Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Cultura

Acadêmicos de Letras e Pedagogia iniciam atividades de leitura


  

Os acadêmicos dos cursos de Letras e Pedagogia, da Faculdade Metropolitana, deram início às atividades interdisciplinares com a apresentação de duas bibliografias que serão trabalhadas durante o semestre: "Multiculturalismo na Amazônia", coletânea de artigos organizada pela professora doutora Nair Gurgel, da Universidade Federal de Rondônia, e "Raízes do Brasil", de Sérgio Buarque de Holanda.

As duas obras foram apresentadas pelas professoras Edna Nóbrega, coordenadora do Curso de Letras e Maria José, coordenadora do Curso de Pedagogia.

"O objetivo da leitura das obras é levar ao conhecimento dos acadêmicos os conteúdos sobre os quis elas discorrem, tendo em vista a contribuição que elas podem oferecer, em termos de formação profissional e cidadania", destacou Edna Nóbrega.

Multiculturalismo na Amazônia

O livro "Multiculturalismo na Amazônia: o singular e o plural em reflexões e ações" é uma iniciativa do Grupo de Estudos Integrados sobre a Aquisição da Linguagem (GEAL) da universidade que desenvolve o projeto "Alfabetização de Ribeirinhos na Amazônia".

Segundo a organizadora do livro, Nair Gurgel, a obra pretende contribuir socialmente para a redução de fatores excludentes. "É um livro plural e singular ao mesmo tempo. Plural porque aborda questões multiculturais e é singular porque é amazônida, trata de aspectos da nossa região, do nosso povo: ribeirinhos, quilombolas, índios; e mais: trabalhadores, migrantes, mulheres, crianças, sem-terras, sem-tetos, sem-salários, sem-escolas, pobres, discriminados, oprimidos", explica.

Nair destaca que o melhor desses estudos é que eles apontam saídas. "Os autores construíram pontes, estradas, abriram portas, derrubaram muros. Enfim, para um multiculturalismo efetivo, apresentaram-se sugestões, encaminharam-se propostas e aprovaram-se projetos, todos no intuito de minimizar os efeitos do monoculturalismo elitista", ressalta.

Raízes do Brasil

Raízes do Brasil é um livro do historiador brasileiro Sérgio Buarque de Holanda. Publicada em 1936, a obra aborda aspectos centrais da história da cultura brasileira. O texto consiste de uma macro-interpretação do processo de formação da sociedade brasileira. Destaca, sobretudo, a importância do legado cultural da colonização portuguesa do Brasil, e a dinâmica dos arranjos e adaptações que marcaram as transferências culturais de Portugal para a sua colônia americana.

Escrito na forma de um longo ensaio histórico, dividido em sete partes, o livro foi publicado originalmente pela Editora José Olympio, tendo sido posteriormente objeto de várias reedições ao longo do século XX. É considerado um dos mais importantes clássicos da historiografia e da sociologia brasileiras, traduzido e editado também em italiano (1954), espanhol (1955) e japonês (1971, 1976), bem como em alemão e em francês.(pt.wikipedia.org).

Fonte: Ascom

Mais Sobre Cultura

ASFALTÃO PLANEJA AÇÕES ATÉ O CARNAVAL 2019

ASFALTÃO PLANEJA AÇÕES ATÉ O CARNAVAL 2019

Com bastante antecedência e foco no cumprimento de sua missão, a Escola de Samba Asfaltão realizou no ultimo dia 16 de março, seu Planejamento Estraté

Espetáculo ÌFÉ estreia neste sábado inspirado em figura religiosa histórica de Porto Velho

Espetáculo ÌFÉ estreia neste sábado inspirado em figura religiosa histórica de Porto Velho

O espetáculo ÍFÈ, da Companhia Beradera de Teatro, estreia neste sábado (23), às 20h, em Porto Velho e tem como inspiração a história de importante fi

Nossos agradecimentos em sol maior para todos e todas que fizeram o Canta Mulher 2019

Nossos agradecimentos em sol maior para todos e todas que fizeram o Canta Mulher 2019

Sonhos de MarçoPorto de sons e sonhos...Em marçouma paisagem sonorade cantos...um cenário a partecenas se repartem ese juntam em melodiasdiferentesDe

FERROVIÁRIOS ELEGEM NOVA EXECUTIVA SOB PROMESSA GOVERNAMENTAL BOTAR O TREM PRA ANDAR

FERROVIÁRIOS ELEGEM NOVA EXECUTIVA SOB PROMESSA GOVERNAMENTAL BOTAR O TREM PRA ANDAR

Porto Velho, RONDÔNIA - Ainda sem local adequado para se instalar e funcionar como em décadas atrás, a nova diretoria da Associação dos Ferroviári