Porto Velho (RO) quinta-feira, 27 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Paulo Saldanha

E, PIOR: ERA MESMO UM PENICO


 
Esta história me foi repassada pelo meu amiguinho e irmão Paulo Cruz Rodrigues, guajaramirense dos ótimos e com talento para a escrita. A cena ocorreu aqui na cidade, possivelmente nos anos 60 (pouco antes, talvez).

“Certa feita, ao entardecer, estávamos eu e minha genitora sentados à frente de casa, coisa muito comum à época e, como de costume, levando um papo com a vizinha de frente, mulher líder, simpática, conversadora e curiosa”. E me embalei nessa história...

E eu acrescento: era mulher jovial, alegre, espanhola amável de muitos conhecimentos e sempre carente para um “trololó” mais profundo, desejando manter uma conversação que elevava templos à história e ao cotidiano.

Bem informada sobre tudo o que acontecia na nossa Aldeia, nada se passava sem que ela, a qualquer preço e meio, não tomasse conhecimento. A sua curiosidade era latente! De tudo queria notícias! A todos perguntava o que lhe apetecia questionar sem nenhum constrangimento, tudo isto sem antes fazer seu cumprimento de boa tarde – maneira de iniciar um papo ou uma pesquisa. Agradável pela imensa sabedoria e simpatia de que era portadora. Mas, sempre o mas: a curiosidade não lhe dava tréguas.

Numa dessas tardes calorentas eis que estão as duas a papear como de costume –cada uma sentada em frente das suas respectivas casas, separadas pela avenida. Tanto era a ausência de movimento na rua que nada lhes atrapalhava a conversa. Silêncio total, só as duas “tagarelavam” sem nenhuma interferência, exceto um latido ou outro de um cão que por acaso ali vagasse.

Enquanto acontecia esse agradável bate-papo do entardecer eis que surge uma senhora com um “embrulho”, debaixo do braço que ia retornando ao seu lar. (embrulho é igual a pacote para os íntimos, como diria o saudoso Mestre da nossa geração de bancários do BASA, o inesquecível Amyr Azzi).

A espanhola, olhando para a direita, viu que, distraída, com um volume arredondado debaixo de um dos braços, vinha uma figura feminina indolentemente pela Avenida Costa Marques. E a nossa boa velhinha começou a dar tratos à bola:

–O que traz essa mulher nesse embrulho? Pensou ela em voz alta... o que foi ouvido no outro lado da via pública.

Dentre uma conversa e outra entre aquelas duas matriarcas, a espanhola, curiosa como sempre, pergunta à passante:

–“Boa tarde, querida! O que levas aí?

A senhora passante estranhou a indagação, porém não se fez de rogada e disparou, com o cenho franzido:

–É um baita penico, ainda sem uso, satisfeita, senhora?

–Que deselegante, diria a Sandra Annenberg, do Jornal Hoje, da TV Globo, se ouvisse o diálogo...


Esse valioso equipamento foi de grande valia, muito utilizado e necessário à época. “Penico: substantivo masculino - vaso para urina e dejeções”.

Até hoje é usado por crianças que não podem valer-se do vaso sanitário em face do diminuto tamanho delas.

Convém continuar decifrando o objeto citado pela transeunte ali naquele momento na Avenida Costa Marques, quase esquina com a Quintino Bocaiúva: PENICO – no popular é um vasilhame usado em casa que quebrava o galho em noites de chuvas e/ou de muita escuridão, haja vista que o WC –ou como diz meu amigo Joaquim Francisco Bártholo Júnior, o Carola, responderia pelo nome de SENTINA, se pudesse falar– mas, quase sempre é localizada nos quintais o mais distante possível do poço de captação d’água.

Esse instrumento tão útil quanto famoso –o penico– resolvia muitos problemas, dentre esses o mais forte, pois neutralizava o medo de, saindo para o quintal, o ensandecido personagem com dor de barriga pudesse dar de cara com alguma assombração, com a repercussão antecipada da liberação do esfíncter, logo, antes da hora precisa.

“Eu não acredito em bruxas, no nosso caso, em fantasmas, mas que eles existem, existem”...

Vai daí que a resposta não agradou a veneranda senhora espanhola que, bastante ofendida dirige-se a sua interlocutora magoadíssima:

–Bem feito para mim para não ficar fazendo perguntas a certas pessoas desprovidas de classe, sentimento e humor...
Ocorre que o tal pacote disfarçava o seu conteúdo, mas era realmente um penico e, debaixo do braço da pessoa que o transportava, com efeito, ainda não tinha estado em uso...

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Paulo Saldanha

Crônicas Guajaramirenses: Alguém na minha lista do whatsapp

Crônicas Guajaramirenses: Alguém na minha lista do whatsapp

Embora comovido, não deletei alguns nomes queridos na lista do meu celular, lamentando a perda do meu dileto companheiro em face da viagem para o an

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES:  Se não podemos rememorar o 31 de março, que tal celebrarmos o fracasso do comunismo?

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: Se não podemos rememorar o 31 de março, que tal celebrarmos o fracasso do comunismo?

O governo fora proibido de rememorar a data da contra revolução que libertou o Brasil do nefasto jugo do comunismo odiento e fracassado! Decisão esq

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES:  Um Religioso Trapalhão

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: Um Religioso Trapalhão

Corria a década de 50 o catolicismo já estruturado pelas benfazejas mãos e lucidez de Dom Rey

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães

Sou filho da Mita Saldanha, tão extremada nas preocupações e nos carinhos. E é tão eterna, que representa hoje, 57 anos depois, tantas e imensas sau