Porto Velho (RO) segunda-feira, 25 de janeiro de 2021
×
Gente de Opinião

Cultura

Historiadores querem proibir a distribuição de revista com erros


Os historiadores Abnael Machado de Lima, Odete Marao, Solano Lopes e Francisco Matias querem que o Governo do Estado e a Prefeitura de Porto Velho impeçam a distribuição nas escolas e em outros lugares, do Livro Educativo Ilustrado "O Surgimento de Porto Velho".

Eles alegam que há erros graves e que elas comprometem todo o material. Todos citam os textos da página 13, onde os autores dizem que a Lei Complementar 41 que criou o Estado foi assinada no palácio Presidente Vargas, quando de fato foi no palácio da Alvorada, em Brasília, e também que o ministro do Interior leu na sacada do Presidente Vargas a primeira Constituição do Estado e nomeou o coronel Jorge Teixeira governador, outros erros porque a Constituição foi promulgada dia 6 de agosto de 1983 e quem nomeou o governador foi o presidente da República, fatos confirmados por todas as fontes ouvidas.

O ex-presidente do Conselho Estadual de Educação e historiador Abnael Machado de Lima propõe até que o Ministério Público intervenha, "para evitar que haja informação histórica errada sendo levada para nossa população, e eu não cito apenas os estudantes porque adultos que não conheçam a nossa História podem acreditar naquilo que a revista está mostrando". Abnael quer que o Governo e a Prefeitura mandem recolher todo material "porque foi feito com dinheiro público e essas instituições, com outras, aparecem como patrocinadoras".

Para o professor Solano Lopes, de História Regional da Uniron, "essa publicação, com tais erros, deve ser tirada de circulação e proibida para menores e adultos porque distorce fatos históricos". Solano lembra que "se permitindo a circulação da revista se pode gerar problemas sérios para quem usar essas desinformações num concurso público, por exemplo".

A professora Odete Marao, mestre em História, também é favorável a que a publicação "O Surgimento de Porto Velho" seja retirada de circulação. "Eu até proponho que ela seja novamente editada, mas passando por uma revisão total inclusive ortográfica. E até me proponho a ajudar na revisão histórica".

Já o historiador Francisco Matias disse ter "levado um susto quando li o material. Isso porque tudo que estudei, pesquisei e até fui testemunha, como nos casos da instalação do Estado e da Promulgação da Constituinte de 1983, estão distorcidos na revista". Francisco Matias entende que "o melhor caminho é proibir a circulação do material, mandar recolher tudo e ter muito mais cuidado para não continuar distorcendo fatos históricos nem datas ou funções".

Fonte: Lúcio Albuquerque

Mais Sobre Cultura

Podcast PPKast discute arte na pandemia

Podcast PPKast discute arte na pandemia

Na próxima sexta-feira, dia 15 de janeiro, o PPKast - podcast portovelhense produzido e apresentado por mulheres, discute os desafios de produzir arte

Trabalhadores da cultura que não receberam auxílio pela Lei Aldir Blanc são convocados a atualizar dados pessoais

Trabalhadores da cultura que não receberam auxílio pela Lei Aldir Blanc são convocados a atualizar dados pessoais

Na expectativa de atender o mais rápido possível os profissionais da cultura e arte, o Governo de Rondônia, por meio da Superintendência Estadual da J

Cantora amazonense Gabi Farias lança videoclipe da faixa “Só”

Cantora amazonense Gabi Farias lança videoclipe da faixa “Só”

"Só" não é sobre ser sozinho, é sobre se ver. E foi assim que em meio a tantas reflexões e incertezas, Gabi Farias chegou em um ponto de reinvenção. O

Recurso emergencial referente a Lei Aldir Blanc vai beneficiar cerca de 400 trabalhadores do segmento cultural em Rondônia

Recurso emergencial referente a Lei Aldir Blanc vai beneficiar cerca de 400 trabalhadores do segmento cultural em Rondônia

Com a chegada do recurso emergencial avaliado em R$ 18 milhões, através da Lei Federal Aldir Blanc, n° 14.017 , o Governo de Rondônia, por meio da Sup