Porto Velho (RO) quinta-feira, 26 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Yêdda Pinheiro Borzacov

A SOLIDARIEDADE CABOCLA



Yêdda Pinheiro Borzacov

O caboclo do baixo Madeira demonstra possuir sensibilidade para os problemas alheios, compartilhando momentos alegres e tristes de seus semelhantes.

Vivendo em meio às dificuldades impostas pelo ambiente, desenvolveu o sentimento de solidariedade, ajudando seu próximo e dele recebendo ajuda, não só no trabalho da pesca como em outros misteres de sua faina diária, a qualquer hora do dia ou da noite, quando se fizer necessário.

O caboclo cultiva, a seu modo, hábitos sociais, apreciando fazer visitas a seus parentes, vizinhos e compadres. Nesses encontros e reuniões sempre há muito respeito e cerimônia; e se as reuniões são fora do círculo familiar, as mulheres ficam separadas dos homens, agrupando-se na cozinha para conversar, enquanto estes conversam na sala ou no terreiro da casa.

São motivos de reunião, os batizados, os casamentos, os falecimentos, bem como os casos de nascimentos e de enfermidades.

Nos casos de doença grave numa casa, todos os conhecidos e amigos do enfermo o visitam e permanecem dia e noite velando à sua cabeceira, guardando absoluto silêncio com semblantes compungidos, numa aglomeração tão grande que não há possibilidade de alguém se mover dentro do aposento, e isto durante horas seguidas e às vezes até durante dias.

Quando acontece de o doente falecer, todos acorrem de distâncias enormes, tendo a igarité como transporte, a fim de participarem do “quarto”. Nesses “quartos”, enquanto uns dormem encolhidos pelos cantos da casa, outros conversam em voz baixa e, para espantar o sono, o café e a cachaça se alternam, servidos a noite toda.

O acompanhamento de um enterro no “beiradão” é melancólico e ao mesmo tempo “sui-generis”. Vêem-se os caboclos andando pela estradinha, tendo à frente o defunto numa rede, sendo levado por dois homens até a margem do rio, onde será depositado no fundo de uma canoa, até o cemitério, às vezes distante algumas horas. Chegando à margem, os que possuem canoa tomam-na e acompanham o corpo numa procissão fluvial triste e nostálgica. Acontece muitas vezes de encontrarem uma venda e, para “esquentar o sangue”, tomam uma boa dose de branquinha.

A solidariedade cabocla revela-se, ainda, quando um vizinho necessita de ajuda para realizar um plantio, uma colheita, um roçado ou mesmo para preparar a cobertura da casa. Faz um apelo aos vizinhos e imediatamente é atendido. Acontece, então, o “ajuri” ou “putirum”, todos reunidos para o trabalho em comum e em perfeita harmonia realizam a tarefa.

A família do caboclo que solicitou ajuda prepara o almoço e, às vezes, quando o trabalho prolonga-se até o anoitecer, improvisa-se um arrasta-pé.

A solidariedade cabocla está presente em todos os momentos, na alegria, na dor, no trabalho. Tudo é compartilhado com amizade e fraternidade.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Yêdda Pinheiro Borzacov

Cidade dos Barbadianos

Cidade dos Barbadianos

Nas proximidades do leito da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré surgiram alguns bairros populacionais

Euro Tourinho, o intérprete do nosso jornalismo

Euro Tourinho, o intérprete do nosso jornalismo

O perfil de um homem vai se cinzelando no decorrer dos anos e a poeira do tempo, como procede inexoravelmente, a história, vai laminando as reputaçõ

Conheça a literatura de Porto Velho

Conheça a literatura de Porto Velho

Aplaudo e abraço com afeto, mais uma vez, a professora, escritora e acadêmica Sandra Castiel, amorosa porto-velhense que enobrece e honra a Academia

BAILE DE GALA EM PORTO VELHO - Por Yêdda Pinheiro Borzacov

BAILE DE GALA EM PORTO VELHO - Por Yêdda Pinheiro Borzacov

* Yêdda Pinheiro Borzacov Amando a saudade, ela não machuca Associando-me às homenagens merecidamente prestadas à Loja Maçônica União e Perseverança,