Porto Velho (RO) quarta-feira, 15 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Simon

NO IATA É ASSIM.....



Quem conhece o distrito do Iata? Quem não o conhece, recomendo que se apresse e vá até lá, de preferência ao entardecer dos finais de semana e se puder, vá pedalando, assim como costumeiramente faço há vários anos. O local é propício para não sentir-se a passagem do tempo, as coisas lá demoram e quando acontecem é de uma lentidão contemplativa.

Neste final de semana estive lá, fui beber um pouco daquela calmaria relaxante como água de cachoeira. Tenho a impressão que o semblante, os gestos e as falas das pessoas têm uma serenidade que não existe nos demais lugares da região. Tem-se a sensação que as casas, algumas quase centenárias, as mangueiras e a altaneira igreja de Nossa Senhora das Graças estão envoltos em uma aura mística que nos faz querer permanecer no Iata, infinitamente.

Observe entre o povoado e o rio Mamoré, as ruínas da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, impregnadas de sonhos e indelevelmente alheias à passagem do tempo. O rio, com suas águas claras de outubro, desliza suavemente ao encontro das águas turbulentas do Beni, em Vila Murtinho. Em sua passagem pelo Iata, o Mamoré beija demoradamente o aterro da histórica ferrovia e acena furtivamente para os moradores, sentados na singela praça da igreja.

Pedalar pelas linhas da Colônia Agrícola do Iata (1ª e 2ª Linhas) é sentir nas pernas o prolongamento dessa calmaria inebriante que envolve os moradores, árvores, casas e objetos que compõem o cenário perfeito do mosteiro chamado Iata. Pelo caminho, contempla-se as ainda resistentes e outrora produtivas casas de farinha e as ruínas de antigos casarões habitados por lembranças e afetos.

No Iata é assim. Lá o tempo ganha outra dimensão, os frutos, diferentemente dos demais lugares não caem, apodrecem, secam nos galhos e dissipam-se no ar. Lá no Iata, as pessoas e as coisas não envelhecem e nem morrem, transmutam-se, passam do estado sólido para mais sólido ainda. É possível vê velhos, sábios alquimistas caminhando pelas vias do lugar, ostentando a grandeza das pessoas simples de coração.

Conclamo aos moradores de Guajará-Mirim, Nova Mamoré e visitantes para sentirem um pouco do efeito rejuvenescedor que uma simples visita ao povoado do Iata nos provoca. Vá lá e beba água de côco, sente-se demoradamente no gramado em frente à Igreja Nossa Senhora das Graças, feche os olhos e fique ouvindo a Maria Fumaça passar. Converse um pouco com as pessoas e tente captar nas entrelinhas o que as torna imunes à passagem do tempo.

É preciso voltar e enaltecer, sem ser piegas, às nossas origens. O Iata é a matriz fundadora da história dos guajaramirenses e novamamorenses, “os amazônidas, filhos da ferrovia”, que cresceram ouvindo com encanto o som forte e imponente do apito da locomotiva e que ecoa até hoje, vivo, em nossos corações. Lá no Iata o “choro” do apito ainda provoca arrepios e espalha saudades na eterna lentidão das horas. Lá no Iata é assim…..

Autor: Simon O. dos Santos – Mestre em Ciências da Linguagem
e membro da Academia de Letras de Guajará-Mirim. “ Filho da Ferrovia”.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Simon

Piana governador conseguiu apoio na Assembleia, mas não teve apoio da bancada federal

Piana governador conseguiu apoio na Assembleia, mas não teve apoio da bancada federal

A receita do Estado – Fundo de Participação dos Estados e os recursos próprios alcançavam cerca de US$ 20 milhões/mês. Em 1991 Rondônia saía de uma lo

MEU PAI ESTÁ ENTERRADO NAS ÁGUAS DO MADEIRA

MEU PAI ESTÁ ENTERRADO NAS ÁGUAS DO MADEIRA

  Era um dos vários garimpos de ouro que existia em toda a extensão do trecho encachoeirado do Rio Madeira. Não recordo bem, mas penso,  ser o garimpo

CONVERSA DE URUBU

CONVERSA DE URUBU

Por Simon Oliveira dos Santos _Bom dia Uru! Bom dia Bu!, Arrumando as malas? _Sim Bu, tô de partida para a cidade, irei me alojar no alto de um prédio

A FUMAÇA DO LÁTEX DEFUMADO IMPREGNA A  ALMA DE MEU PAI

A FUMAÇA DO LÁTEX DEFUMADO IMPREGNA A ALMA DE MEU PAI

Eu tinha seis anos de idade e morava no sertão de Crateús, no Ceará, quando fiquei sabendo da morte do meu pai. Ele teve um trágico fim: foi morto pel