Porto Velho (RO) terça-feira, 23 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Cultura

ARTIGO: ANIVERSÁRIO DO MUNICÍPIO - MÚSICA NO ASFALTO



“mesas e cadeiras na rua, era sala de visitas da cidade. Lá, as pessoas cantado os refrões, amigos rememorando fatos e causos, debatendo o presente, o futuro... que bom Porto Velho assim livre, artística, cultural, que bom!” 

À noite, em meio a chorinhos e sambas, a pulsante e palpitante cidade porto fechou uma de suas mais movimentadas artérias (a Rua Carlos Gomes) e rendeu-se ao apelo da cultura popular. E assim, aos muitos, fomos lá pro meio da rua assistir e participar de mais um espetáculo cultural, dentro da programação de aniversário do município que se estende até o próximo mês de outubro. Na ensolarada tarde de sexta-feira (18/set), logo cedo, o movimento no Villas Bar e naqueles arrabaldes, antecipava o que mais tarde seria uma verdadeira confraternização em torno da boa música, ou seja, o encontro da cidade com os shows do Trio Cordas que Choram e Prisma Luminoso, num merecido parabéns pra você - homenagem ao município em seus 95 anos. A rotina do centro da cidade, à tardinha, sugeria outra coisa que não o apressado vai e vem, deixando exalar um aroma de poesia pelo ar que ia além dos limites fronteiriços do Villas Bar, adentrava as janelas dos carros e acometia os transeuntes num arrebatador convite para logo mais, no inebriante encontro. Nem bem a noite caiu e a confluência da Carlos Gomes com a Marechal Deodoro fora interditada, os primeiros notívagos começaram a se abancar nas mesas em pleno asfalto, ávidos por acordes de violão e cavaquinho, sedentos de cultura popular. O evento realizado pela Fundação Iaripuna foi uma overdose de regionalidade, de brasilidade musical. Na primeira metade da programação, Genézio, Nicodemos e Júnior Johnson, um trio de afamados chorões locais, luxuosamente acompanhados do baterista e professor Júnior Lopes, abriram a noite com um envolvente e amplo passeio pelo universo dos chorinhos folheando páginas musicais que foram de Valdir Azevedo a Jacó do Bandolim, para deleite da atenta e participativa platéia. Veio um breve intervalo, e o poeta, ator e educador popular Carlos Macedo Dias, o Mado, entrou em cena para uma rápida intervenção cênica, compondo um painel temático entre o passado e o presente, com retalhos históricos da cidade. Era só um esquenta do ainda estava por vir porque, logo em seguida, o Bubú Johnson subiu ao palco ancorado num bem escolhido repertório, com variações melódicas que iam daqui pra lá e vinham de lá pra cá, ou seja: mesclando Paulinho da Viola e Dadá do Areal, Elton Medeiros e Bainha, Noel Rosa e Sílvio Santos, Chico Buarque e Ernesto Melo, num entrelaçamento perfeito entre a musicalidade que emana dos bambas daqui, com o som dos bambas de lá dos outros longes da nossa terra brasilis. Resultado: a cidade, ouviu, viu e percebeu que, mesmo com a pressa e turbulência do crescimento, ainda se pode interditar uma rua – lá no centro nevrálgico da cidade – para assentar bons e qualitativos programas culturais, num demonstrativo de que jamais pode, a nossa urbe, romper com esses marcantes legados culturais. E tão belo e importante foi que, os longes culturais do Brasil se fizeram mais que próximos, avizinhados, se fizeram presentes, possíveis e palpáveis, na singela - porém brilhante - providência e performance de alguns dos nossos gorjeantes artistas desse rincão karipuna.

Por: Altair Santos (Tatá)
Pres. Fundação Iaripuna

Mais Sobre Cultura

Wankabuki lança campanha de financiamento coletivo

Wankabuki lança campanha de financiamento coletivo

O Grupo de Teatro Wankabuki, sediado no município de Vilhena (RO), lançou através da plataforma Catarse, uma nova campanha de financiamento coletivo p

Wankabuki apresenta peça “À Margem” em três cidades de Rondônia

Wankabuki apresenta peça “À Margem” em três cidades de Rondônia

O Grupo de Teatro Wankabuki, de Vilhena (RO), realizará entre os dias 17 e 26 de outubro uma série de apresentações da peça “À Margem” nos municípios