Porto Velho (RO) sábado, 25 de janeiro de 2020
×
Gente de Opinião

Cultura

Pandemias: a humanidade em risco


 
Drauzio Varella (médico e escritor) –“Comecei a ler este livro e não consegui parar. Já li e havia gostado dos anteriores de Stefan Cunha, sempre interessado na história das doenças infecciosas que nos afligem desde os primórdios da civilização, mas este mostra o escritor na maturidade. Em linguagem claríssima e objetiva, Stefan faz uma análise criteriosa dos germes que poderão causar as futuras epidemias, num estilo que combina a precisão científica do infectologista competente com a do contador de histórias que volta e meia mergulha no passado em busca de acontecimentos que sirvam de lição para o futuro. Quando terminei a leitura, fiquei com a sensação de que havia entendido melhor a história do homem na Terra.”

Pandemia é uma epidemia de grandes proporções. Os cientistas temem que a humanidade seja vítima de uma pandemia capaz de matar dezenas e até centenas de milhões de pessoas no mundo todo. Para que isso aconteça basta que apareça uma doença que combine enorme capacidade de contaminação (de preferência antes de os sintomas aparecerem) com poder para matar grande número de pacientes infectados. Pandemias: a humanidade em risco, publicado pela Editora Contexto e escrito pelo médico infectologista Stefan Cunha Ujvari, descreve os risco atuais e eminentes, o passado de grandes devastações humanas e o medo que assola o nosso futuro. Principalmente por causa da agilidade de locomoção e a globalização.

A grande concentração urbana que caracteriza a humanidade em nossa época (ao contrário do que aconteceu quando das grandes febres do começo do século XX) facilita a propagação. As viagens aéreas ganharam enorme incremento, fazendo com que vírus e bactérias atravessem oceanos com rapidez. Além disso, nossas cidades propiciam grandes aglomerações como jogos e shows para dezenas de milhares; dispomos de sistemas coletivos de transporte, como metrô, trens urbanos e ônibus, em que milhões se acotovelam e respiram o mesmo ar; de resto, mesmo situações de trabalho em fábricas e escritórios, além de escolas, fazem com que o potencial de transmissão por vírus ou bactérias seja explosivo.

Os relatos dessa obra, feitos pelo doutor Stefan, homem de ciência reconhecido, um excelente pesquisador, amante da história e autor de A história da humanidade contada pelos vírus, até parecem ficção científica, tão bem contados e assustadores que são. Contudo, são terrivelmente reais.

Nas 216 páginas desse livro, o leitor tem um panorama global das doenças que nos afligiram e que podem voltar, as histórias e os históricos delas, como encaramos hoje as epidemias e quais podem se tornar pandemias. Stefan dividiu a obra nos seguintes capítulos: A repetição da pneumonia asiática de 2003, As futuras gripes suínas, Uma gripe muito mais letal que a suína, Um vírus vindo do oriente, Um vírus se alastra do norte, O retorno da tuberculose incurável, Pandemias pelas superbactérias, Uma pandemia pelas mãos, A próxima peste vinda da África e Ásia, Uma dor de cabeça nasce na Ásia, Os parentes do ebola e A próxima AIDS.

A verdade é que não se discute mais se novas pandemias vão aparecer, mas quando.

Stefan Cunha Ujvari é médico infectologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz – São Paulo. Mestre em doenças infecciosas e especialista em doenças infecciosas e parasitárias pela Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), foi professor substituto da disciplina de Emergência Médica na mesma universidade. Publicou pela Contexto A história da humanidade contada pelos vírus.

 

Serviço

Livro: Pandemias: a humanidade em risco
Autor: Stefan Cunha Ujvari
Formato: 16x23 cm; 216 páginas
Preço: R$ 33 ,00 / Link: clique aqui Informações

Fonte: Fábio Diegues


 

Mais Sobre Cultura

Orquestra Villa-Lobos de Porto Velho abre seleção para novos músicos voluntários e com bolsas de incentivo

Orquestra Villa-Lobos de Porto Velho abre seleção para novos músicos voluntários e com bolsas de incentivo

Aprovado pelo Ministério da Cidadania por meio da Lei Federal de Incentivo `Cultura e com o apoio do SICOOB, O Instituto Cultural Villa-Lobos de Port

Cultura popular em praça pública de Porto Velho

Cultura popular em praça pública de Porto Velho

Apaixonada pelas rimas, com dedicação à poesia e à prosa desde os 7 anos, a poetisa Maria de Nazaré Melo, 52 anos, não poupou elogios ao falar do proj

Porto Velho: apresentações culturais na Praça Getúlio Vargas são opções de lazer nesse fim de semana

Porto Velho: apresentações culturais na Praça Getúlio Vargas são opções de lazer nesse fim de semana

Com uma belíssima iluminação decorativa e apresentações culturais, a Praça Getúlio Vargas tornou-se um dos lugares mais visitados nesse fim de ano em

Noite em Homenagem ao Samba no SESC Esplanada

Noite em Homenagem ao Samba no SESC Esplanada

O Dia Nacional do Samba, foi comemorado em todo país na segunda-feira (02) e para celebrar a data com muita alegria e gingado, o que o ritmo proporcio