Porto Velho (RO) sábado, 28 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

HB, reconhecê-lo é preciso


 Foto Sângela Oliveira - Gente de Opinião
Foto Sângela Oliveira

O Hospital público estadual Galileu e o Hospital Oncológico infantil Octávio Logo, de Belém (PA), e o Hospital Yutaka Ikeda, em Paraupebas, entraram para a lista de unidades certificadas com o nível máximo da Organização Nacional de Acreditação, informa em seu blog o jornalista Lúcio Flávio Pinto.

 

Trata-se da “mais importante e respeitada entidade avaliadora da qualidade dos serviços de saúde do Brasil”, segundo nota distribuída pela Pró-Saúde e mencionada por Lúcio Flávio.


Ela é gestora de seis hospitais paraenses com certificação, dos quais cinco alcançaram o nível máximo. Além dos três citados, há os hospitais Regional do Baixo Amazonas, em Santarém, e o regional público da Transamazônica, em Altamira.

 

A Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar foi responsável por mais de 3,3 milhões de atendimentos de saúde, em 2019, no Pará. O número engloba desde consultas e exames de diagnóstico, até quimioterapias e transplantes, realizados de janeiro a dezembro, em dez hospitais públicos e privados.

 

Comentei a nota do blog lembrando que, em Porto Velho, o Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro (bragantino ilustre a quem a cidade muito deve) já estaria em condições de merecer certificação semelhante.

 

Por que um hospital pede certificação? Para mostrar à sociedade que atendem às suas exigências. Ao buscar certificação, o hospital atesta a qualidade na prestação de seus serviços e melhora o atendimento aos pacientes.

 

Construído pelo coronel paraquedista e governador Jorge Teixeira de Oliveira, há anos o HB recebe pacientes do noroeste mato-grossense, acreanos, sul amazonenses, bolivianos, peruanos, que se somam à clientela local e superlotam a casa.

 

Seus 570 leitos são ocupados por renais crônicos, deficientes visuais, mulheres vítimas de neoplasias, ostomizados, vítimas do trauma (notadamente acidentados de motos), vítimas de AVC, câncer infantil e adulto, entre outras. Pacientes do HB para transplantes de rins, coração e outros órgãos passam por triagem e são encaminhados para tratamento em estados da região sudeste.

 

A cada mês, a estatística do SUS aumenta, porque o HB, com partos humanizados, também se tornou referência e, por seus feitos, alcançou a condição de hospital-escola, atendendo às necessidades das Faculdades de Medicina e de Enfermagem locais, incluindo a própria Universidade Federal, que até hoje não dispõe de Hospital Universitário.

 

Ali circulam cerca de 2 mil pessoas por dia. Quando o centro cirúrgico abre vagas, esse hospital também proporciona cirurgias ortognáticas, bariátricas e outras mais.

 

Há meses vem sendo outra vez reiterada a necessidade de remodelação do HP João Paulo II e a construção do Heuro. Antes, porém, é preciso reconhecer o papel de todos os que o fazem o HB funcionar dia e noite, ininterruptamente, mesmo com arestas a serem amparadas em seu orçamento.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Em tempo de vírus, engenheiros de Rondônia votam pelo Waths App

Em tempo de vírus, engenheiros de Rondônia votam pelo Waths App

Para escolher a diretoria executiva e o conselho fiscal do triênio 2020-2022, o Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de R

Sejus instaurou 103 processos administrativos disciplinares e abriu 14 sindicâncias administrativas no ano passado (3–final)

Sejus instaurou 103 processos administrativos disciplinares e abriu 14 sindicâncias administrativas no ano passado (3–final)

Em fiscalização conjunta com o Tribunal de Contas do Estado e Tribunal de Contas da União, a Corregedoria Geral da Secretaria Estadual de Justiça (S

Conheça o que mudou no sistema prisional em Rondônia (2)

Conheça o que mudou no sistema prisional em Rondônia (2)

Em janeiro deste ano, o sistema prisional de Rondônia abrigava 12.998 detentos em cadeias, centros de ressocialização, penitenciárias e demais unida

Relatório prevê o aperfeiçoamento do modelo prisional rondoniense, com apoio da sociedade (1)

Relatório prevê o aperfeiçoamento do modelo prisional rondoniense, com apoio da sociedade (1)

Mesmo com ocasionais movimentos pró-salários, presença de presos de alta periculosidade em cumprimento de pena em presídios federais, a Secretaria E