Porto Velho (RO) sábado, 21 de julho de 2018
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Moídos e debulhados - Por Montezuma Cruz


 Moídos e debulhados - Por Montezuma Cruz - Gente de Opinião

MONTEZUMA CRUZ
Em Porto Velho


Nóis mói ele, nós debulha ele foi talvez a frase botinuda da semana, produto do desastrado diálogo flagrado pelo grampo beiradeiro até o momento não esclarecido pela Polícia Federal, tampouco por vítimas e praticantes.

Há outra: “Não se pode nem conspirar na intimidade”. Ambas são candidatas às mais risíveis falas do ano. A primeira contrasta fortemente com o linguajar original das raízes porto-velhenses.

Na condição de bola da vez, o escândalo possivelmente praticado pelo MDB para canibalizar o presidente da Assembleia, Maurão de Oliveira, induz o eleitorado a se esquecer de outros, a exemplo das propinas pagas na construção da Hidrelétrica Santo Antônio, por exemplo, envolvendo o ex-governador Ivo Cassol.

Lá se foram alguns mensalões a partir da Lei 1776, abrindo o espaço protegido pela Constituição do Estado à edificação da usina. E as Centrais Sindicais caladas sob o comando daquele ínclito senhor Paulinho da Força?

Maurão queria suceder Confúcio Moura, espantou-se com o crescimento da possível candidatura do vice, Daniel Pereira, e teria sido estimulado a tentar o golpe, amparando-se no apoio do colega deputado Jesuíno Boabaid.

Nenhuma novidade para quem se der ao exercício de memória e constatar novamente que o atual esperneio no âmbito emedebista é quase idêntico àquela refrega de Jerônimo Santana e Múcio Athayde Froes contra “o resto do partido”, nos anos 1980.

Ou seja, o “goela abaixo” funciona nesta terra há mais de 30 anos. E o eleitorado militante conhece o jeito das maquinações, embora tenha se acostumado a degustar a farofa.

Se Confúcio sair mesmo para o Senado Federal, renunciando à renúncia da candidatura, aí é que Maurão sepultará de vez por todas os seus intentos. O clima fervilhou, a vergonha parece corar até o rosto do frade de pedra.

Não haveria procissão ou culto evangélico suficientes para reverter o quadro desastroso nesse intervalo entre março e abril, respeitando-se o calendário eleitoral. Quanto mais, impeachment por causa da ponte de Ji-Paraná.

Quando ao vice-governador, legítimo e legal sucessor, aconselhado a ponderar a respeito de apressadas substituições, certamente irá aparar arestas, medindo cada passo e fazendo campanha inteligente.

Daniel Pereira sabe o tamanho do andor e mesmo com o abalo judicial sofrido por um dos seus fortes aliados, o senador Acyr Gurgacz, ele tem apoio para concluir o mandato no Palácio Rio Madeira, e concorrer à sucessão, se assim se credenciar.

Contingências do destino de cada um dos protagonistas desse cenário semi-dantesco contribuem para o sepultamento da investigação do grampo.

Na verdade, nomeações e substituições em diversos escalões do poder soam forte e interessam muito mais. Virão algumas costuras. Pois não é?

A semana começa com ares assim de “tudo como dantes no Quartel de Abrantes” e só se alteraria se houvesse notitia criminis de quem se supõe manchado ou prejudicado pelo lamaçal da escuta telefônica e do resgate dos cargos.

Alguém sente alguma nódoa ou lama nas calças ou no paletó? O palácio caiu por causa do DER ou da PM? Nada, segue impávido.

E a dupla parlamentar, para surpresa dela mesma, ficou assim, moída e debulhada. Praticamente sem condições éticas e morais para desvendar [ou debulhar] a autoria do grampo que as desnudou.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Colômbia investiga a implosão da ponte de Chirajara

Colômbia investiga a implosão da ponte de Chirajara

As causas da catástrofe ainda estão sendo investigadas.

Árvore agredida na Copa do Mundo sobrevive na ressaca da Avenida Calama

Árvore agredida na Copa do Mundo sobrevive na ressaca da Avenida Calama

 MONTEZUMA CRUZOs galhos da única árvore da Avenida Calama desenvolviam-se, quando foram grosseira e inexplicavelmente arrancados. Na primeira semana

Só contratações melhoram o papel da Agência Brasileira de Mineração em Rondônia

Só contratações melhoram o papel da Agência Brasileira de Mineração em Rondônia

Quarenta anos depois de o extinto Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) administrar o setor, sob forte influência de grupos multinacionais,

Mães da Zona Leste são as maiores doadoras de leite

Mães da Zona Leste são as maiores doadoras de leite

Mães da zona leste de Porto Velho são as maiores doadoras de leite que atende às necessidades do Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro.