Porto Velho (RO) sexta-feira, 7 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Sandra Castiel

VERSOS PARA AS MÃES MORTAS - Por Sandra Castiel



Se eu fosse poeta, gostaria de fazer versos clássicos, bordá-los delicadamente com os pontos mais belos, linhas cadenciadas em métrica perfeita e rimas ricas de flores e cores, as mais belas que há, para homenagear as mães mortas.

 Homenagem deve ser feita em vida!  - dirão alguns. Certamente. Porém, somente quando a mãe se vai é que o filho se dá conta da grandiosidade de sua presença em sua existência: Se antes a persistência da mãe em participar da vida do filho, mesmo um jovem adulto, o incomodava, agora sua ausência representa um grande vácuo, um abismo insuportável; Se antes o filho ficava irritado com tantas repreensões, com discursos intermináveis sobre o que é certo e o que é errado, com todas aquelas recomendações e conselhos, agora, o silêncio deixado pela voz da mãe é ensurdecedor; Se antes almoçar com a mãe idosa aos domingos era um dever filial e não satisfação verdadeira,  agora, após a morte da mãe, o almoço de domingo parece não ter sentido.

Isto acontece quando o filho, dantes tão voltado à própria vida e às lutas do dia a dia, dá-se conta de que perdera um tesouro. Dá-se conta de que perdera mais do que uma amiga incondicional e o amparo de sua existência em todos os momentos, desde o início de seus dias: perdera a fonte que lhe gerara a vida. Sente-se perdido.

E quando esta consciência invade a mente do filho... Meu Deus, quanta dor!

Até que de lá de onde está, no plano das mães que se foram, a dor do filho a alcança; a mãe sente queimarem-lhe no rosto as lágrimas ardentes que o filho derrama.

Então, uma noite, no silêncio da madrugada, no momento em que o filho, exaurido pela dor, adormece, eis que o espírito da mãezinha morta achega-se suavemente; primeiro, com a timidez de um fraco ponto de luz a quebrar a escuridão do quarto. Em seguida, ei-la que surge inteira e brilhante; traz na face as marcas das lágrimas do filho: acaricia com as mãos delicadas o rosto adormecido do filho amado, enxuga-lhe as lágrimas, toca-lhe os cabelos e beija-lhe a fronte. Depois, senta-se ao seu lado e põe-se a sussurrar baixinho palavras de consolo e ânimo, acalentando-o amorosamente, até que os primeiros raios de sol reflitam no aposento sua luz tênue e cálida. É hora de partir. E a mãe morta se vai.

Quando desperta para um novo dia, o filho sente-se estranhamente renovado, reconfortado e disposto. Pensa na mãe e lembra-se do sonho que tivera com ela, tão real! É dia das mães. Um sorriso agora emoldura o rosto do filho: não há dúvida; em sonho, a mãe voltara para alegrar-lhe a vida.

Feliz dia das mães, mãe querida!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Sandra Castiel

Dr. Paulo Gondim: Missão de Vida

Dr. Paulo Gondim: Missão de Vida

Em meio à insegurança que temos vivido pela pandemia que assola o mundo, ponho-me a pensar nas demais doenças com as quais as populações convivem e

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia -  Parte II

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia - Parte II

   A proposta deste trabalho é revelar ao público-leitor a beleza da poesia produzida pelos poetas que aqui vivem. Estamos falando sobre pessoas apa

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia -  Parte I

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia - Parte I

Descobri o amor pela poesia, ainda criança, no Grupo Escolar Barão do Solimões, em Porto Velho. Naquela época, os livros de leitura eram obrigatório

Neste último dia do ano! ...

Neste último dia do ano! ...

Último dia do ano: comemorações, fogos, champanhe, ceia, abraços, troca de votos de saúde, alegrias, prosperidade para o novo ano. Isto é tão humano