Porto Velho (RO) sexta-feira, 3 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Governo ou máfia?


Governo ou máfia? - Gente de Opinião

Quem assistir ao vídeo que acaba de ser exibido pela GloboNews sem saber quem são os personagens da reunião poderia imaginar tratar-se do encontro de uma organização mafiosa. 

E mafiosa apenas porque os participantes usam paletó e gravata. Se estivessem em traje esporte, o desavisado poderia supor ser um desses encontros desbocados e irracionais de fim de semana, com liberdade para os participantes dizerem o que lhes vem à cabeça, sem qualquer inibição no uso da linguagem, a mais vulgar praticada nesse tipo de convescote, ativada por muita bebida alcoólica e ausência de testemunhas.

Neste meu comentário nem vou tratar do conteúdo da reunião, na qual, em síntese, tudo que dela reconstituiu o ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro é confirmado. Apesar dessa evidência, é claro que não haverá uma única interpretação nem um só desdobramento - político e jurídico do que foi apresentado ao país.

O que motiva a minha manifestação é o choque de saber que dessa reunião participa todo um governo federal, com seus ministros e os dirigentes dos bancos oficiais, de um país com 8,5 milhões de quilômetros quadrados e população de 210 milhões de habitantes, "gigante pela própria natureza".

O pretexto para a convocação é a apresentação para conhecimento e debate de um plano com o qual o governo pretenderia reativar a economia brasileira, que já vinha patinando em índice de crescimento inferior ao do crescimento da população e ainda foi golpeada pela pandemia do coronavírus.

O plano foi preparado por um autor inusitado, o general Braga Neto, chefe da Casa Civil, que "roubou uma ideia aqui e outra ali", conforme declarou na reunião, apontando os ministros que usou para criar o tal plano, que não resistiu a uma apreciação telegráfica do ministro da economia Paulo Guedes. Ele fulminou a ingenuidade do general afirmando que o Brasil só retomará o desenvolvimento abrindo espaço para o investimento privado e não à base de recursos estatais. Usar essa diretriz, segundo ele, fez o PT de Lula e Dilma levar o Brasil ao desastre.

A partir daí, todas as frágeis intervenções em torno da agenda oficial se tornaram irrelevantes. Com palavrões, palavras duras, desrespeito aos outros, irreverência e descomposturas, o que o presidente Jair Bolsonaro fez foi enquadrar os seus ministros, exigir que participem da ação política, se tornem também alvos dos ataques feitos pessoalmente ao presidente, se submetam às ordens dele - ou peçam para sair.

Foi nesse contexto que Bolsonaro investiu contra Moro. Ele não estava se enquadrando no "modelo" bolsonarista, falhava nas ações exigidas e era o responsável pela ineficiência da parte do sistema de informações a ele subordinado, a Polícia Federal, que não prestava ao presidente as informações de que ele precisava. Como, por exemplo, a identificação dos ataques à sua família e situações que surpreendiam o presidente.

"Eu não posso ser surpreendido por notícias porque não tenho informações. A Polícia Federal não me dá informações", reclamou, não deixando dúvida de que esse era o motivo para que ele decidisse "interferir em todos os ministérios", exceto o de Paulo Guedes, com o qual o seu entendimento seria de 100% (mais uma inverdade na extensa coleção de Bolsonaro, que diz e desdiz conforme a circunstância e o seu interesse),

Talvez nem tanto quanto ele se queixou. Em um dos trechos mais graves, Bolsonaro deixa escapar, numa observação rapidíssima, que tem seu próprio sistema de informação, o que lhe permite, por comparação, concluir que os órgãos oficiais de inteligência "são um fracasso".

Meu Deus: o Brasil não merece o castigo deste governo, o pior da história republicana do País.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Em Cacoal, festa junina virtual dá o tom da quarentena infantil

Em Cacoal, festa junina virtual dá o tom da quarentena infantil

Por óbvios motivos centrados na pandemia mundial da Covid-19, este vem sendo um mês nunca visto em Rondônia, no Brasil e no mundo. Para manter vivas

Duas chapas concorrem às eleições no CREA; live debate o mercado para engenheiros

Duas chapas concorrem às eleições no CREA; live debate o mercado para engenheiros

Quais as reais ofertas no mercado de trabalho para o engenheiro em Rondônia?  Esta e outras indagações serão esclarecidas em live pelo Google meet,

“Deus é top”, dizia a Pastora Núbia, que a Covid-19 levou

“Deus é top”, dizia a Pastora Núbia, que a Covid-19 levou

Vítima da Covid-19, a Pastora evangélica Núbia Amparo Dias Camacho se foi, deixando um vazio nos presídios cheios. Era ela quem ajudava a celebraçã

O Paraíso perdido

O Paraíso perdido

O Pará tem a 2ª maior extensão territorial (com 1,2 milhão de quilômetros quadrados, equivalente ao tamanho da Colômbia) e a 9ª maior população do Bra