Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Cultura

Depois de Rio Branco o Festcine Amazônia Itinerante faz exibições em Cusco



 
Na noite da última sexta-feira (18 de abril) a equipe do Festcine Amazônia Itinerante esteve em Rio Branco (Acre) para a exibição de filmes e vídeos ambientais no auditório da Escola Barão do Rio Branco. A ficção, "Judas-Ahsverus", de Rodrigo Neves e o documentário "O Tecido e a Borracha", dirigido por Sérgio de Carvalho foram exibidos durante a abertura que contou com a presença dos dois cineastas acreanos que ali estiveram a convite dos organizadores.

 "Judas-Ahsverus", produção que participou do Festcine Amazônia em 2005, foi realizado tendo como base o texto homônimo escrito por Euclides da Cunha em seu livro póstumo "À margem da História" composto de quatro partes - Na Amazônia, Terra Sem História (sete capítulos, sobre essa região), Vários Estudos (3 capítulos, assuntos americanos); Da Independência à República (ensaio histórico) e Estrelas Indecifráveis (crônica) publicado pela Martins Fontes em 1999. 

A duração do filme é de seis minutos e trinta segundos, mas é tempo suficiente para o público se reconhecer nos seis personagens que encenam de forma verdadeira e contundente o sofrimento do seringueiro e a tradicional malhação de Judas no Alto Purus no inicio do século XX. A narração desta produção acreana ficou a cargo do ator Carlos Vereza. Celso Kava dirigiu a fotografia e a montagem é de Jimmy Bob, com produção executiva de Charlene Lima.

O segundo filme exibido durante a sessão desta sexta-feira, "O Tecido e a Borracha", de Sérgio Carvalho (co-diretor de Judas-Ahsverus), narrado por Railton Passos, o documentário aborda a falência da borracha, onde muitos seringueiros se vêem sem opção de trabalho na floresta. Com duração de vinte e dois minutos, o filme apresenta, além de um amplo painel histórico sobre a borracha, mostra depoimentos de pessoas como dona Maria Clara (soldado da borracha), de Junior Maciel (ex-seringueiro), Wilson Manzoni, da Associação de Seringueiros da Boca do Acre, dos seringueiros José Eduardo e de seu filho, Ednaldo entre outros.

Os depoimentos e a inserção de imagens de época assim como imagens atuais ajudam a traçar a trajetória da extração de borracha que teve início em 1890, o seu declínio, um novo ciclo que recomeça no período da Segunda Guerra Mundial e nova decadência a partir daí. O diretor dividiu o documentário em quatro partes – A História da borracha; A borracha e o êxodo; A borracha e o tecido – uma alternativa; e Os produtos da borracha.
 
De acordo com o curador do Festcine e membro da diretoria da Associação dos Documentaristas Brasileiros em Rondônia, Jurandir Costa – "Filmes e vídeos de vários estados brasileiros compõem o acervo do Festival, dentre eles destacam-se as produções Judas-Ahsverus e O Tecido e a Borracha, produções realizadas por cineastas do Acre e, que agora tivemos a oportunidade de exibir durante esta sessão aqui no estado onde vivem os realizadores dos dois filmes", explicou.

Jurandir ressaltou que o intuito do Itinerante, além de promover mostras de filmes e vídeos voltadas para a questão ambiental e formação de platéias conscientes, o Festival também quer promover a divulgação de produções que fazem parte do acervo do Festcine, filmes realizados por cineastas das capitais aonde a Itinerância vem promovido sessões abertas ao público. 

"A integração cultural através do audiovisual é necessária entre os dois estados, - Rondônia e Rio Branco - precisamos promover esta aproximação cada vez mais, pois temos muito que aprender com o Acre que tem uma preocupação enorme na preservação da sua memória e seus valores culturais e ambientais", afirmou Jurandir. 
 
Rio Branco é a capital do Estado do Acre, na região Norte do Brasil. A cidade é a mais populosa do estado, concentrando quase metade da sua população total. Além disso, foi um dos primeiros povoados a surgir nas margens do rio Acre. Em 1913 tornou-se município. Sete anos depois (1920) passou a capital do território do Acre e em 1962 à capital do estado. Rio Branco é o centro adminitrativo, econômico e cultural da região. Em 2007 a população no município era de 290 639 habitantes.

De Rio Branco, a equipe do Festcine Amazônia Itinerante seguiu para o Peru, onde exibe produções legendadas e narradas em espanhol nas cidades de Porto Maldonado (20 de abril). Depois da pausa por causa do feriado, a itinerância chega a Cusco nesta terça-feira (22). Em seguida a itinerância vai para Manaus, Belém, Macapá, Boa Vista. O Festcine está programando exibições ainda na Colômbia e em Portugal (Coimbra) ainda com datas a serem definidas pelos organizadores.

O Festcine Amazônia Itinerante conta com o patrocínio do Ministério da Cultura/Fundo Nacional de Cultura, Petrobras através da Lei Rouanet, tem ainda o apoio da senadora Fátima Cleide, deputado federal Eduardo Valverde, IBM, Unir, Secel e Prefeitura de Porto Velho.

Fonte: Ascom -  Festcine Amazônia Itinerante

 

Mais Sobre Cultura

ASFALTÃO PLANEJA AÇÕES ATÉ O CARNAVAL 2019

ASFALTÃO PLANEJA AÇÕES ATÉ O CARNAVAL 2019

Com bastante antecedência e foco no cumprimento de sua missão, a Escola de Samba Asfaltão realizou no ultimo dia 16 de março, seu Planejamento Estraté

Espetáculo ÌFÉ estreia neste sábado inspirado em figura religiosa histórica de Porto Velho

Espetáculo ÌFÉ estreia neste sábado inspirado em figura religiosa histórica de Porto Velho

O espetáculo ÍFÈ, da Companhia Beradera de Teatro, estreia neste sábado (23), às 20h, em Porto Velho e tem como inspiração a história de importante fi

Nossos agradecimentos em sol maior para todos e todas que fizeram o Canta Mulher 2019

Nossos agradecimentos em sol maior para todos e todas que fizeram o Canta Mulher 2019

Sonhos de MarçoPorto de sons e sonhos...Em marçouma paisagem sonorade cantos...um cenário a partecenas se repartem ese juntam em melodiasdiferentesDe

FERROVIÁRIOS ELEGEM NOVA EXECUTIVA SOB PROMESSA GOVERNAMENTAL BOTAR O TREM PRA ANDAR

FERROVIÁRIOS ELEGEM NOVA EXECUTIVA SOB PROMESSA GOVERNAMENTAL BOTAR O TREM PRA ANDAR

Porto Velho, RONDÔNIA - Ainda sem local adequado para se instalar e funcionar como em décadas atrás, a nova diretoria da Associação dos Ferroviári