Porto Velho (RO) segunda-feira, 27 de janeiro de 2020
×
Gente de Opinião

Orlando Cavalcante Pereira da Silva Junior

“Dimenor”


“Dimenor” - Gente de Opinião

Após o embate das eleições ocorridas agora em outubro de 2018, em plena ressaca da vitória de Jair Messias Bolsonaro, para Presidente da República Federativa do Brasil, quebrando a hegemonia do Partido dos Trabalhadores que durou dezesseis anos – sim, dezesseis anos, pois quando do impeachment da “presidente” Dilma Rousseff, foi ao cargo maior do Brasil, o Senhor Michel Temer, que escolhido pelo PT como vice presidente da chapa eleita em 2014 era o sucessor natural – ressurge o tema sobre a redução da maioridade penal.

Todos os dias, ouve-se a voz de especialistas, leigos, teimosos, público envolvido e toda sorte de pessoa que quer dar um “pitaco” no assunto. Vemos teorias de todas as partes de que a redução da maioridade penal para dezesseis, quatorze, doze e por aí vai.

Não sou especialista no assunto, apenas um curioso e resolvi também “meter minha colher” no tema, visto ser controverso e de difícil consenso.

A maioridade penal começa aos dezoito anos, se refere a idade em que a pessoa passa a ter responder criminalmente como um adulto, ou seja, quando ele passa a responder ao Código Penal.

A simples redução da maioridade penal, que é de dezoito para dezesseis anos não é garantia da solução dos problemas da criminalidade que assola o Brasil. Deve-se atentar para outros problemas, passando por questões sociais, éticas, morais, sociológicas e familiares.

Devemos atentar para a responsabilidade penal que não importa a idade, todos devemos ter que simplesmente é condição sine qua non para todos as pessoas que querem viver em sociedade – responsabilidade penal é diferente de maioridade penal.

Vê-se que a maioridade penal é cláusula constitucional, prevista em nossa Carta Maior de 1988, no artigo 228 onde está firmado que os menores de idade (18 anos) são inimputáveis e estão sujeitos a uma norma especial.

A grande discussão para a redução da maioridade penal de dezoito para dezesseis anos é pelo fato de que a criminalidade está usando na linha de frente como “abre alas”, os menores para que, quando pego cometendo o crime, sua inimputabilidade seja avocada e por conseguinte, os maiores de idade que estão por trás não são atingidos.

Agora vejamos: se reduzindo a maioridade penal de dezoito para dezesseis anos, o que impedirá de ser o adolescente com idade inferior a dezesseis anos cooptado pelo crime para que passe a executar as funções do “então dezesseis anos”?

Em outras palavras, sempre a criminalidade irá buscar ter em suas trincheiras pessoas que, pela idade, não sejam alcançados pelos tentáculos da lei.

A fórmula mais correta, em meu prisma, seria a manutenção da responsabilidade penal em todas as idades, tendo a pessoa que cometeu o delito, punida pelo o que cometeu, sendo utilizado todo o direito do contraditório, atenuantes e agravantes que a lei assim prescrever.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Orlando Cavalcante Pereira da Silva Junior

Durma bem meu anjo

Durma bem meu anjo

Te conheci, porém, não te vi. Apenas te sondava.

Cardápio imutável

Cardápio imutável

O cara está ali para vender o produto dele e o consumidor para adquiri-lo, sem que haja qualquer aproximação mais humana.

Guerreira menina - Por Orlando Júnior

Guerreira menina - Por Orlando Júnior

Hoje eu parei para escrever alguma coisa sobre você, minha amiga, companheira, cúmplice, para-choque, esteio e compaixão.Quem é você???Guerreira, sem