Porto Velho (RO) terça-feira, 14 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Cultura

Clínica da São Lucas orienta sobre fisioterapia respiratória


A fisioterapia respiratória é uma das áreas de atuação da fisioterapia, lançando mão de técnicas e equipamentos para o tratamento das doenças do sistema respiratório. Mas o professor Juliano Colombo Mendes, especialista em fisioterapia hospitalar, lembra que o sistema respiratório não é formado apenas pelos pulmões, envolvendo as vias aéreas, nariz, faringe, laringe, traquéia, brônquios, bronquíolos e finalmente nos pulmões os alvéolos. Segundo ele, além dessas estruturas musculares e ósseas do tórax, como as vértebras da coluna torácica, as costelas, as clavículas e o osso esterno, e ainda os músculos como intercostais, o mais importante é o diafragma, que é o responsável por cerca de 60% da força necessária para promover a inspiração. “Não podemos esquecer dos nervos que estabelecem a comunicação entre essas estruturas e o sistema nervoso central, e dos vasos sangüíneos (artérias e veias), que levam e trazem o sangue que irá nutrir essas estruturas, e ainda serão oxigenados nos pulmões”, salientou.

Conforme Juliano Colombo Mendes, quase a totalidade das doenças que envolvem qualquer uma dessas estruturas é passível de tratamento por meio físico, sem o uso de medicamentos, porém sem descartar o uso desses de forma coadjuvante. O profissional responsável pela avaliação e tratamento com meios físicos é o fisioterapeuta, que avalia a função destas estruturas, e com exercícios, técnicas de terapia manual, ou aparelhos procura devolver a função normal. O fisioterapeuta pode atuar de forma preventiva, evitando a instalação de problemas com o funcionamento do sistema respiratório, ou de forma reabilitativa, que é quando a doença já se instalou. Neste momento então o fisioterapeuta ira desenvolver suas técnicas para reestabelecer o bom desempenho deste sistema, e pode ainda trabalhar de forma a evitar ou atenuar o efeito de doenças incuráveis, reduzindo o sofrimento do individuo.

De acordo com o especialista, são passíveis de tratamento com a fisioterapia, doenças respiratórias como Bronquite Crônica, Enfisema Pulmonar (DPOC), Asma, Bronquiolite, Fibrose Cística (Mucovicidose), Bronquiectasia, Pneumonias, Tuberculose, Doenças neuromusculares, que afetam os nervos e músculos do sistema respiratório, entre outras. Dentro da fisioterapia respiratória muitas doenças necessitam de tratamento especializado em hospitais. Desta forma o fisioterapeuta se insere dentro destas instituições para tratar estes enfermos, através de meios físicos, até mesmo dentro de Unidades de Tratamentos Intensivos (UTIs), onde a presença do fisioterapeuta constitui cada vez mais uma necessidade, atuando de forma intensiva, acelerando o processo de melhora da saúde deste paciente gravemente enfermo. Não se deve esquecer que o fisioterapeuta por excelência é o profissional que trata as doenças com exercícios. Contudo, devemos lembrar que a inatividade causa prejuízos à saúde humana, e que em casos extremos, como é o caso de internamentos hospitalares, ou restrição ao leito mesmo em casa, sendo imprescindível a atuação de um fisioterapeuta para evitar alguns efeitos deletérios que levam a manifestações clínicas tais como sistema músculo esquelético (osteoporose, fibrose ou anquilose, força muscular contrátil reduzida, resistência muscular reduzida, atrofias e contraturas), sistema digestivo (perda de apetite, constipação, desnutrição e conseqüentemente cicatrização retardada), sistema respiratório (capacidade vital reduzida, resistência respiratória reduzida, tosse prejudicada, aumento nas infecções respiratórias), sistema tegumentar (atrofia cutânea, úlceras de decúbito e sepses crônica), sistema cardiovascular (redução na capacidade de trabalho físico, aumento da freqüência cardíaca, tromboflebites (conseqüente trombose venosa profunda) e hipotensão ortostática), sistema renal (estase urinária, aumento das infecções urinárias e cálculos renais, conhecidas pedras no rim), sistema neuromuscular (sensibilidade reduzidos, controle motor reduzido (controle dos movimentos), má coordenação de movimentos e instabilidade autônoma), e ainda pode acarretar prejuízos psicossociais como ansiedade, depressão, alienação, deficiências intelectuais.

Segundo o especialista, é de competência exclusiva do fisioterapeuta (somente o fisioterapeuta pode fazer): avaliação física funcional, elaboração do diagnóstico e tratamento fisioterapêutico, dar alta nos serviços de fisioterapia, buscar todas as informações que julgar necessárias no tratamento do paciente, recorrendo a outros profissionais da equipe de saúde, através de solicitação de laudos técnicos especializados ou resultados dos exames complementares.

Fonte: Chagas Pereira - Registro Profissional 165 DRT/RO

Mais Sobre Cultura

Festival Folclórico de Parintins abre nova temporada de lives do projeto “Casa em cena”

Festival Folclórico de Parintins abre nova temporada de lives do projeto “Casa em cena”

O projeto “Casa Em Cena” inicia hoje, 08 de julho, às 20h30, uma nova temporada de lives. O tema de abertura será os grandes festivais folclóricos d

Fundamentos de Dancehall e novos professores de ilustração agitam  a programação online do Itaú Cultural para crianças nessa semana

Fundamentos de Dancehall e novos professores de ilustração agitam a programação online do Itaú Cultural para crianças nessa semana

O Itaú Cultural segue oferecendo programação para as crianças e suas famílias, ainda em recolhimento e sem aulas presenciais. Expandindo o leque de

Enquanto as aulas presenciais não retornam, o Itaú Cultural segue oferecendo opções para as crianças se divertirem e aprenderem em casa

Enquanto as aulas presenciais não retornam, o Itaú Cultural segue oferecendo opções para as crianças se divertirem e aprenderem em casa

As atividades online do Itaú Cultural para as crianças e suas famílias, pensadas especificamente para este período de recolhimento, continuam fazend

Prefeitura realiza cadastramento de agentes da cultura

Prefeitura realiza cadastramento de agentes da cultura

A Prefeitura de Ji-Paraná, por meio da Fundação Cultural e em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas), projeto Mesa Brasil d