Porto Velho (RO) terça-feira, 14 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

HB, reconhecê-lo é preciso


 Foto Sângela Oliveira - Gente de Opinião
Foto Sângela Oliveira

O Hospital público estadual Galileu e o Hospital Oncológico infantil Octávio Logo, de Belém (PA), e o Hospital Yutaka Ikeda, em Paraupebas, entraram para a lista de unidades certificadas com o nível máximo da Organização Nacional de Acreditação, informa em seu blog o jornalista Lúcio Flávio Pinto.

 

Trata-se da “mais importante e respeitada entidade avaliadora da qualidade dos serviços de saúde do Brasil”, segundo nota distribuída pela Pró-Saúde e mencionada por Lúcio Flávio.


Ela é gestora de seis hospitais paraenses com certificação, dos quais cinco alcançaram o nível máximo. Além dos três citados, há os hospitais Regional do Baixo Amazonas, em Santarém, e o regional público da Transamazônica, em Altamira.

 

A Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar foi responsável por mais de 3,3 milhões de atendimentos de saúde, em 2019, no Pará. O número engloba desde consultas e exames de diagnóstico, até quimioterapias e transplantes, realizados de janeiro a dezembro, em dez hospitais públicos e privados.

 

Comentei a nota do blog lembrando que, em Porto Velho, o Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro (bragantino ilustre a quem a cidade muito deve) já estaria em condições de merecer certificação semelhante.

 

Por que um hospital pede certificação? Para mostrar à sociedade que atendem às suas exigências. Ao buscar certificação, o hospital atesta a qualidade na prestação de seus serviços e melhora o atendimento aos pacientes.

 

Construído pelo coronel paraquedista e governador Jorge Teixeira de Oliveira, há anos o HB recebe pacientes do noroeste mato-grossense, acreanos, sul amazonenses, bolivianos, peruanos, que se somam à clientela local e superlotam a casa.

 

Seus 570 leitos são ocupados por renais crônicos, deficientes visuais, mulheres vítimas de neoplasias, ostomizados, vítimas do trauma (notadamente acidentados de motos), vítimas de AVC, câncer infantil e adulto, entre outras. Pacientes do HB para transplantes de rins, coração e outros órgãos passam por triagem e são encaminhados para tratamento em estados da região sudeste.

 

A cada mês, a estatística do SUS aumenta, porque o HB, com partos humanizados, também se tornou referência e, por seus feitos, alcançou a condição de hospital-escola, atendendo às necessidades das Faculdades de Medicina e de Enfermagem locais, incluindo a própria Universidade Federal, que até hoje não dispõe de Hospital Universitário.

 

Ali circulam cerca de 2 mil pessoas por dia. Quando o centro cirúrgico abre vagas, esse hospital também proporciona cirurgias ortognáticas, bariátricas e outras mais.

 

Há meses vem sendo outra vez reiterada a necessidade de remodelação do HP João Paulo II e a construção do Heuro. Antes, porém, é preciso reconhecer o papel de todos os que o fazem o HB funcionar dia e noite, ininterruptamente, mesmo com arestas a serem amparadas em seu orçamento.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Este Brasil

Este Brasil

A epidemia de meningite começou no Brasil, na metade dos anos 1970, por uma violenta irrupção em São Paulo. Dezenas de mortes diárias criaram um clima

O pior do pior

O pior do pior

O presidente Jair Bolsonaro tem a capacidade de surpreender negativamente mesmo aqueles que têm a pior expectativa sobre ele. O pior da véspera é supe

O que querem os engenheiros?

O que querem os engenheiros?

Participantes do debate pelo Google meet, terça-feira passada, queixaram-se de uma prática antiga no Estado de Rondônia: a nomeação de pessoas leiga

Em Cacoal, festa junina virtual dá o tom da quarentena infantil

Em Cacoal, festa junina virtual dá o tom da quarentena infantil

Por óbvios motivos centrados na pandemia mundial da Covid-19, este vem sendo um mês nunca visto em Rondônia, no Brasil e no mundo. Para manter vivas