Porto Velho (RO) sábado, 23 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Cultura

Exploração sexual de crianças e adolescentes


São Lucas alerta sobre exploração
sexual de crianças e adolescentes

 
Chagas Pereira

A Faculdade São Lucas está engajada na campanha que visa ampliar os debates em torno da problemática que envolve a exploração sexual e a violência doméstica contra crianças e adolescentes. A iniciativa, coordenada pela Coordenação de Extensão (COEX), tem como meta alertar sobre a gravidade do problema e conscientizar a sociedade quanto ao engajamento de todos no combate a esse tipo de violência, que acarreta sérias e profundas seqüelas em suas vítimas.

Recente debate em torno da problemática, realizado no auditório da Instituição, contou com a participação da senadora Fátima Cleide (PT), da psicóloga Amanda Souza de Oliveira Cabral, da Promotoria da Infância e da Juventude, da assistente social Mônica Chaves Amorim, do Projeto Acolher, que atende crianças e adolescentes vítimas de violência sexual na Capital, e dos professores José Dettoni, coordenador Acadêmico, e Honório Moraes, da São Lucas.

"Este tema desperta muita indignação na sociedade brasileira, mas, para combatermos os diversos crimes ligados à sexualidade de nossas crianças e adolescentes, é preciso que a sociedade faça sua parte, mudando o comportamento cultural alimentado pelo preconceito, pela visão autoritária, que impõe às nossas crianças e jovens uma relação de submissão, tornando-os vulneráveis às práticas criminosas", avalia a senadora Fátima Cleide. A senadora relatou dados contidos no dossiê entregue à Frente Parlamentar da Criança e Adolescente, que trata de respostas da Justiça e de outras instituições aos casos emblemáticos investigados pela CPMI da Exploração Sexual durante os anos de 2003 e 2004. "O dossiê é parcial porque não houve retorno aos questionários enviados aos 18 Estados em que os casos emblemáticos foram alvos da CPMI. A idéia é a Frente Parlamentar, com apoio permanente dos movimentos sociais, acompanhar os desdobramentos dos inquéritos e processos instalados", observou. A contribuição do Legislativo brasileiro no sentido de aperfeiçoar legislações existentes, com o objetivo de incluir novas tipologias para crimes verificados na atualidade ou promover novos conceitos em função de mudanças na sociedade, foi outra vertente da palestra feita por Fátima Cleide.

Segundo a senadora, a CPMI apresentou, na época, cinco Projetos de Lei que alteram o Estatuto da Criança e Adolescente, o Código Penal e o Código de Processo Penal. "Estes projetos foram aprovados no Senado em 2005 e encaminhados à Câmara. Somente este ano é que a Câmara os colocou em votação, faltando votar dois deles. O principal que falta votar é o que altera substancialmente o Capitulo VI do Código Penal, oferecendo nova conceituação para o crime de estupro e criando tipologia para crimes inexistentes no Código, como o tráfico interno de pessoas", explicou Fátima Cleide.    

Especialista em violência doméstica contra crianças e adolescentes pela Universidade de São Paulo (USP), a psicóloga Amanda Souza de Oliveira Cabral, da Promotoria da Infância e da Juventude, chamou a atenção para o caso que deu origem a instituição desse dia. “Casos semelhantes ocorrem todos os dias e, como cidadãos, não podemos ficar omissos a esse problema sério”, disse. Segundo Amanda Cabral, a violência sexual praticada em crianças e adolescentes pode se manifestar de diversas formas, sendo as de maior ocorrência, o abuso sexual dentro da própria família e a exploração sexual para fins comerciais como a prostituição, a pornografia e o tráfico. “As crianças e adolescentes vulneráveis a esse tipo de violência sofrem dados irreparáveis”, salientou.

”Nos abrigos municipais não há só crianças pobres, apesar de a pobreza contribuir com peso muito forte para isso. Para as vítimas, são dores e vínculos familiares cortados”, disse a assistente social Mônica Chaves Amorim, do Projeto Acolher. Ela destacou o trabalho de implementação de ações para o atendimento à criança e ao adolescente, vítimas de violência sexual, especialmente as de prevenção, como o Programa de Atenção Integral à Família (observatório social), em que os profissionais detectam casos, e a Casa Moradia, onde há o acompanhamento técnico para que a convivência com a família seja garantida.

Mônica Amorim informou que o Projeto Acolher lança este ano mais uma campanha de prevenção e de combate aos Crimes de Abuso e Exploração Sexual, intitulada “Não feche seus olhos pra isto – Combater a Impunidade é Garantir a Proteção – Ligue 100”.
 

Mais Sobre Cultura

ASFALTÃO PLANEJA AÇÕES ATÉ O CARNAVAL 2019

ASFALTÃO PLANEJA AÇÕES ATÉ O CARNAVAL 2019

Com bastante antecedência e foco no cumprimento de sua missão, a Escola de Samba Asfaltão realizou no ultimo dia 16 de março, seu Planejamento Estraté

Espetáculo ÌFÉ estreia neste sábado inspirado em figura religiosa histórica de Porto Velho

Espetáculo ÌFÉ estreia neste sábado inspirado em figura religiosa histórica de Porto Velho

O espetáculo ÍFÈ, da Companhia Beradera de Teatro, estreia neste sábado (23), às 20h, em Porto Velho e tem como inspiração a história de importante fi

Nossos agradecimentos em sol maior para todos e todas que fizeram o Canta Mulher 2019

Nossos agradecimentos em sol maior para todos e todas que fizeram o Canta Mulher 2019

Sonhos de MarçoPorto de sons e sonhos...Em marçouma paisagem sonorade cantos...um cenário a partecenas se repartem ese juntam em melodiasdiferentesDe

FERROVIÁRIOS ELEGEM NOVA EXECUTIVA SOB PROMESSA GOVERNAMENTAL BOTAR O TREM PRA ANDAR

FERROVIÁRIOS ELEGEM NOVA EXECUTIVA SOB PROMESSA GOVERNAMENTAL BOTAR O TREM PRA ANDAR

Porto Velho, RONDÔNIA - Ainda sem local adequado para se instalar e funcionar como em décadas atrás, a nova diretoria da Associação dos Ferroviári