Porto Velho (RO) sábado, 18 de janeiro de 2020
×
Gente de Opinião

Cultura

Faltam escolas de formação para profissionais circenses



Elaine Patricia Cruz
 Agência Brasil


São Paulo – Faltam políticas públicas no Brasil voltadas para a formação de profissionais circenses. A afirmação foi feita à Agência Brasil por Rodrigo Matheus, coordenador do Centro de Formação Profissional em Artes Circenses (Cefac), uma iniciativa sem fins lucrativos que funciona no Tendal da Lapa, na zona oeste de São Paulo, com 25 alunos.

Segundo Matheus, que cursou o Circo Escola Picadeiro (tradicional escola de circo de São Paulo) e que também é professor de circo, ator e já foi trapezista, o número de escolas de formação para profissionais circenses em todo o Brasil não passam de 50. Na França, de acordo com ele, o número é 12 vezes superior.

“O que temos no Brasil hoje é um déficit de formação. O Canadá, por exemplo, investiu milhões de dinheiro público na estrutura de formação do circo deles. A França e a Bélgica também. A França, por exemplo, põe centenas de milhões estimulando suas mais de 600 escolas”.

Matheus defende que deveriam existir “mecanismos fixos e consistentes” para apoiar as escolas voltadas para esse tipo de formação, principalmente porque o circo representa uma forma de cultura tradicional do país. “Todas as escolas funcionam num esquema de mercado, disputando com as escolas de inglês, de yoga, de teatro e academias, sendo que o circo é uma cultura que, se não for incentivada, tende a acabar”.

Segundo ele, a procura por cursos voltados à arte circense nunca foi tão grande. “Cada vez tem mais gente querendo se profissionalizar na área, buscando o circo como realização profissional e os espetáculos circenses estão cada vez mais profissionais”. Hoje em dia, explicou Matheus, há uma grande diversificação profissional para o artista circense, que pode trabalhar com companhias no exterior, promover eventos para empresas, dar aulas e até morar numa cidade só e viajar somente quando tiver que se apresentar.

A maior dificuldade e os menores salários para os profissionais circenses acabam se concentrando nos pequenos circos de família. “Esse meio tem tido muitas baixas. Tem muitos filhos dessas famílias que não trabalham mais em circo”.

Um dos alunos do Cefac é o técnico de som e luz Pedro Cauê Marques Levy, 21 anos. No local há pouco mais de um ano, Levy faz aulas de acrobacia e malabarismo e espera seguir nessa profissão. Começou estudando teatro, mas a paixão de infância pela arte circense acabou falando mais alto. “Minha área mesmo é o circo".

Levy disse que sua pretensão é criar um grupo e “viajar, fazendo apresentações”. Para isso, pretende usar suas aulas técnicas de circo para aprimorar “a comicidadade”. “Meu foco é ser palhaço”.

 

Mais Sobre Cultura

Orquestra Villa-Lobos de Porto Velho abre seleção para novos músicos voluntários e com bolsas de incentivo

Orquestra Villa-Lobos de Porto Velho abre seleção para novos músicos voluntários e com bolsas de incentivo

Aprovado pelo Ministério da Cidadania por meio da Lei Federal de Incentivo `Cultura e com o apoio do SICOOB, O Instituto Cultural Villa-Lobos de Port

Cultura popular em praça pública de Porto Velho

Cultura popular em praça pública de Porto Velho

Apaixonada pelas rimas, com dedicação à poesia e à prosa desde os 7 anos, a poetisa Maria de Nazaré Melo, 52 anos, não poupou elogios ao falar do proj

Porto Velho: apresentações culturais na Praça Getúlio Vargas são opções de lazer nesse fim de semana

Porto Velho: apresentações culturais na Praça Getúlio Vargas são opções de lazer nesse fim de semana

Com uma belíssima iluminação decorativa e apresentações culturais, a Praça Getúlio Vargas tornou-se um dos lugares mais visitados nesse fim de ano em

Noite em Homenagem ao Samba no SESC Esplanada

Noite em Homenagem ao Samba no SESC Esplanada

O Dia Nacional do Samba, foi comemorado em todo país na segunda-feira (02) e para celebrar a data com muita alegria e gingado, o que o ritmo proporcio