Porto Velho (RO) quinta-feira, 24 de junho de 2021
×
Gente de Opinião

Renato Gomez

Crônicas da Nova Terra: A religiosidade


Crônicas da Nova Terra: A religiosidade

O objetivo do discurso colonial é apresentar o colonizado como uma população de tipos degenerados com base na origem racial de modo a justificar a conquista e estabelecer sistemas de administração e instrução.

O Local da CulturaHomi Bhabha

Os colonizadores, ao longo da história dos seres humanos, sempre usaram meios de justificar sua conduta de opressão sobre os colonizados. A origem racial é um deles, mas existem outros, todos eles inferiorizando o colonizado a fim de exaltar o colonizador e ratificar a dominação. Durante a colonização europeia sobre  Américas, África e Ásia, a justificativa utilizada foi religiosa, taxando os colonizados de silvícolas, bárbaros,  seres sem alma, entre outras alcunhas, todas associadas ao fato de não serem católicos.

Os Novos Humanos não são diferentes. Embora tenham os relógios de controle mental, também se utilizam de outras formas de dominação. Primeiro chegaram com sua tecnologia e nos taxaram de subdesenvolvidos, depois proclamaram-se os messias que nos salvariam da autodestruição, paralelamente, começaram a “catequizar” os humanos em sua ceita religiosa. O caminho é inverso ao que os europeus fizeram com suas colônias no sentido do culto propagado, pois a maioria dos colonizados à época eram politeístas e foram “convertidos” a uma religião monoteísta. Na Nova Terra, os humanos eram monoteístas e os Novos Humanos pregam a conversão e a “Salvação” através de um culto politeísta.

Os humanos são obrigados a frequentar os cultos, adorar os deuses e seguir as orientações dos Pajés. Estes são tidos como mensageiros dos deuses pagãos cultuados pelos Novos Humanos. As pregações das divindades sempre trazem mensagens de que os alienígenas foram enviados à Nova Terra com o propósito de nos mostrar o verdadeiro caminho espiritual, para que seguindo suas orientações, salvemos nosso planeta. Ou seja, justificando a colonização e valorizando a imagem de salvadores pregada pelos extraterrestres.

Além de impor sua religião, os Novos Humanos também reprimem qualquer manifestação de outra religião, ou seja, são intolerantes com aqueles que desejam continuar seguindo suas religiões. Inicialmente, é uma repressão verbal, que caso não surta efeito, dá vez à coerção tecnológica dos relógios dominadores.

A religiosidade de um homem é algo íntimo entre ele, sua fé e seu(s) deus(es), a mera tentativa de manipulação desta intimidade é uma violação do outro. A verdade sobre isto está em cada um, ninguém foi capaz de apresentar uma teoria digna de ser tida como verdade absoluta. Taxar de inferior aquele que segue uma religiosidade diferente é um ato de soberba para justificar a conduta colonizadora.

Soltaremos estas amarras dos humanos e, enfim, nossa espécie voltará a ter direito a suas opções e opiniões, e quem sabe, depois de tudo, consigamos nos respeitar mais e seguir em frente sem provocar o fim de nosso planeta e de nós mesmos...

Continua...

Renato Gomez

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Renato Gomez

I Sarau Poetas de Porto Velho

I Sarau Poetas de Porto Velho

Com o intuito de unir e fortalecer o movimento literário da cidade de Porto Velho, em 28 de janeiro de 2015, foi criado o grupo Poetas de Porto Velho

POEMUSIC

POEMUSIC

  Domingo, 29 de maio, às 20h, no Grego Original, acontecerá o Poemusic. O evento traz apresentações das bandas portovelhenses Tuer Lapin e Prognoise,

O POETA RENATO GOMEZ LANÇA SEU 3º LIVRO

O POETA RENATO GOMEZ LANÇA SEU 3º LIVRO

  LANÇAMENTO Sábado, às 19 horas, na Casa de Cultura Ivan Marrocos, o poeta Renato Gomez lançará sua 3ª obra, o livro de poemas Versos Naturais. O eve

Crônicas da Nova Terra: A emboscada

Crônicas da Nova Terra: A emboscada

Por que esperar se podemos começar tudo de novo Agora mesmo A humanidade é desumana Mas ainda temos chance O sol nasce pra todos Só não sabe quem não