Porto Velho (RO) quarta-feira, 13 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Soldados da borracha antecipam acerto de contas com deputados nas eleições de 2014


 Soldados da borracha antecipam acerto de contas com deputados nas eleições de 2014 - Gente de Opinião

MONTEZUMA CRUZ
De Brasília

A rejeição da Proposta de Emenda Constitucional nº 556/2002 no Plenário da Câmara dos Deputados, acompanhada da declaração do deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), segundo a qual “o governo não tem fábrica de dinheiro para pagá-los” abriu uma frente de combate aos parlamentares federais e ao Governo Dilma Roussef, cujas implicações poderão refletir no resultado das eleições de 2014 em Rondônia.

Gente de Opinião
Soldado da borracha, doente acamado em Tabajara (RO)
/ASSESSORIA SINDSBOR, 2013

“Não tem dinheiro para indenizar quem trabalhou, enfrentou doenças e sofreu na floresta amazônica, mas sobra para bancos, banqueiros e frigoríficos falidos”, lamentou ontem o vice-presidente da entidade, George Teles.

“Desrespeitosamente, 371 deputados derrotaram a PEC que concedia aos soldados da borracha os mesmos direitos à pensão e aposentadoria especial, dados a ex-combatentes de guerra. Não satisfeitos, tripudiaram sobre a classe e seus descendentes, como fez Chinaglia”, disse.

“O bônus de R$ 25 mil é humilhante, imoral e antiético”, lamentou o Sindsbor. A entidade criticou duramente a postura do governo, de sua base aliada e dos deputados que votaram favoravelmente “ao mísero aumento de R$ 144,00 sobre o aumento salarial de quase 6,5 mil soldados da borracha com idades acima de 85 anos”. “A matéria não passou pela Comissão Especial da Câmara, o que representa um retrocesso de governo, institucional e humano”.

Soldados da borracha antecipam acerto de contas com deputados nas eleições de 2014 - Gente de Opinião
Senador Aníbal Diniz: a "bola" está com ele, sob desconfiança total de rondonienses /LAMLID NOBRE, 2013

Conduzida a defesa do bônus de R$ 25 mil por Chinaglia e pela deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), agora, o senador Aníbal Diniz (PT-AC) relata aPEC 61, que trata da indenização aos ex-seringueiros alistados no Ceará durante o período da 2ª Guerra Mundial (1939-1945), para a extração de látex em estados amazônicos.

Sob desconfiança da categoria, Diniz afirmou ter explicado aos soldados da borracha que apresentou requerimento, já aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça, possibilitando audiência pública para o assunto ser novamente debatido. Para a categoria, ele “interpreta uma farsa”.


Se a proposta aprovada no plenário da Câmara não atendeu aos anseios dos beneficiários, aos sindicalistas e soldados da borracha resta agora saber se Diniz, senador governista, terá chance de novamente rediscutir o assunto. No atual ritmo da blindagem econômica do Palácio do Planalto, é quase certo que ele será bombardeado com plateia e tudo.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Brasil não reduz emissões, que vão piorar com cana na Amazônia e no Pantanal

Brasil não reduz emissões, que vão piorar com cana na Amazônia e no Pantanal

Tive um intuitivo senso de alerta terça-feira (5), quando o Observatório do Clima anunciou que as emissões brasileiras de gases de efeito estufa se ma

Mulheres morrem no parto em Porto Velho; prioridade do PPSUS em 2020

Mulheres morrem no parto em Porto Velho; prioridade do PPSUS em 2020

Quatro horas de reunião indicaram ao Programa de Pesquisa para o SUS (PPSUS)* prioridade à mulher gestante em 2020. Acompanhei na semana passada a r

A cara da tragédia – Pai e filho apostam no tumulto e na provocação aos quartéis

A cara da tragédia – Pai e filho apostam no tumulto e na provocação aos quartéis

Jair Bolsonaro reagiu como pai e não como presidente da república à afirmativa do caçula de 35 anos, o deputado federal Eduardo, que ameaçou a radical

SÍNODO DA AMAZÔNIA – Sem padres, até a Eucaristia fica difícil

SÍNODO DA AMAZÔNIA – Sem padres, até a Eucaristia fica difícil

As propostas aprovadas pelos bispos católicos que se reuniram no Sínodo da Amazônia, assembleia de prelados de todos os países pelos quais se espalha