Porto Velho (RO) domingo, 26 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Se ninguém baixar essa bola, o pau vai comer!


Se ninguém baixar essa bola, o pau vai comer! - Gente de Opinião

Anote: no ritmo crescente de insultos e agressões verbais em que vêm se travando os debates parlamentares, já-já assistiremos a cenas de pugilato em nossas casas legislativas. O pau vai comer, e vai comer feio.

A pancadaria verbal há muito tempo extrapolou os limites da civilidade. O “homem cordial” de Sérgio Buarque de Holanda foi expulso da roda e está trancado em casa, de cabeça baixa, se perguntando em que lugar foi parar o país da ginga, do carnaval e do futebol.

O bom malandro perdeu o jogo de cintura e está no boteco afogando as mágoas, tentando compor um samba pra esquecer. E o homem da rua, como diz o Chico naquela canção, está em casa, na roda muda em frente à televisão, assistindo aos combates que substituíram os debates, pra ver quem mais bate, quem mais abate.

Nos plenários há tempos não se vê a malemolência de um Moreira da Silva, de um Zeca Pagodinho, de um Jards Macalé, essa gente bronzeada. Pelo contrário. O nível está mais para a truculência de uma luta de sangue, daquelas que se travavam nas arenas romanas, em que um gladiador com a espada apoiada no pescoço do adversário olhava a plateia, todos punham os polegares para baixo e, autorizado, enterrava a lâmina até o fundo, debaixo de aplausos frenéticos.

NÃO HERÓIS, NEM MOCINHOS

O centro do palco foi ocupado pelos radicais de parte a parte. E atenção: não há heróis nem mocinhos na arena. Todos são boxeadores sem luvas. E tome sopapo. Quem acompanha os debates travados nos plenários, como tenho de fazer por dever de ofício, se preocupa um minuto depois do outro com a possibilidade de palavras grosseiras se converterem em safanões.

A polarização ideológica, acutizada durante a campanha, permanece durante os debates. É como se a campanha não tivesse terminado. Está faltando nas arenas parlamentares vozes de bom senso. Alguém que proponha que as armas sejam colocadas no chão e se trave um diálogo minimamente educado e produtivo.

Impossível chegar-se a qualquer ponto que represente um avanço nos impasses em que o país está entalado se ambas as partes – e só sobraram duas! - não se conscientizarem de que o país é infinitamente superior às disputas miúdas pelo poder a qualquer custo.

BOÇALIDADE DE BOLSONARISTAS

Os bolsonaristas pronunciam-se num grau de boçalidade que estarrece quem acompanhou os representantes da ditadura nas tribunas parlamentares. Sim, em plena ditadura havia mais respeito, ponderação, e até, vá lá, inteligência.

Integrantes dos partidos de apoio ao novo governo gastam saliva e paciência de quem assiste com louvaminhas a Bolsonaro e críticas à oposição, principalmente ao PT pela corrupção, enquanto escondem o Queiroz debaixo do tapete, juntamente com aqueles 24 mil da primeira dama. E o suco de laranja escorrendo pela sala.

Ideias? Quem está preocupado com isso?  Na oposição, petistas e psolistas vêm dando um show de destempero verbal, os petistas exumando a cada investida o cadáver político de Lula, o Injustiçado, mantra cansativo, gasto e sem futuro. Afinal, o homem está preso. E não cola mais a arenga de preso político: é preso comum, sim. Meliante, na linguagem da antiga crônica policial. E a cada condenação que recebe, mais meliante fica.

 Já o Psol, incapaz de fazer jus ao sol que carrega no próprio nome, não consegue sair da condição de satélite apagado do PT, preso ao qual segue num alinhamento automático e estéril. Perde a cada dia a chance de ser um partido com discurso próprio e independente.

CRÔNICA DE UMA CARNIFICINA ANUNCIADA

Estamos mal. Bem mal. Poderíamos estar melhor? Não: poderemos piorar ainda mais, caso o debate prossiga na base do olho por olho e dente por dente, o que poderá nos levar a ter em breve tempo uma legião de cegos desdentados.

E o Brasil na plateia, sem poder fazer nada, a não ser esperar que se cumpra a crônica de uma carnificina anunciada.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Vem aí a grande festa da quadrilha e do boi-bumbá em Porto Velho

Vem aí a grande festa da quadrilha e do boi-bumbá em Porto Velho

No cenário folclórico de Porto Velho desde os anos 1980, quando iniciou em quadras esportivas  escolares, o Arraial Flor do Maracujá se completa com o

JERÔNIMO: Foi o primeiro prefeito eleito de Porto Velho e o primeiro governador também eleito

JERÔNIMO: Foi o primeiro prefeito eleito de Porto Velho e o primeiro governador também eleito

Com fotos do Arquivo Sejucel e álbum familiarDefensor de garimpeiros desempregados com a chegada de máquinas de grandes empresas que passaram a extrai

Indígenas de Rondônia estudam, produzem, conservam a língua materna e defendem território

Indígenas de Rondônia estudam, produzem, conservam a língua materna e defendem território

Com fotos do Facebook, EBC, Frank Néry e Kanindé Etnoambiental Este é um Dia do Índio de especial significado em Rondônia, na Amazônia Ocidental Brasi

NOVA REPÚBLICA — Ângelo Angelim sucedeu Teixeirão e preparou a casa para Jerônimo

NOVA REPÚBLICA — Ângelo Angelim sucedeu Teixeirão e preparou a casa para Jerônimo

Rondônia alcançou o primeiro milhão de habitantes durante gestão do governador Ângelo Angelim