Porto Velho (RO) sábado, 23 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Cultura

Fonoaudiologia da São Lucas realiza 1º Fórum de Atenção à Gagueira na Escola



O Curso de Fonoaudiologia da Faculdade São Lucas realiza neste sábado, dia 31, das 16h às 20h, na Sala 9 do Bloco Açaí, no Campus Universitário da Instituição, o 1º Fórum de Atenção à Gagueira na Escola. A iniciativa visa reunir profissionais, egressos e acadêmicos para debates sobre o tema Gagueira na Escola, objetivando promover a mobilização política e científica desta ciência. “A proposta do Curso de Fonoaudiologia da São Lucas é estabelecer uma discussão acerca do tema com os profissionais que trabalham na escola com crianças que podem apresentar este distúrbio na comunicação, dentre os quais psicólogos, pedagogos e fonoaudiólogos”, destacou a Professora Mestre Viviane Castro de Araújo Perillo, Coordenadora do Curso de Fonoaudiologia da Faculdade São Lucas. Segundo Viviane Perillo, o Fórum faz parte das atividades relativas ao Dia Internacional de Atenção à Gagueira, comemorado em 22 de outubro, que este ano teve como central “Gagueira na Escola”.

Sintomas

Identificar os sintomas com rapidez é fundamental para a cura total do distúrbio, tendo em vista que quanto mais tempo se gasta até o diagnóstico e o início do tratamento, menores são as chances de recuperação total da fluência da fala da criança. O funcionamento do cérebro é um adversário potente nesse confronto - infelizmente, jogando contra quem sofre com o problema. Como se aprende por repetição, quanto mais a criança falar gaguejando, mais rapidamente aprenderá a gaguejar. As dificuldades normalmente se manifestam por volta dos três anos, período em que pais e professores podem confundir gagueira com disfluência, uma característica passageira que não deve se estender por mais de oito a 10 semanas. Motivo de chacota entre os colegas de escola, quem tropeça em sílabas ou em palavras, constrangido com o obstáculo, pode se retrair e passar a evitar situações em que a fala é exigida. Cabe à família modificar atitudes para ajudar a recuperação do portador de gagueira. 

Várias pesquisas e trabalhos clínicos bem documentados comprovam a afirmação de que 9 em cada 10 crianças podem ser salvas do convívio vitalício com a gagueira através da intervenção precoce. No Brasil, segundo o IBGE, a incidência da gagueira é de 5% da população, ou seja, 9,5 milhões de brasileiros estão passando por um período de gagueira neste momento, enquanto a prevalência da gagueira é de 1%, ou seja, quase dois milhões de brasileiros gaguejam há muitos anos de forma persistente, crônica. A gagueira (entendida aqui como uma dificuldade dos núcleos da base em sinalizar o término de um som ou sílaba da fala) pode ser causada por herança genética (55% dos casos) ou por lesão cerebral (45% dos casos). 

As inscrições podem ser feitas na Coordenação do Curso de Fonoaudiologia (3211-8035). 

Fonte: Chagas Pereira / 165 DRT/RO

Mais Sobre Cultura

ASFALTÃO PLANEJA AÇÕES ATÉ O CARNAVAL 2019

ASFALTÃO PLANEJA AÇÕES ATÉ O CARNAVAL 2019

Com bastante antecedência e foco no cumprimento de sua missão, a Escola de Samba Asfaltão realizou no ultimo dia 16 de março, seu Planejamento Estraté

Espetáculo ÌFÉ estreia neste sábado inspirado em figura religiosa histórica de Porto Velho

Espetáculo ÌFÉ estreia neste sábado inspirado em figura religiosa histórica de Porto Velho

O espetáculo ÍFÈ, da Companhia Beradera de Teatro, estreia neste sábado (23), às 20h, em Porto Velho e tem como inspiração a história de importante fi

Nossos agradecimentos em sol maior para todos e todas que fizeram o Canta Mulher 2019

Nossos agradecimentos em sol maior para todos e todas que fizeram o Canta Mulher 2019

Sonhos de MarçoPorto de sons e sonhos...Em marçouma paisagem sonorade cantos...um cenário a partecenas se repartem ese juntam em melodiasdiferentesDe

FERROVIÁRIOS ELEGEM NOVA EXECUTIVA SOB PROMESSA GOVERNAMENTAL BOTAR O TREM PRA ANDAR

FERROVIÁRIOS ELEGEM NOVA EXECUTIVA SOB PROMESSA GOVERNAMENTAL BOTAR O TREM PRA ANDAR

Porto Velho, RONDÔNIA - Ainda sem local adequado para se instalar e funcionar como em décadas atrás, a nova diretoria da Associação dos Ferroviári