Porto Velho (RO) sexta-feira, 19 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Cultura

Exposição de fotografia e multimídia na Casa Ruante, em Porto Velho

O lançamento, aberta ao público, será nesta quinta-feira, às 19h30


Exposição de fotografia e multimídia na Casa Ruante, em Porto Velho - Gente de Opinião

As exposições fotográficas e de multimídia “O Amor é Filho do Tempo” e “Nós Que Aqui Estamos Por Vós Esperamos”, ambas do Coletivo Madeirista, serão abertas nesta quinta-feira (4/4), às 19h30, na Casa Ruante, localizado na Rua José Bonifácio -1295, entre as avenidas Calama e Abunã. “É uma mostra que fala de amor e vida”, afirmou Elizabete Christofoletti, integrante do Coletivo. A classificação é acima dos 16 anos. A classificação é acima dos 16 anos. Entrada franca.

Na programação de abertura terá uma cena de Hamelet Machinin, interpretada por atores do Teatro Ruante; performance teatral de “Nós Que Aqui Estamos”, com Junior Lopes; intervenção musical de Bira Lourenço na peça Requiem, de Brahams, e interpretação musical do samba “O Amor é Filho do Tempo”, com a banda Zazumbeats.

O trabalho fotográfico “Nós Que Aqui Estamos por Vós Esperamos” foi contemplado com o prêmio de fotografia Dana Merril/2017, promovido pela Superintendência Estadual de   Cultura, Esporte e Lazer (Sejucel).

As mostras de fotografia e multimídia ficarão abertas o público até o dia 19 deste mês (abril), das 16 às 20 horas.  “A instalação da exposição é toda sensorial para que os sentidos daqueles que a visitam sejam ativados”, observou Elizabete Christofoletti, que assina  “O Amor é Filho do Tempo”.

 

Cronograma

As duas exposições são, para melhor entender, divididas em nove estações. A primeira é o rito de entrada, onde o visitante passa por seis tapetes, entre eles, o de água, de tampinhas de garrafa (que representa o contato com a dor) e o de pedra, que configura a capacidade de transformação; a segunda é a “Parangolé” (feito com fitas de cetim e guizos), a terceira é “Formas Sociais de Amar’ (As cenas são produzidas com bonecos pequenos de plásticos);

A quarta estação é a de “Monóculos e a Cama de Hamelet (Esta é totalmente interativa, onde a pessoa, caso queria, poderá deitar na cama e contracenar na cena de “ Amor e Desamor”,  de Hamelet e Ofélia); a  quinta é  “ O Olho da Alma” (Momento em que o visitante olha para dentro de si de maneira reflexiva); na sexta estação ocorre o  “Encontro com Dionízio”, com a música “Comida e Bebida”, que representa a transformação.

Já na sétima estação, a pessoa confronta com a possibilidade de morte e da vida em “Nós Que Aqui Estamos por Vós Esperamos”; na oitava estada o visitante se defronta com imagens de pessoas que já se foram e de frases de outras que estão próximas da morte.

 “A ideia é que pensemos no tempo e na dádiva que é a vida”, declarou Elizabete. Por fim, a nona estação é formada por um longo corredor para que a o visitante volte a si e reflita em relação a tudo que sentiu e viu nas duas exposições.

Galeria de Imagens

Mais Sobre Cultura

Ceron valoriza cultura regional e apoia o Flor de Maracujá

Ceron valoriza cultura regional e apoia o Flor de Maracujá

Valorizar a cultura regional e as pessoas são alguns dos compromissos da Ceron, empresa do grupo Energisa. Por isso a empresa é uma das patrocinador

Bloco Até Que Noite Vire Dia realiza Open Bar e show com cantor baiano no Bairro Mocambo

Bloco Até Que Noite Vire Dia realiza Open Bar e show com cantor baiano no Bairro Mocambo

Dirigentes do Bloco Até Que a Noite Vire Dia e da escola de Samba Os Diplomatas vão realizar no dia 03 de agosto o 1º Open Bar com atração nacional,

Cia Evolução participa de projeto de incentivo a leitura

Cia Evolução participa de projeto de incentivo a leitura

Na manhã de domingo, (14), a Cia de Artes Evolução participou de uma ação social realizada na Biblioteca Comunitária Era Uma Vez, no bairro Ayrton S

Cineamazonia Itinerante - 16ª Edição: cinema e arte para a Amazônia

Cineamazonia Itinerante - 16ª Edição: cinema e arte para a Amazônia

A 16ª Edição do Cineamazonia Itinerante, mais do que levar cinema e arte a populações ribeirinhas do Vale do Guaporé, uniu pessoas, trocou conheciment