Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Cultura

Historiadores querem proibir a distribuição de revista com erros


Os historiadores Abnael Machado de Lima, Odete Marao, Solano Lopes e Francisco Matias querem que o Governo do Estado e a Prefeitura de Porto Velho impeçam a distribuição nas escolas e em outros lugares, do Livro Educativo Ilustrado "O Surgimento de Porto Velho".

Eles alegam que há erros graves e que elas comprometem todo o material. Todos citam os textos da página 13, onde os autores dizem que a Lei Complementar 41 que criou o Estado foi assinada no palácio Presidente Vargas, quando de fato foi no palácio da Alvorada, em Brasília, e também que o ministro do Interior leu na sacada do Presidente Vargas a primeira Constituição do Estado e nomeou o coronel Jorge Teixeira governador, outros erros porque a Constituição foi promulgada dia 6 de agosto de 1983 e quem nomeou o governador foi o presidente da República, fatos confirmados por todas as fontes ouvidas.

O ex-presidente do Conselho Estadual de Educação e historiador Abnael Machado de Lima propõe até que o Ministério Público intervenha, "para evitar que haja informação histórica errada sendo levada para nossa população, e eu não cito apenas os estudantes porque adultos que não conheçam a nossa História podem acreditar naquilo que a revista está mostrando". Abnael quer que o Governo e a Prefeitura mandem recolher todo material "porque foi feito com dinheiro público e essas instituições, com outras, aparecem como patrocinadoras".

Para o professor Solano Lopes, de História Regional da Uniron, "essa publicação, com tais erros, deve ser tirada de circulação e proibida para menores e adultos porque distorce fatos históricos". Solano lembra que "se permitindo a circulação da revista se pode gerar problemas sérios para quem usar essas desinformações num concurso público, por exemplo".

A professora Odete Marao, mestre em História, também é favorável a que a publicação "O Surgimento de Porto Velho" seja retirada de circulação. "Eu até proponho que ela seja novamente editada, mas passando por uma revisão total inclusive ortográfica. E até me proponho a ajudar na revisão histórica".

Já o historiador Francisco Matias disse ter "levado um susto quando li o material. Isso porque tudo que estudei, pesquisei e até fui testemunha, como nos casos da instalação do Estado e da Promulgação da Constituinte de 1983, estão distorcidos na revista". Francisco Matias entende que "o melhor caminho é proibir a circulação do material, mandar recolher tudo e ter muito mais cuidado para não continuar distorcendo fatos históricos nem datas ou funções".

Fonte: Lúcio Albuquerque

Mais Sobre Cultura

PORTO VELHO: OFICINA DE FÉRIAS "BRINCANDO E ATUANDO" COM O ATOR E DIRETOR EULES LYCAON

PORTO VELHO: OFICINA DE FÉRIAS "BRINCANDO E ATUANDO" COM O ATOR E DIRETOR EULES LYCAON

No período de 14 a 19 de janeiro, acontece no espaço Oficina de Teatro Porto Velho, a oficina de férias “Brincando e Atuando – Um experimento teatra

CANTATA DE NATAL COM CORAL DA ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL DESPERTA EMOÇÃO NO PÚBLICO

CANTATA DE NATAL COM CORAL DA ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL DESPERTA EMOÇÃO NO PÚBLICO

Coral da Empresa se apresentou em Porto Velho e em Nova Mutum ParanáPara celebrar a chegada do Natal, o espírito de união e solidariedade, o Coral d

Arqueólogos trabalham na praça da Madeira-Mamoré

Arqueólogos trabalham na praça da Madeira-Mamoré

Arqueólogos estão trabalhando na praça da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré em busca de vestígios da época da construção da ferrovia, há mais de 100 a

Escola Municipal Jorge Andrade promove Mostra de Música no teatro Banzeiros

Escola Municipal Jorge Andrade promove Mostra de Música no teatro Banzeiros

Última apresentação será na noite desta quarta-feira, 14, com a participação de mais de 300 alunosA Escola Municipal Jorge Andrade encerra nesta qu