Porto Velho (RO) segunda-feira, 10 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Sandra Castiel

EM MINHA VIDA, NOSSA SENHORA AUXILIADORA - Por Sandra Castiel

FERIADO MUNICIPAL EM PVH


O dia de Nossa Senhora Auxiliadora, padroeira de Porto Velho, leva-me a viajar no tempo, embalada pelas minhas memórias, mais precisamente ao princípio de minha adolescência. Aluna de grupo escolar a vida inteira, cultivava no íntimo um sonho: estudar no Instituto Maria Auxiliadora.

Naquela época as ruas da cidade eram estreitas e ladeadas por uma vegetação abundante; encravadas em meio ao verde intenso da floresta, as casas; talvez por isso, à época, o sol escaldante característico desta região parecesse mais ameno. De manhã cedo, o azul e branco dos uniformes escolares tomava conta da cidade: crianças e jovens de várias idades caminhavam alegremente pelas ruas, sozinhas ou em grupos; não havia perigo algum, ninguém se sentia ameaçado por assaltantes ou atropelamentos e todos se conheciam pelo menos de vista.

É certo que eu gostava do grupo escolar. Porém a visão da ladeira Irmã Capelli, caminho obrigatório das estudantes do Maria Auxiliadora, vestidas com suas saias pregueadas de casimira azul marinho, camisa branca de mangas compridas, punhos fechados por abotoaduras e gravatas da cor da saia, despertava em mim um encantamento único; o uniforme de gala, então, aumentava o meu encantamento: boina azul marinho e luvas brancas complementavam toda aquela beleza: queria ser uma delas!

E os adereços? Estes faziam parte da indumentária das alunas do colégio dos sonhos: cada aluna do Maria Auxiliadora, na primeira sexta-feira de cada mês, levava consigo objetos religiosos que eu, do alto dos meus treze anos, considerava pura magia:  terços brancos de pequenas contas, missal de capa dura ornada com arabescos cor de ouro e o véu. O véu das alunas eram discretos pedaços de tule branco cortados em forma triangular e não traziam aplicações de renda como os das mulheres adultas.

Um dia, durante a preparação para o exame de admissão ao ginásio, após ter concluído o quinto ano primário no Grupo Escolar Barão do Solimões, ouvi de minha mãe: __” Vais fazer o exame de admissão no Maria Auxiliadora. As primeiras colocadas receberão como prêmio uma bolsa de estudos; então trata de estudar, menina!”

Após o impacto inicial, senti que minha vez havia chegado. E chegou. Tive a segunda melhor nota no exame de admissão àquele ano.

Foi assim que deixei o estado completamente laico que reinava em minha casa, para mergulhar em um universo novo para mim: Capela à luz de velas na primeira hora da manhã, dedos de menina a deslizar delicadamente nas contas peroladas dos tercinhos brancos, turíbulos de prata fumegantes e missas em latim. Era mágico. E, no centro de tudo, ela, a rainha: era assim que eu considerava Nossa Senhora Auxiliadora, rainha majestosa, cujas vestes nas cores azul e rosa avermelhado deixavam à mostra seus delicados pés; na cabeça, a coroa que lhe ornava os longos cabelos, o rosto de olhar perdido e o belo semblante; em uma das mãos segurava o cetro; no outro braço, a grande presença:  Jesus menino, esplendoroso, um pequeno rei que trazia na cabeça coroa semelhante à de sua mãe.

Em pouco tempo, minha voz juntava-se às dezenas de outras vozes que faziam estremecer os vitrais da capela do Colégio, quando, emocionadas, cantávamos em uníssono: Ó Virgem Auxiliadora/ Sede nossa protetora com amor/ Tu és o nosso encanto/ A ti se eleve um canto de louvor/ A ti se eleve um canto de louvor...

Raramente, hoje, subo a ladeira da Rua Irmã Capelli, moradia de Nossa Senhora Auxiliadora nas memórias de minha vida. Passaram-se muitos anos, passaram-se muitas décadas, mas sinto que ela continua presente nas lembranças mais puras que cultivo da existência e presente em minha fé, a ouvir-me os apelos nos momentos difíceis.

Viva Nossa Senhora Auxiliadora!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Sandra Castiel

Dr. Paulo Gondim: Missão de Vida

Dr. Paulo Gondim: Missão de Vida

Em meio à insegurança que temos vivido pela pandemia que assola o mundo, ponho-me a pensar nas demais doenças com as quais as populações convivem e

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia -  Parte II

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia - Parte II

   A proposta deste trabalho é revelar ao público-leitor a beleza da poesia produzida pelos poetas que aqui vivem. Estamos falando sobre pessoas apa

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia -  Parte I

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia - Parte I

Descobri o amor pela poesia, ainda criança, no Grupo Escolar Barão do Solimões, em Porto Velho. Naquela época, os livros de leitura eram obrigatório

Neste último dia do ano! ...

Neste último dia do ano! ...

Último dia do ano: comemorações, fogos, champanhe, ceia, abraços, troca de votos de saúde, alegrias, prosperidade para o novo ano. Isto é tão humano