Porto Velho (RO) quinta-feira, 15 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Cultura

Nesse domingo no CineOca - Madame Satã


Lapa anos 30: o cotidiano e a intimidade de João Francisco dos Santos - malandro, artista, presidiário, pai adotivo, preto, pobre, homossexual - e seu círculo de amigos, antes de se transformar no mito Madame Satã, lendário personagem da boêmia carioca.

Madame Satã é um mito inexplorado da cultura brasileira, uma maravilhosa síntese de Josephine Baker, Saci Pererê, Jean Genet e Robin Hood dos Trópicos. Com o filme tentei construir o retrato de um personagem explosivo e complexo, um personagem apaixonado, febril, guiado por uma imperiosa paixão pela vida.

Através de uma trama ágil e emocionalmente densa, eu quis revelar o cotidiano de João Francisco e de sua "família", habitantes da "República da Lapa." Esses personagens viveram no início dos anos 30 em um mundo às margens do Brasil oficial, um universo à parte, com suas próprias leis, códigos e rituais, um universo do qual João Francisco foi rei e rainha, santo (a) e satanás.

Uma das minhas intenções foi captar, através de uma intimidade cinematográfica, o entusiasmo e as contradições da experiência de um malandro, negro e homossexual no Brasil do começo do século. Não pretendi uma abordagem biográfica. O meu desejo foi construir diferentes histórias imaginárias dos vários personagens vividos e criados por João Francisco e daqueles que viveram à sua volta, em um momento crucial de sua vida.

O filme foi inteiramente rodado em locações na Lapa e seus arredores. Como um filme que se passa predominante nos anos 30, o figurino e a direção de arte são fiéis à época retratada. Porém, essa fidelidade se manifesta não por uma reprodução minuciosa mas pela sugestão visual de um universo emocional. Um dos meus intuitos foi registrar o calor, a brilhantina, a gordura, o suor e o odor, características fundamentais para a representação do Rio de Janeiro no começo do século.

O luxo, a pobreza, a violência, o lúdico e o trágico convivem em Madame Satã como elementos de um mesmo caleidoscópio. A capacidade de João Francisco em transformar as condições mais adversas em momentos singulares de prazer - estratégia de resistência política e cultural tipicamente brasileira - é a marca registrada do filme.
 
Prêmio de Melhor Direção no Festival de Biarritz - 2002
Gold Hugo no Chicago International Film Festival - 2002
Prêmios na 28º edição do festival de cinema
ibero-americano de Huelva:

- Colombo de Ouro o melhor longa: "Madame Satã", de Karim Aïnouz
- Colombo de Prata ao melhor ator: Lázaro Ramos, por "Madame Satã" (Brasil)
- Colombo de Prata à melhor fotografia: Walter Carvalho, por "Madame Satã" (Brasil)
- Prêmio Manuel Barba da Associação da Imprensa de Huelva ao melhor roteiro: 
 
 

Mais Sobre Cultura

Escola Municipal Jorge Andrade promove Mostra de Música no teatro Banzeiros

Escola Municipal Jorge Andrade promove Mostra de Música no teatro Banzeiros

Última apresentação será na noite desta quarta-feira, 14, com a participação de mais de 300 alunosA Escola Municipal Jorge Andrade encerra nesta qu

A atividade busca despertar nas crianças a criatividade e senso crítico

A atividade busca despertar nas crianças a criatividade e senso crítico

A arte tem papel fundamental na educação, e por isso vem sendo trabalhada desde cedo em toda a rede municipal de Porto Velho, através de diversos pr

Construção de personagens é debatida no Festival da Arte e Cultura da Uni

Construção de personagens é debatida no Festival da Arte e Cultura da Uni

O evento se realizará no Espaço Urucum, no campus da Universidade Federal de Rondônia