Segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Marinha do Brasil recebe duas caminhonetes para o patrulhamento e vistorias na Amazônia Ocidental


Marinha do Brasil recebe duas caminhonetes para o patrulhamento e vistorias na Amazônia Ocidental - Gente de Opinião

Fruto de emenda parlamentar do senador Confúcio Moura (MDB-RO) ao Orçamento Geral da União de 2023, a Capitania Fluvial de Porto Velho recebeu nesta quinta-feira (26) duas caminhonetes Mitsubishi L200 Triton GL que se incorporam à frota da Marinha do Brasil para serviços de patrulhamento e fiscalização numa vasta área sob sua jurisdição.

A emenda parlamentar totaliza R$ 700 mil e segundo o senador Confúcio novos equipamentos virão a partir de emendas ao Orçamento Geral da União de 2024.

 

A Capitania faz em média nove fiscalizações diárias no porto do Rio Madeira e totaliza por ano três mil inspeções navais e abordagens a embarcações. No mês de novembro próximo irá receber uma moto aquática.

“Tive a felicidade de receber esses novos equipamentos reivindicados no comando anterior; tenha certeza, senador, iremos zelar muito bem por eles”, disse o comandante da Capitania, Capitão de Fragata Matheus de Athaídes.

Segundo o comandante, a sociedade ganha com a modernização da frota, enquanto a Capitania cumpre a sua missão constitucional dentro e fora de Rondônia.

“Eu saúdo o Capitão Matheus e me sinto até envaidecido com este ato (o efetivo da Capitania reunido para receber os veículos); é uma satisfação, porque a nossa conversa vem desde o ano passado e hoje antevemos a aquisição de novos barcos”, disse o senador Confúcio Moura.

Marinha do Brasil recebe duas caminhonetes para o patrulhamento e vistorias na Amazônia Ocidental - Gente de Opinião

A salvaguarda da vida humana nos rios da região e o controle da poluição hídrica são os principais beneficiados com os novos equipamentos.

O senador Confúcio colocou-se à disposição da Capitania para indicar novos equipamentos no conjunto de emendas parlamentares ao Orçamento Geral de 2024. “Sei da importância da Marinha do Brasil: ela é faz nas águas o papel que o Detran executa nas cidades, tendo alta responsabilidade perante a Nação ao patrulhar seus rios e controlar embarcações”, ele disse.

A jurisdição da Capitania abrange 74 municípios, a maioria em Rondônia, e ainda: Humaitá (Sul do Amazonas), Boca do Acre (AM), e Rio Branco (AC); ao todo, 18 municípios fora de sua sede.

“São lugares onde o Estado tem dificuldade de chegar e sem tanta constância; e a Marinha do Brasil marca sua presença oferecendo também o acesso à profissão a qualquer pessoa habilitada, e assim contribui para o desenvolvimento social”, disse o Capitão Matheus de Athaides.

Em outubro de 2019, o 9º Distrito Naval elevou a antiga Delegacia a Capitania Fluvial, que funciona nas mesmas instalações, na Rua Henrique Dias nº 395, Centro de Porto Velho.

Segundo informou o comandante, futuramente a sede mudará de lugar, podendo funcionar ainda mais próxima do Rio Madeira.

Responsável pela extensão do rio Madeira [o maior afluente da margem direita do rio Amazonas], a Capitania Fluvial de Porto Velho possui área de atuação de 658,5 mil km² extrapolando os limites de Porto Velho. Desde 1º de outubro de 2019, pela Portaria nº 281 assinada pelo Comandante da Marinha do Brasil, a Capitania passou a subordinar as agências de Guajará-Mirim, Boca do Acre (AM) e Humaitá (AM).

Além de fiscalizar cotidianamente os rios sob sua jurisdição, a Capitania Fluvial em Porto Velho inscreve e vistoria embarcações, e ao mesmo tempo forma tripulantes profissionais por meio de cursos e concursos públicos.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoSegunda-feira, 26 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Livro do repórter fotográfico Araquem Alcântara chega de graça às escolas

Livro do repórter fotográfico Araquem Alcântara chega de graça às escolas

Na aldeia dos Kamayurá, no Mato Grosso, Raoni, de 8 anos, faz uma cambalhota e mergulha na Ipavu, a lagoa sagrada. Em Periquitaquara, no Pará, Pedro,

“Fui leiloado”, conta Miguel Roumiê, que seria desembargador

“Fui leiloado”, conta Miguel Roumiê, que seria desembargador

O período de afirmação da Seccional iniciou em 1983. O então presidente interino Miguel Roumiê, advogado nº 15, conduziu o processo eleitoral que re

4 milhões sem banheiro, lixo para todo lado; e o asfalto ainda ganha do saneamento

4 milhões sem banheiro, lixo para todo lado; e o asfalto ainda ganha do saneamento

Pergunte-se a diversos prefeitos dos estados do Acre ou de Rondônia se rejeitam 50 mil metros cúbicos de asfalto. Eles querem o benefício “para ontem”

História do Direito no Brasil e resistência ao arbítrio inspiram  a OAB em Rondônia

História do Direito no Brasil e resistência ao arbítrio inspiram a OAB em Rondônia

Chamava-se Fouad Darwich Zacharias o primeiro presidente da Seccional de Rondônia da Ordem dos Advogados do Brasil e primeiro desembargador presiden

Gente de Opinião Segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)