Porto Velho (RO) terça-feira, 19 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Colunistas

  • Simon

    Simon

    Simon O. dos Santos – Mestre em Ciências da Linguagem e Membro da Academia Guajaramirense de Letras – AGL.Emails- portalmamore@hotmail.come saimonnm@com.br


  • Quarta-feira, 14 de Setembro de 2016

  • MEU PAI ESTÁ ENTERRADO NAS ÁGUAS DO MADEIRA

    MEU PAI ESTÁ ENTERRADO NAS ÁGUAS DO MADEIRA

    05h12 -   Era um dos vários garimpos de ouro que existia em toda a extensão do trecho encachoeirado do Rio Madeira. Não recordo bem, mas penso,  ser o garimpo...

  • Terça-feira, 14 de Junho de 2016

  • CONVERSA DE URUBU

    CONVERSA DE URUBU

    21h22 - Por Simon Oliveira dos Santos _Bom dia Uru! Bom dia Bu!, Arrumando as malas? _Sim Bu, tô de partida para a cidade, irei me alojar no alto de um prédio...

  • Domingo, 20 de Março de 2016

  • A FUMAÇA DO LÁTEX DEFUMADO IMPREGNA A  ALMA DE MEU PAI

    A FUMAÇA DO LÁTEX DEFUMADO IMPREGNA A ALMA DE MEU PAI

    17h27 - Eu tinha seis anos de idade e morava no sertão de Crateús, no Ceará, quando fiquei sabendo da morte do meu pai. Ele teve um trágico fim: foi morto pel...

  • Segunda-feira, 26 de Outubro de 2015

  • A LAMENTÁVEL DECISÃO DA PARÓQUIA

    A LAMENTÁVEL DECISÃO DA PARÓQUIA

    21h23 - Era uma casa. Mas, não era uma simples casa, era a casa da professora Maria Laurinda Groff.  A professora Laurinda representa para a educação de Nova ...

  • Segunda-feira, 19 de Outubro de 2015

  • NO IATA É ASSIM.....

    NO IATA É ASSIM.....

    09h06 - Quem conhece o distrito do Iata? Quem não o conhece, recomendo que se apresse e vá até lá, de preferência ao entardecer dos finais de semana e se pude...

  • Segunda-feira, 21 de Setembro de 2015

  • NESTA TERRA DÁ PÃO E LEITE, DIZIA MEU PAI

    NESTA TERRA DÁ PÃO E LEITE, DIZIA MEU PAI

    13h12 - Por Simon O. dos Santos O barulho agudo e ensurdecedor das motosserras na guerra contras as imensas e indefesas árvores era o prenúncio de um agosto c...

  • Segunda-feira, 22 de Junho de 2015

  • O INTERMINÁVEL RUÍDO AINDA ASSOMBRA A TRÁGICA E MÍTICA FERROVIA

    O INTERMINÁVEL RUÍDO AINDA ASSOMBRA A TRÁGICA E MÍTICA FERROVIA

    10h54 -   A calmaria do pequeno povoado às margens da nascente do rio Madeira contrastava com o ruído incessante dos batelões navegando nas águas do Beni com ...

  • Sexta-feira, 12 de Junho de 2015

  • MORRI NO SERINGAL, SONHANDO EM FICAR RICO

    MORRI NO SERINGAL, SONHANDO EM FICAR RICO

    18h40 - Simon O. dos Santos Levantei-me de manhãzinha, eram umas quatro horas, a escuridão ainda insistia em açoitar a densa floresta molhada às margens do Ig...

  • Domingo, 8 de Fevereiro de 2015

  • O MASSACRE TINGIU DE VERMELHO AS ÁGUAS DOS IGARAPÉS

    O MASSACRE TINGIU DE VERMELHO AS ÁGUAS DOS IGARAPÉS

    21h41 - Neném Clímaco ficou furioso quando Luiz Tupari, um índio velho amansado entrou em seu escritório, localizado no andar superior de seu barracão, com vi...

  • Sábado, 31 de Janeiro de 2015

  • A SUCURI QUE OS AMERICANOS MATARAM EM VILA MURTINHO

    A SUCURI QUE OS AMERICANOS MATARAM EM VILA MURTINHO

    13h18 - As igarités desciam de Vila Bela de Santíssima Trindade em direção a Santo Antônio, através dos rios Guaporé, Mamoré e Madeira, carregados de toda esp...

  • Sexta-feira, 10 de Janeiro de 2014

  • A  FERROVIA  DO DIABO ESTÁ INDO LITERALMENTE PARA A MERDA

    A FERROVIA DO DIABO ESTÁ INDO LITERALMENTE PARA A MERDA

    10h42 - A Estrada de Ferro Madeira Mamoré cantada e decantada em verso e prosa, continua sendo uma inesgotável fonte de inquirições, pesquisas e questionament...

  • Terça-feira, 10 de Dezembro de 2013

  • Os carneiros da ferrovia

    Os carneiros da ferrovia

    10h30 - Antônio Pretinho nascido e criado em Vila Murtinho, conhecia como a palma da mão toda a região do Seringal dos Clímacos. Sabia quais estradas de serin...

  • Quarta-feira, 4 de Dezembro de 2013

  • Os três morcegos da minha infância

    Os três morcegos da minha infância

    10h59 - À mesa do jantar, meu pai declarou à família que nos próximos dias iria  com os amigos Antonio Pretinho, Zeca e Osvaldo passar uma semana na Bolívia. ...

  • Domingo, 24 de Novembro de 2013

  • Meu curumim não se esqueceu de mim

    Meu curumim não se esqueceu de mim

    09h13 - Lauro foi um índio capturado ainda criança nas proximidades de Vila Murtinho. Na época, toda a sua tribo adquiriu o hábito de se aproximar da Estrada ...

  • Domingo, 17 de Novembro de 2013

  • O Cangaceiro de Vila Murtinho

    O Cangaceiro de Vila Murtinho

    14h44 - No dia sete de setembro de 1939, desceu na estação ferroviária de Vila Murtinho, Material, um sujeito estranho, alto, magro, vasta cabeleira avermelha...

  • Domingo, 10 de Novembro de 2013

  • AS CORREDEIRAS DO MADEIRA ENGOLIRAM O MEU CORAÇÃO

    AS CORREDEIRAS DO MADEIRA ENGOLIRAM O MEU CORAÇÃO

    19h20 - A família Santiago era numerosa, pai, mãe e dez filhos, todos ainda muito pequenos, o filho mais velho era um rapazote de apenas dezesseis anos incomp...

  • Segunda-feira, 4 de Novembro de 2013

  • O Trem das Almas

    O Trem das Almas

    07h16 - Vila Murtinho foi o mais próspero entreposto comercial da época dos seringais nesta parte da Amazônia. Sua estratégica localização na confluência dos ...

  • Segunda-feira, 28 de Outubro de 2013

  • Meu filho nas estradas do seringal

    Meu filho nas estradas do seringal

    12h33 - No inverno rigoroso dos meses de outubro a abril, os seringueiros poucas vezes viam a luz do sol. Nesses meses, todo seringueiro vivia quase submerso ...

  • Quinta-feira, 24 de Outubro de 2013

  • Minha filha não é mercadoria – CAPÍTULO II

    Minha filha não é mercadoria – CAPÍTULO II

    16h40 - Simon O. dos Santos             Das Dores pressentiu o medo quando sentiu o olhar do Bode Velho fixo em seu colo adolescente. Foi naquela tarde quando...

  • Terça-feira, 22 de Outubro de 2013

  • Minha filha não é mercadoria – CAPÍTULO I

    Minha filha não é mercadoria – CAPÍTULO I

    10h47 -  Simon O. dos Santos*   Augustino Lopez era dono do seringal que começava às margens do Igarapé Misericórdia e se projetava um pouco além do Igarapé R...

  • Segunda-feira, 14 de Outubro de 2013

  • A FUNERÁRIA DO SERINGAL

    A FUNERÁRIA DO SERINGAL

    05h01 -   Simon O. dos Santos Neném Clímaco já se acostumara a acordar no meio da noite, com fortes batidas em sua porta. No início, algumas vezes levantara d...

  • Quarta-feira, 9 de Outubro de 2013

  • Gentileza gera gentileza

    Gentileza gera gentileza

    20h39 - Simon O. dos Santos   Hoje minha imunidade amanheceu baixa, foi a frase que ouvi de uma grande amiga, ao falar de seu problema  de saúde, disse-lhe qu...

  • Sábado, 5 de Outubro de 2013

  • A mãe que embala a ferrovia

    A mãe que embala a ferrovia

    19h15 - Simon O. dos Santos   Quando desembarcou na estação da Estrada de Ferro Madeira Mamoré na Colônia Agrícola do IATA em meados da década de 1960, Franci...

  • Sábado, 28 de Setembro de 2013

  • Meu coração ficou com o último apito do trem

    Meu coração ficou com o último apito do trem

    20h27 -   Simon O. dos Santos   Quando me amancebei, há muitos anos, ainda morava no Ceará, meu esposo não foi bem aceito pelos meus pais, e eles não estavam ...

  • Terça-feira, 24 de Setembro de 2013

  • O drible na morte

    O drible na morte

    21h18 - Simon O. dos Santos*   Os cassacos passaram pelo local após o acidente e estarrecidos não acreditaram no que viram, o trem de lastro havia empurrado a...

  • Domingo, 22 de Setembro de 2013

  • O Padre de Preto

    O Padre de Preto

    08h40 - Simon O. dos Santos*   Ocorre-me que um dia estava sentado na estação ferroviária de Vila Murtinho, isso um pouco antes da última e inesquecível viage...

  • Quarta-feira, 18 de Setembro de 2013

  • Cavalo da minha infância

    06h09 - Acordei com os sons dos periquitos e papagaios na ingazeira que recobria quase todo o telhado da nossa casa. Ninguém conseguia dormir depois das cinco...