Porto Velho (RO) sexta-feira, 1 de julho de 2022
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

No meio do caminho há uma grande pedra


No meio do caminho há uma grande pedra - Gente de Opinião  

 

MONTEZUMA CRUZ
Amazônias

 

TERRA SURUÍ, Cacoal (RO) – TERRA SURUÍ, Cacoal (RO) – Como ela foi parar ali? É a primeira pergunta feita pelo visitante, ao encontrar essa pedra enorme numa inclinação do terreno à margem da estrada poeirenta (no verão) e lamacenta (no “inverno amazônico) de acesso à Terra Indígena Suruí Paiter, formada por 25 aldeias circunscritas ao Parque Indígena do Aripuanã.

 

À primeira vista, quem passa no local imagina a cabeça de um animal gigante. Aproximando-se, notará semelhança entre essa e outras pedras grandes e bonitas que compõem as hoakas de Alto Alegre dos Parecis e Rolim de Moura.

 

Hoakas eram lugares supostamente usados pelo Povo Inca para reuniões e meditações. Em alguns lugares do mundo há situações que levam as pessoas a despertar para um estudo das pedras. No deserto do Vale da Morte (EUA), por exemplo, existe uma zona chamada Racetrack Valley, onde parece que as pedras têm vida própria e caminham sozinhas. Algumas com mais de 200 quilos deixam marcas na terra como se rastejassem pouco a pouco. Inclusive giram e formam ângulos retos.

 

Meu amigo jornalista Donizete Oliveira, redator da revista “Tradição”, em Maringá (PR), escalou a Pedra da Gávea, entre os bairros da Barra da Tijuca e São Conrado, no Rio de Janeiro, situada a 842 metros acima do nível do mar. Ela possui a face de um gigante desconhecido que encanta as pessoas. O nome Gávea remonta à época do descobrimento, quando os portugueses notaram que ela era um observatório perfeito das caravelas que chegavam.

 

A 3,7 mil quilômetros a oeste da costa da América do Sul existem 800 estátuas de pedra, a maioria delas de frente (ou de costas) para o mar, na conhecida Ilha de Páscoa. São fantásticas esculturas denominadas moai, feitas de composição vulcânica, com 4m de altura. Pesam em média 50 toneladas. Atualmente elas não têm olhos, mas no passado eles eram preenchidos com coral branco ou rochas vermelhas.

 

Que mistério teriam as pedras encontradas nas terras Suruí Paiter?

 

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Presença indígena há 7 mil anos revela uma Rondônia ainda desconhecida

Presença indígena há 7 mil anos revela uma Rondônia ainda desconhecida

Povoada há cerca de seis mil anos, floresta amazônica preservou vestígios dos povos antigos em Rondônia. Produção do SescTV acompanhou o trabalho de p

MEMÓRIA AMAZÔNICA - O repórter Montezuma na terra Kaxarari

MEMÓRIA AMAZÔNICA - O repórter Montezuma na terra Kaxarari

Breve relato de uma andança pela terra indígena Kaxarari entre Rondônia, Acre e Amazonas: em 1980 eu estava na Redação do jornal Porantim em Manaus, e

A grande pedra no caminho dos Suruís

A grande pedra no caminho dos Suruís

Como é que ela foi parar ali? É a primeira pergunta feita pelo visitante, ao encontrar essa pedra enorme numa inclinação do terreno à margem da estrad

Olhe aí, o Canadá de novo

Olhe aí, o Canadá de novo

O anúncio da chegada da empresa Canadá Rare Earth Corporation a Rondônia para explorar terras raras a partir do minério de estanho (cassiterita) trans