Porto Velho (RO) segunda-feira, 15 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Cultura

Intenso debate marcou a apresentação documentário Caçambada Cutuba



Teatro Banzeiros ficou lotado de testemunhas do atentado político de 26.09.1962, ávidas para discutir um assunto que ficou entalado na garganta de muitos rondonienses. 

A apresentação do trailer do documentário “Caçambada Cutuba – A história que Rondônia não escreveu”, na última quinta-feira, 12, no Teatro Banzeiros, mexeu com as memórias de muitos rondonienses. Leonardo Fernandes da Silva, estudante à época do fato principal do documentário, e a artista plástica Rita Queiroz, que assistiu ao atentado político, deram seus testemunhos. Uma platéia repleta de sexagenários assistiu ao trailer e participou de intenso debate sobre passagens históricas do Estado que ficaram silenciadas por mais de 40 anos. 

“Caçambada Cutuba” resgata a história de um atentado ocorrido em 26/09/1962, durante um comício de Renato Medeiros, deputado federal pelo Território de Rondônia, oposição ao coronel Aluisio Ferreira, numa praça em Porto Velho. Em busca de memórias do pai, Dionísio Silveira, que viveu em Rondônia de 1947 a 2004, o jornalista Zola Xavier da Silveira, que assina a produção e o argumento do documentário, se deparou com importantes informações da época no território. 

“Há uma pedra muito grande nesse assunto. A história era o povo forte que lutava com ele [Renato Medeiros - deputado federal pelo Território do Guaporé]. Hoje temos condições de contar o outro lado da história”, falou o neto de Renato Medeiros, João Renato Medeiros de Melo e Silva. Para o juiz Berlange Andrade, um dos personagens do documentário que se encontram 40 anos depois e relembram os fatos, “há um embate histórico e vivo - aluisismo x renatismo; tenentismo x trabalhismo, numa rápida síntese”, falou, referindo-se ao coronel Aluisio Ferreira e o deputado federal Renato Medeiros, adversários políticos e pivôs do atentado. 

Che Guevara 

A pesquisa conduziu Zola Xavier a várias fontes, entre elas João Lobo, que revelou a histórica passagem de Che Guevara por Porto Velho em 1967 - o mais importante do documentário para o jornalista Lucio Albuquerque. O depoimento de João Lobo foi gravado em julho de 2008 e ele faleceu em setembro do mesmo ano. 

A direção geral é do etnomusicólogo e documentarista Délcio Teobaldo, uma das maiores autoridades do país no assunto jongo, ritmo avô do samba, autor do trabalho “Jongá - Cantos de fé, de trabalho e de orgia”, na terceira edição no Rio de Janeiro. Em 2008 ele ganhou o 4º Prêmio Barco a Vapor, de literatura, promovido pela Fundação SM pelo livro “Pivetim”, que conta a rotina de menores de rua. Délcio estuda levar o canto e a cultura do Mocambo para a quarta edição de “Jongá”, que tem sido realizado com patrocínio da Caixa Econômica, nos seus espaços culturais. 

A direção de fotografia é de Toni Nogueira (DGT Fimes), produção/argumento de Zola Xavier e música por Antonio Serpa do Amaral Filho (Basinho) e Rubens Vaz Cavalcante (Binho). A Fundação Iaripuna tem apoiado e promete colaborar para captação de recursos através da Lei Rouanet, assinando a co-produção do documentário. 

Sinopse 

Quatro amigos, filhos da terceira geração de rondonienses, os jornalistas Zola Xavier da Silveira e Antonio Serpa do Amaral Filho (Basinho); o juiz de direito Berlange Andrade e o funcionário público Anisío Gorayeb, reencontram-se em Porto Velho em um bar 40 anos depois. Diante das evidentes transformações da cidade, recordam nomes, lugares e fatos como o atentado ocorrido em 26 de setembro de 1962, quando um caminhão feriu e matou militantes políticos e populares durante um comício de Renato Medeiros, numa praça de Porto Velho. Depois do atentado a cidade se calou e, dois anos depois, o país, com o Golpe Militar de abril de 1964. 

Numa noite de 1967, neste cenário de censura, terror e medo, Porto Velho recebe a visita do guerrilheiro argentino Ernesto Che Guevara. Um encontro tenso, como narra o agricultor João Leal Lobo, 67 anos, um dos três que o receberam, mas fundamental para manter o moral da Frente Popular que um dia sonhou criar a República Socialista do Guaporé. 

Com depoimentos dos que sobreviveram ao atentado da “Caçamba”, de idealistas que ainda associam a herança a valores, o documentário “Caçambada Cutuba – A história que Rondônia não escreveu” reconstitui um dos qüinqüênios mais conturbados da história brasileira, na segunda metade do século 20. 

Ficha técnica: 

Diretor Geral – Délcio Teobaldo
Diretor de Fotografia – Toni Nogueira (DGT Fimes)
Produção/Argumento – Zola Xavier
Música – Antonio Serpa do Amaral Filho (Basinho) e Rubens Vaz Cavalcante (Binho) 

Fonte: 3Mais Comunicação
Pollyana Woida

Mais Sobre Cultura

Professor Aleks Palitot doa livros para escola municipal infantil

Professor Aleks Palitot doa livros para escola municipal infantil

Na tarde de quinta-feira (11), o Professor Aleks Palitot visitou a Escola Municipal de Educação Infantil Prof.ª Ronilza Cordeiro Afonso Dias, na Zona

SESC abre inscrições para exposição  e oficina de fotografia em Porto Velho

SESC abre inscrições para exposição e oficina de fotografia em Porto Velho

A exposição será realizada na rua Euclides da Cunha, com inscrições e impressões gratuitas no formato lambe-lambe

Cineamazônia participa do 1º Fórum Internacional de Festivais de Cinema de Ambiente em Portugal

Cineamazônia participa do 1º Fórum Internacional de Festivais de Cinema de Ambiente em Portugal

O Cineamazônia – Festival de Cinema Ambiental, realizado todos os anos em Porto Velho/RO, é um dos três festivais de cinema ambiental brasileiros e um