Porto Velho (RO) terça-feira, 19 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Sérgio Ramos

A árvore da Democracia - Por Sérgio Ramos


A Democracia é o único sistema de governo que permite o combate à corrupção. Para isso, Montesquieu criou a tripartição de poderes, para que não haja poder absoluto, no qual é impossível qualquer controle por parte do povo.

O povo, nas democracias, têm o maior Poder – o Legislativo -, e assim é porque é quem cria as leis, as quais devem ser cumpridas pelo próprio Poder Legislativo, Executivo e o Judiciário, e, claro, pelo próprio povo.

Quando, em nome de combater a corrupção, o caçador de corruptos destrói Poderes ou instituições, corta a árvore da Democracia. Isso ocorre porque leis – criadas pelo povo – são desobedecidas.

E quando tal prática é apoiado pelo próprio dono do Poder – o Povo -, é o primeiro a ficar sem a sombra da árvore da Democracia.

#emdefesadademocracia

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Sérgio Ramos

A MP que reformou a Reforma Trabalhista perdeu a validade. E agora? - Por Sérgio Ramos

No texto “A Reforma Trabalhista, a política e a insegurança jurídica” – aqui, abordei os aspectos políticos e jurídicos que a envolvem, cuja consequên

Desafios da Advocacia – A Ética como conduta profissional

Desafios da Advocacia – A Ética como conduta profissional

  Por Dr. Paulo Roberto de Gouveia Medina (*) Agradecimentos de praxe… Sinto-me realizado, como velho advogado e professor de Direito, a cada oportuni

A Reforma Trabalhista, a política e a insegurança jurídica

A Reforma Trabalhista, a política e a insegurança jurídica

Próxima de completar seus primeiros 150 dias, a Reforma Trabalhista segue gerando polêmicas de toda a ordem. Ou cria-se polêmica de toda ordem, em tor

Reforma Trabalhista: art. 59 – horas extras, banco de horas e acordo de compensação, como ficou - Por Sérgio Ramos

Reforma Trabalhista: art. 59 – horas extras, banco de horas e acordo de compensação, como ficou - Por Sérgio Ramos

Reitero o que tenho dito nos textos anteriores: trabalha melhor quem mais conhece as regras. Isso serve para empregados e empregadores. A relação de e