Porto Velho (RO) quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Cultura

Dados do INEP apontam um salto na Educação Municipal de Porto Velho



Dados do Censo Escolar divulgados pela secretaria municipal de Educação (Semed), através do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), apontam que a qualidade do ensino nas Escolas Municipais de Porto Velho, tanto na Zona Urbana como Rural, deu um salto importante, principalmente na educação especial como de jovens e adultos (EJA).

O Censo Escolar é um levantamento nacional que representa o principal instrumento de coleta de informações da educação básica. Essas informações servem de referência para a formulação de políticas públicas e a execução de programas educacionais, que incluem a transferência de recursos públicos para a merenda, o transporte escolar, a distribuição de livros e uniformes, a implantação de bibliotecas e o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação.

Os resultados do censo sobre o rendimento (aprovação e reprovação) e o movimento (evasão) escolar de alunos dos ensinos fundamental e médio, em conjunto com outras avaliações do Ministério da Educação – Saeb e Prova Brasil - são utilizados para o cálculo do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

 

Reorganização

Quando assumiu a administração da capital em 2005, Roberto Sobrinho e sua equipe iniciaram um trabalho de reorganização da rede de ensino, melhorando o transporte escolar, a infraestrutura das escolas, capacitando os professores e demais servidores, garantindo maior acesso aos estudantes da capital e de seus distritos. O resultado foi visível no ano seguinte. Em 2004 apenas dois alunos portadores de necessidades especiais estavam em sala de aula. O número saltou para 88 já no final de 2005. Hoje são 503 crianças em sala de aula, comprovando o trabalho de inclusão social desenvolvido pela prefeitura.
Na educação de jovens e adultos, em 2004 estavam matriculados 3.692 alunos, em 2010 o quadro apresenta a frequência regular nas aulas de 4.555 alunos. A educação infantil também representa uma grande evolução. Em 2004, as creches e pré-escolas, somavam um total de 2.133, crianças matriculadas. Esse número triplicou no final de 2005 chegando a 6.279 alunos. Segundo a secretária da Semed, Fátima Ferreira, o resultado foi devido a prefeitura ter implantando em toda a capital, o Programa Financeiro de Apoio às Instituições Comunitárias e Filantrópicas, que garantiu o acesso gratuito para centenas de crianças. Hoje 9.477 alunos completam o quadro da educação infantil de Porto Velho. Nos anos iniciais (1º ao 4º ano), em 2004, a rede municipal de ensino, tinha 22.234 alunos matriculados e hoje são 23.593.

Educação Rural

Na área rural existiam algumas extensões e escolas que atendiam cerca de 8 a 10 alunos, e ainda com baixa frequência. Atualmente com a reorganização da rede de ensino, a prefeitura desativou algumas dessas unidades, criou novos pólos educacionais, melhorou o transporte escolar e a infraestrutura, fazendo com que a frequência fosse maior e o acesso também, pois a prefeitura iniciou um trabalho voltado para a realidade dos estudantes nestas localidades. “Aumentou o interesse das crianças e a confiança dos pais em encaminhar seus filhos para a escola, aonde além de um ensino de qualidade também usufruem de um espaço adequado e uma merenda escolar de qualidade”, complementou a secretária.

Hoje a rede de ensino da prefeitura possui 57 escolas na área urbana e 108 na área rural. Com o salto no número de alunos matriculados nestas unidades, foi necessário complementar o quadro de professores e demais servidores, que hoje está estimado em 3.014 educadores.

Com relação à educação especial a secretária da Semed, Fátima Ferreira, ressalta que desde 2005 a prefeitura tem realizado um trabalho de integração dos portadores de necessidades especiais (físicas e/ou mentais) nas escolas regulares, voltado tanto para a formação profissionalizante como para a constituição da consciência cidadã. “Antes desta administração, não havia um olhar específico para este público especial, que precisa desse atendimento, hoje fazemos todo um trabalho de qualidade, com formação e capacitação de nossos professores. E assim, para reforçar esse trabalho foi implementado salas de recursos multifuncionais com o objetivo de apoiar e fortalecer o processo de inclusão dos alunos com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades e/ou superdotação. “De 2005 até o ano de 2010, implantamos 15 novas salas”, finalizou Maria de Fátima.

Fonte: Meiry Santos
 

Mais Sobre Cultura

Liga sai em defesa dos blocos carnavalescos de trio elétrico de Porto Velho

Liga sai em defesa dos blocos carnavalescos de trio elétrico de Porto Velho

O presidente da Liga dos Blocos Carnavalescos de Porto Velho Mavignier Ferro falou na manhã desta quarta-feira sobre a intenção de alguns ativistas cu

Mado apresenta a poesia do poeta Dadá no Mercado Cultural

Mado apresenta a poesia do poeta Dadá no Mercado Cultural

O poeta e ator Carlos Macedo, o Mado, apresentará, numa livre interpretação, poesias do livro ‘Sobra das Noites’ do poeta Adaides Batista, o Dadá. O e

Cia de Artes Evolução participa do projeto  Nossa Energia

Cia de Artes Evolução participa do projeto Nossa Energia

A Cia de Artes Evolução, uma das mais atuantes companhias de teatro do estado de Rondônia, participa do projeto “Nossa Energia”, desenvolvido pela E

Cirurgião de Rondônia relata sua trajetória em livro

Cirurgião de Rondônia relata sua trajetória em livro

O médico cirurgião Paulo Gondim acaba de publicar o livro Ser Cirurgião – Missão de Vida, onde relata sua trajetória profissional ao longo de quase