Porto Velho (RO) domingo, 22 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Orlando Cavalcante Pereira da Silva Junior

Meu velho


 

Meu velho.

Um homem que mesmo sem ter o apoio materno, pois o perdeu no sétimo dia de vida soube seguir em frente, com a cabeça erguida, rumo a gloria do saber.

E mesmo a erosão da mediocridade, do vandalismo e da desordem não o gastou. Continuou a subir a escada da vida em direção aos píncaros do bem viver.

Um homem que soube curvar-se diante de um ser mais forte: a vida.

Honesto com os outros e consigo mesmo.

Vivido.

Sofrido.

Amado.

Soube conduzir sua família, não por caminhos fáceis, cômodos e perigosos, e sim por difíceis, porém seguros. Sempre dando apoio, carinho, afeto e dedicação a todos nós.

Teve um único ideal na vida: criar seus filhos.

Para ele não havia dia chuvoso, ensolarado, bom ou ruim, contando que nós, seus filhos, tivessem orgulho dele.

Porém, com todas as adversidades da vida, não lembro a vez que faltou o mais sagrado em casa: o alimento.

Corajoso.

Amado.

Respeitado por todos.

Por mais um dia que passo sem meu pai, mesmo assim agradeço seus feitos.

Peço a Deus que o tenha em mais alto grau.

Espero estar prestando uma homenagem ao meu velho.

Por tudo, obrigado meu pai.

Eu gostaria de expressar com palavras o que sinto no momento – um misto de tristeza e saudade – tristeza por não tê-lo mais por perto e saudade pelas suas brincadeiras em casa, com todos ao redor do velho rádio, ouvindo a “Caiari” com seus conselhos e piadas.

Tenho a absoluta certeza, que na mente de seus filhos, paira a vontade de gritar bem alto: OBRIGADO MEU PAI, POR TUDO O QUE FEZ POR NÓS.

A Deus apenas pede:

Cuida do meu velho.

Meu querido velho.

(Trecho de uma poesia publicada no dia dos pais no Jornal “O Guaporé” na década de 80. É apenas saudade, muita saudade do Velho Orlando Pereira da Silva)

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Orlando Cavalcante Pereira da Silva Junior

Durma bem meu anjo

Durma bem meu anjo

Te conheci, porém, não te vi. Apenas te sondava.

Cardápio imutável

Cardápio imutável

O cara está ali para vender o produto dele e o consumidor para adquiri-lo, sem que haja qualquer aproximação mais humana.

“Dimenor”

“Dimenor”

Vemos teorias de todas as partes de que a redução da maioridade penal

Guerreira menina - Por Orlando Júnior

Guerreira menina - Por Orlando Júnior

Hoje eu parei para escrever alguma coisa sobre você, minha amiga, companheira, cúmplice, para-choque, esteio e compaixão.Quem é você???Guerreira, sem