Porto Velho (RO) quinta-feira, 27 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Paulo Saldanha

Criação e instalação da Academia Guajaramirense de Letras



No dia 12 de setembro vindouro, o Município de Guajará-Mirim amanhecerá mais rico no campo literário e espiritual. É que nascerá, a partir das 19:00 horas, a Academia Guajaramirense de Letras, sob os auspícios da ACLER, a Academia de Letras de Rondônia, atualmente sob o comando do Acadêmico José Valdir Pereira. 

Mas o que representará para região a criação e a instalação de uma Academia de Letras? 

Respondo: ela “congregará pessoas, amantes das letras e intelectuais de todas as vertentes; deverá propugnar por todos os meios ao seu alcance pela difusão, promoção e conservação evolutiva da cultura, incentivando, principalmente, a criação e a disseminação da literatura Guajaramirense”. 

É o que, aliás, consta do Artigo segundo do Estatuto ora em discussão. 

Ela perseguirá como objetivo subjacente a promoção dos nossos valores espirituais e materiais, fomentando concursos literários, comemorando datas cívicas relacionadas com os nossos padrões de comportamento, característicos da sociedade brasileira e do regionalismo amazônico, bem como incentivando o intercâmbio das nossas crenças, valores folclóricos e culturais, com entidades congêneres. 

Aqui, no caso, como somos uma área de fronteira, certamente, não faltará a integração com os intelectuais bolivianos, que, por sinal, já saíram na frente e, desde há muito, já possuem a sua trincheira acadêmica, no campo da literatura. 

Na visão do Presidente da ACLER, esta nossa Instituição “além de apoiar o município no desenvolvimento da literatura, estará, também, comprometida com o fomento de outras vertentes da cultura local, como as artes plásticas, o folclore, a dança, a música, o teatro, a fotografia, entre outras” 

Coube-me a honra de, nesta fase de criação e instalação, presidir o novel sodalício, a partir da confiança e da generosidade dos seus primeiros membros fundadores. Assim, com a abnegada colaboração de todos, inclusive do Presidente José Valdir Pereira, o Estatuto já é uma realidade e o brasão institucional vai ganhando os seus contornos, numa concepção gerada pela futura Acadêmica Teresa Chamma que, com a criatividade que a inspira e norteia, vem contando com o incondicional apoio do Secretário Municipal de Cultura e Turismo, o publicitário Dayan Saldanha, que, traduzindo aquela inspiração, vai concebendo a logomarca oficial da Academia. A Professora Maria Cristina Victorino de França também vem apoiando o processo criativo do Brasão. 

Na realidade, o Brasão se sustenta na idéia criadora que vem da natureza, por conta do que nos ensina o meio ambiente. Assim, a escolha recaiu nas raízes e no tronco de uma seringueira, a “hevea brasiliensis”, que traduz a auto sustentabilidade de uma atividade econômica deste Município, em cujo “seio” se abriga um livro, uma fonte de luz, representada pelos raios flamejantes que resplandecem por sobre ele (o livro), encimado pela simbologia dos trilhos da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, de retumbante mensagem histórica, com a inscrição– dentro dos trilhos– do nome da Academia Guajaramirense de Letras. 

Ao lado do tronco, sementes de castanheira, a “bertholletia excelsa”, erguem-se do chão, insinuando que, na cadência do tempo devido, desejariam tornar-se as árvores frondosas que alimentam e salvam. 

Oportunamente, a bandeira da novel sociedade deverá ser criada, assim como o Hino Oficial da Entidade. 

À primeira Diretoria caberá a ação e gestão para implantá-la moderna e audaciosa, contemporânea e participativa, plugada no futuro e determinada a ser, de fato, a parceira ideal que jamais divida, nem diminua, mas some e multiplique conquistas, vitórias e integração que se transformem em mais dividendos positivos para a cultura regional. 

Os futuros Acadêmicos estão representados pelos homens e mulheres que a fortalecerão, já que são escritores, historiadores, prosadores, poetas, autores de trabalhos literários. São eles: José Valdir Pereira, Poeta, Presidente da ACLER; Matias Mendes, Poeta, Romancista, Acadêmico Fundador da ACLER; Yêdda Pinheiro Borzakoc, renomada historiadora e Acadêmica atuante da ACLER; Gerson Álvares Magalhães, cidadão guajaramirense por homenagem da Câmara Municipal do Município, que é o Orador Oficial da ACLER; Aluízio da Silva, administrador e Jornalista; Celso Ferrarezi, Doutor e Professor Universitário; Dorosnil Alves Moreira, Doutor e Professor Universitário; Dulcio Mendes, Oficial da Reserva do Exército e Cirurgião-dentista; Edson de Almeida Oliveira, Policial Militar, Prosador e Poeta; Leide Pontes, Romancista e Professora; Julio César Yriarte Solíz, Músico, Bacharel em Direito e Professor; Maria Cristina Victorino de França, Doutora e Professora Universitária; Minerva Mendes Soto, Bacharel em Letras e Jornalista; Tereza Chamma, Professora e Historiadora e este “escrevinhador”, que se sente valorizado pelo incondicional respaldo dos companheiros que sustentarão as colunas da Academia, que nascerá, em breve. 

Importa dizer que novos autores, ao serem descobertos pela Academia, deverão receber os convites que poderão conduzí-los a integrar esse grupo de pioneiros, que aceitaram o desafio de construir, através das letras, um novo tempo na dimensão cultural do Município, sede da Academia Guajaramirense de Letras. 

Que assim Deus, o Criador, nos ajude, nos inspire e encaminhe! 

Fonte: Paulo Cordeiro Saldanha

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Paulo Saldanha

Crônicas Guajaramirenses: Alguém na minha lista do whatsapp

Crônicas Guajaramirenses: Alguém na minha lista do whatsapp

Embora comovido, não deletei alguns nomes queridos na lista do meu celular, lamentando a perda do meu dileto companheiro em face da viagem para o an

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES:  Se não podemos rememorar o 31 de março, que tal celebrarmos o fracasso do comunismo?

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: Se não podemos rememorar o 31 de março, que tal celebrarmos o fracasso do comunismo?

O governo fora proibido de rememorar a data da contra revolução que libertou o Brasil do nefasto jugo do comunismo odiento e fracassado! Decisão esq

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES:  Um Religioso Trapalhão

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: Um Religioso Trapalhão

Corria a década de 50 o catolicismo já estruturado pelas benfazejas mãos e lucidez de Dom Rey

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães

Sou filho da Mita Saldanha, tão extremada nas preocupações e nos carinhos. E é tão eterna, que representa hoje, 57 anos depois, tantas e imensas sau