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Travestidos Orquídeas e que participa da festa pelo quarto ano, lembra que Chiquita é considerada parte integrante do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, reconhecida, tal qual o Círio, como patrimônio imaterial da cultura brasileira pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). "As diversas referências ao Círio e à própria Nossa Senhora de Nazaré na festa das filhas da Chiquita apresentam, assim, um caráter de resistência, de contestação, de busca de espaço e reconhecimento social pelos homossexuais (dossiê do Círio, Iphan)". 

(*) Com informações da Agência Pará. 

Fonte: Montezuma Cruz - A Agência Amazônia  é parceira do Gentedeopinião

Mais Sobre Cultura

Wankabuki apresenta peça “À Margem” em três cidades de Rondônia

Wankabuki apresenta peça “À Margem” em três cidades de Rondônia

O Grupo de Teatro Wankabuki, de Vilhena (RO), realizará entre os dias 17 e 26 de outubro uma série de apresentações da peça “À Margem” nos municípios

Professor Aleks Palitot doa livros para escola municipal infantil

Professor Aleks Palitot doa livros para escola municipal infantil

Na tarde de quinta-feira (11), o Professor Aleks Palitot visitou a Escola Municipal de Educação Infantil Prof.ª Ronilza Cordeiro Afonso Dias, na Zona