Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Um ano atrás multinacional canadense prometia investir R$ 1,5 bilhão no garimpo Bom Futuro


Um ano atrás multinacional canadense prometia investir R$ 1,5 bilhão no garimpo Bom Futuro - Gente de Opinião

Um ano atrás a empresa Canada Rare Earth Corporation comprometeu-se a investir R$ 1,5 bilhão numa planta em Ariquemes, abrindo trezentos empregos diretos e 4,5 mil indiretos para  operações de mineração aos processos de concentração e refino de terras raras. A clientela é internacional. Uma das utilidades das substâncias a serem aqui produzidas é a energia atômica.

A multinacional teve portas abertas pelo Governo de Rondônia em ato no Palácio Rio Madeira, no qual seus diretores explicaram o desenvolvimento de instalações de pré-tratamento e de instalações de separação de terras raras de plena capacidade em locais estratégicos, um deles Bom Futuro, o maior garimpo de estanho a céu aberto do mundo.

Naquele período, um dos avalistas do empreendimento foi Sérgio Gonçalves, então titular da extinta SEDI, hoje Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e vice-governador de Rondônia.

A empresa canadense já atua na América do Norte, Caribe, América do Sul, Ásia e Sudeste Asiático.

Doze meses depois, no site da empresa, sem mencionar números nem vendas dos produtos, aparecem referências ao projeto elaborado para Rondônia: “No Bom Futuro, estamos dando passos significativos em direção ao objetivo de estabelecer e iniciar operações de curto prazo. Estamos entusiasmados com as quantidades de minerais essenciais e críticos contidos nos rejeitos, incluindo cassiterita/estanho, zircão, ilmenita e terras raras.”

Um ano atrás multinacional canadense prometia investir R$ 1,5 bilhão no garimpo Bom Futuro - Gente de Opinião

Para não classificar de “chover no molhado” e respeitando-se a expectativa de profissionais do setor, digamos que ainda não chegou o momento da divulgação do melhor, inclusive do emprego da mão de obra anunciada e da venda dos produtos.

“Nossas atividades incluem testes em massa, desenvolvimento de fluxogramas, seleção de equipamentos e modelagem financeira. As licenças para atividades de extração estão em vigor”, explicou o diretor de operações Peter Schering. Acrescentando: “Estamos nos aproximando de possíveis financiadores para o necessário na aquisição, instalar e comissionar o equipamento para a produção de curto prazo do Bom Futuro.”

Ou seja: ainda não se colhem todos os bons frutos ali. O discurso da Canada Rare Earth Corporation se baseia ainda nas intenções de “adquirir e desenvolver certas propriedades direcionadas que se acredita serem ricas em minerais essenciais e críticos e podem ser grandes oportunidades para nossa empresa.” 

O anúncio feito ontem, 3, de ações conjuntas entre a Federação das Indústrias de Rondônia (Fiero) e o governo estadual pode, então, ser visto como fundamental ao acompanhamento desse rico projeto.

Financeiramente, a Canada Rare Earth vai muito bem. Segundo Anthony Wong, diretor financeiro, o lucro operacional líquido para os nove meses encerrados em 31 de dezembro de 2022 foi positivo em US$ 125.705, o que representa uma melhoria de quase US$ 800.000 em relação aos nove meses comparáveis encerrados em 31 de dezembro de 2021. “Isso foi conseguido com vendas significativamente maiores, uma forte porcentagem de lucro bruto e mantendo nossa estrutura de custos.

Um ano atrás multinacional canadense prometia investir R$ 1,5 bilhão no garimpo Bom Futuro - Gente de Opinião

O QUE SÃO 

Metais de terras raras (REM) e elementos de terras raras (REE) são a coleção de 17 elementos terrestres na tabela periódica, ou seja, escândio, ítrio e 15 lantanídeos.

Devido às suas propriedades magnéticas, fluorescentes e químicas únicas, o REM e o REE são materiais-chave utilizados na inovação científica.

Desta maneira, a Canada Rare Earth Corporation oferece aos clientes a capacidade de comprar facilmente uma ampla variedade de produtos de terras raras. Se tudo correr bem com o projeto, a eles serão oferecidos: óxidos simples de alta pureza, nano e produtos de terras raras de partículas grandes e produtos personalizados.

Esses materiais de alta demanda são usados em uma variedade de indústrias: eletrônica de ponta, soluções de iluminação, cerâmica e vidro, catalítico e craqueamento, ímãs e energia atômica. Tudo com vendas diretas e preços diretos ao produtor, confirma a empresa.

 

SAIBA MAIS

  As principais aplicações de terras raras são usadas em veículos híbridos. Por exemplo, o Toyota Prius, contém 30 kg (65 lb) de REE. Elementos de terras raras são usados em motores, baterias de hidreto metálico, vidro, autocatalisadores e eletrônicos.

  As operações da Canada Rare Earth proporcionaram um fluxo de caixa positivo de US$ 581.380 durante os últimos nove meses, uma melhoria de mais de US$ 500.000 em comparação com os nove meses encerrados em 31 de dezembro de 2021.

 Comprometimento: “Estamos extremamente satisfeitos por gerar níveis crescentes de receitas, lucro líquido e fluxo de caixa positivo simultaneamente com a execução de nossa estratégia para estabelecer o ativo de rejeitos do Bom Futuro, expandir nosso portfólio de propriedades e colaborar com uma corporação da coroa para estabelecer uma indústria de terras raras no País” [Palavras do diretor financeiro Anthony Wong].

 “Um dos nossos principais critérios é a 'velocidade de receitas' e, como tal, continuamos a nos concentrar na geração de renda enquanto desenvolvemos nosso portfólio de propriedades”, destaca por sua vez o executivo Tracy A. Moore.

 As receitas dos nove meses encerrados em 31 de dezembro de 2022 totalizaram US $ 4.991.855, que foram 12 vezes maiores do que as receitas alcançadas no período comparável de nove meses (US $ 410.297) e quase o triplo das receitas combinadas dos 24 meses anteriores (US$ 1.686.030).

 O lucro bruto aumentou para uma média de 19,5% das receitas, em comparação com os 16% alcançados durante o período comparável, mesmo com o aumento significativo do nível de receitas.


* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Do “cemitério de processos” à fedentina forense, advogados penavam

Do “cemitério de processos” à fedentina forense, advogados penavam

Muito antes das modernas sedes do Fórum Criminal de Porto Velho e do Tribunal de Justiça de Rondônia, a história da rotina de atendimento no antigo

Aplicativo revelará conduta afetiva em casos psicológicos ou de violência

Aplicativo revelará conduta afetiva em casos psicológicos ou de violência

Um aplicativo de fácil acesso popular para o registro de antecedentes de conduta afetiva, em casos de violência de natureza física ou psicológica fo

Processos sumiam com facilidade no Fórum da Capital

Processos sumiam com facilidade no Fórum da Capital

Numa caótica organização judiciária, apenas duas Comarcas funcionavam em meados dos anos 1970. A Comarca de Porto Velho começava no Abunã e terminav

Filhos lembram de Salma Roumiê, primeira advogada e fundadora da OAB

Filhos lembram de Salma Roumiê, primeira advogada e fundadora da OAB

A exemplo de outras corajosas juízas e promotoras de justiça aqui estabelecidas entre 1960 e 1970, a paraense Salma Latif Resek Roumiê foi a primeir

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)